Não fique a ver navios. Reserve seu cruzeiro conosco através do email ricardo@turismoadaptado.com.br

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 19/12/2014

Natalie & Tim’s green-filled access-a-wedding


Natalie and Tim arranged his marriage and his party with accessibility without losing the glamorNatalie and Tim arranged his marriage and his party with accessibility without losing the glamor

The Offbeat Bride: Natalie, PhD Student
Her offbeat partner: Tim, Research Assistant
Date and location of wedding: Evergreen Brickworks, BMO Atrium, Toronto, Ontario, Canada — October 19, 2013

Our offbeat wedding at a glance: My absolute favorite highlights of our wedding can be summed up in a few “D” words: dog, dress, decor, and disability. Our dog, Rush, is a trained service dog who helps my husband with a variety of day-to-day tasks. He came down the aisle with us and delivered the rings perfectly on cue, as if it was just a normal day of work. This of course was met with a 100 peoples’ collective awwws. Rush also toured the room with us and enjoyed many pats throughout the night. A true champion.

I made my dress from a pattern and a few bolts of fabric. I worked so hard on it and was so frustrated so many times that I wanted to give up. In the end, I am so happy for every minute of time I spent working away on this thing. It was well worth it.

We really didn’t want to spend a lot of time or energy on the decor, and seeing as we were in a funky concrete space, we didn’t think much was needed. After seeing our engagement photos, I had the idea of blowing up a few of them and putting them around the room as our decor. We then came up with the idea of including photos of our parents and grandparents on their wedding days. We hung about 12 huge photos all depicting scenes of love around the room, and that was pretty much it for decor. It transformed the space into something ours while at the same time giving a simple art gallery visual. This whole idea cost us under $300.

Finally, our focus on disability was a highlight for me. You can’t hide the fact that my husband spends most of his waking hours in his giant electric wheelchair (he has cerebral palsy), so we didn’t hide it — we celebrated it. We matched the wheelchair to our wedding colors, we took an accessible bus to the wedding, our food was finger food (which is easier for Tim to eat), and our cake was cake pops (also easier for Tim). We drank wine out of straws, and we even included Sign Language Interpreters in our ceremony. We celebrated disability and difference in all its forms.

Tell us about the ceremony:
We had the ceremony dual-officiated by a legal officiant, and our dear friend who introduced us. The real officiant provided the legal bits, and our friend provided the humor. We really wanted the ceremony to be entertaining and funny, rather than too sentimental (which isn’t really us). The ceremony was framed through the story of how we met and how we came to fall in love.

Our vows to each other were personal and meaningful (and for me, entirely made up on the spot!). We had my best friend and Tim’s cousin, a couple who we introduced, read an excerpt from the children’s book Rosie and Michael. Tim’s father read the poem “How Falling in Love is like Owning a Dog,” which was particularly meaningful given that our dog Rush was up there with us during the reading.

Finally, the most meaningful reading came from my brother providing a perfect delivery of a children’s story that Tim wrote for me on our first Christmas together called “A Night in Protective Wheelchair Padding.” I have been told that the ceremony was about 20 minutes long, but it felt about two minutes in length. It was entirely a blur!

The space for holding the wedding ceremony was a large place to facilitate accessibilityThe space for holding the wedding ceremony was a large place to facilitate accessibility

Our biggest challenge:
When we began to plan the wedding, we were new graduates, each with a master’s degree and figuring that jobs were close on the horizon. Two years later, neither of us were in any meaningful employment and money was, and still is, extremely tight. The hardest part of the wedding was keeping costs under control, as well as dealing with the guilt of spending money on a party when we were trying to figure out how to pay rent. While I’m not sure we really overcame this challenge, we dealt with it as best as we could. We had to accept that money was going to be spent and tried to comfort ourselves with thoughts of the wedding presents recouping some of the costs.

Another challenge came in the form of school. The wedding was planned and deposits were made before I made the decision to go back to school and start my PhD, which I started two months before the wedding. I had convinced myself that the first two months of school would not be that hard, and man was I wrong. I felt guilty for ignoring the wedding and if I spent any time on the wedding, I felt guilty for ignoring school. I overcame this by delegating, delegating, delegating. I realized that I would never have time to finish things on my own, so I enlisted the help of all my nearest and dearest.

My favorite moment:
During his speech, my father mentioned that there was someone I had known my whole life who I had neglected to invite to the wedding. As soon as he said that I knew he meant my teddy bear and I immediately burst into tears. My bear still sleeps with me every night and it is the first inanimate object that I would grab in any evacuation situation. My father had conspired with my husband to grab the bear that morning, and out he was pulled from a bag during the speech. I was happier to see that bear then I ever though I could have been, and made sure to pose for many pictures with him.

A second moment that was incredibly meaningful came during the dancing part of the night. Our band was the amazing Dwayne Gretsky, a cover band here in Toronto which happens to be headed by Tim’s brother. My father is a professional trumpet player, and the original sessional musician on the ’80s song “Don’t Forget Me (When I’m Gone)” by Glass Tiger. We asked the band to learn this song for the wedding and got them to invite my father up on stage for their performance. It was such a perfect metaphor for bringing our two families together: my dad playing the trumpet while Tim’s brother sang.

The wedding cake ornament, with characterized dolls, showed the groom Tim in his wheelchairThe wedding cake ornament, with characterized dolls, showed the groom Tim in his wheelchair

What was the most important lesson you learned from your wedding?
The most important thing I learned was how many people we have in our inner circle who love us enough to participate and help us in our special day. Tim’s cousin and my best friend (themselves a couple) helped each of us get ready for the day. My best friend also helped me to make my ribbon flower bouquet, and another good friend made my hairpiece. My brother, a graphic design and logo enthusiast, designed all of our invitations, graphics, and the website. My mother-in-law designed and created our apple/Christmas light centerpieces as well as other details.

My mother helped me with countless tasks, including running errands, and was immense help on the creation of my dress. Our friend who introduced us acted as the unofficial officiant. Tim’s brother provided the music with his band, and his other brother baked a cake and managed to find the best cake topper ever in existence (a Playmobile bride and groom in a wheelchair!). Our other dear friend made our card box, and my aunt, who I inherited all my crafty skills from, made me a perfectly coordinated jacket to keep me warm in the cold Canadian October. Having our family and friends contribute made all of those small details so much more meaningful.

Source: Offbeat Bride


Piscinas com acesso através de rampas e guinchos de transferência, além de cadeiras anfíbiasPiscinas com acesso através de rampas e guinchos de transferência, além de cadeiras anfíbias

Por dois anos, o empresário José Fernandes Franco investiu na transformação do seu hotel, na cidade de Socorro (SP), em um espaço para receber turistas portadores de deficiência ou que tivessem dificuldade de locomoção. O investimento inicial – cerca de R$ 40 mil para adaptação de quartos – se juntou ao desenvolvimento de pesquisas e equipamentos que transformaram o hotel.

 A adaptação aumentou o volume de visitantes dos empreendimentos de José: Hotel Fazenda Campo dos Sonhos e Hotel Parque dos Sonhos. “Desde que transformamos nossas instalações, aumentamos a ocupação dos hotéis de 60% para 90%”, diz. O reconhecimento veio também através de prêmios, com os títulos Best for People with 765’Disabilities (Melhor para Pessoas com Deficiência) e World Reponsible Tourism Award – Overall Winner (Prêmio de Turismo Responsável no Mundo) na World Travel Market (WTM) – maior feira de turismo do mundo.

“Foi surpreendente o número de pessoas com deficiência que passaram a visitar o hotel. As pessoas com deficiência, inclusive, quando viajam sempre estão acompanhadas de pelo menos mais três pessoas, o que aumentou a ocupação do hotel”, explica José, nesse mercado há 15 anos.

Em 2013, o hotel recebeu quatro mil hóspedes que eram portadores de algum tipo de deficiência, além de 30 mil que não tinham nenhuma limitação, sendo 50% do público oriundo da Grande São Paulo.

O local possui cadeira de apenas uma roda para fazer trilhas guiadas, além de cardápios e mapas em Braile, rampas de acesso e acomodações adaptadas para atender idosos, pessoas com deficiência de todos os tipos e obesos. Há ainda apartamentos com canil para cães guias.

Desde 2012, os hotéis são os únicos empreendimentos do Brasil com certificação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), voltada à Acessibilidade em Meios de Hospedagem, e também a contar com suporte de equipes de emergência, fisioterapia e guias especiais.

“As pessoas com deficiência têm muita vontade de viajar, tempo e dinheiro para realizar seus passeios. É uma questão social, mas também empresarial. A acessibilidade não é só para pessoas com deficiência. Um carrinho de bebê tem os mesmos limites de uma cadeira de rodas”, ressalta.

Os hotéis de Socorro atendem a uma demanda imensa. “São mais de 45 milhões de brasileiros que possuem algum tipo de deficiência, de acordo com os dados do IBGE, e que muitas vezes não viajam por não ter a sua disposição informações sobre a acessibilidade dos destinos, empreendimentos e atrações turísticas”, explica o coordenador-geral de Programas de Incentivo a Viagens (CGPIV) do Ministério do Turismo, Vitor Iglezias Cid.

O Estudo de Perfil de Turistas – Pessoas com Deficiência, realizado pelo ministério e pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, detectou comportamentos bem heterogêneos para as viagens.

“Há desde viagens rápidas: de 2 a 4 dias; viagens de uma semana e até viagens mais longas, de 15 a 21 dias. Vale destacar que, de acordo com o estudo, as pessoas com deficiência pesquisadas já possuem o hábito de viajar de 1 a 2 vezes ao ano. Ou seja, um empreendimento que apostar nesse público tem grandes chances de ter sua taxa de ocupação ampliada”, assegura.

Atração
Em Salvador, a maior dificuldade é no Centro Histórico, segundo explica Jaime Sanjurjo, proprietário do Hotel Don Juan, localizado ao lado da Praça Castro Alves. “Temos prédios que foram construídos em meados dos anos 30, e por esse motivo, essas construções tiveram as suas fachadas tombadas pelo patrimônio histórico, o que impede alterações. E do ponto de vista externo, no Centro Histórico, por exemplo, as ruas são estreitas, as ladeiras muito íngremes e o pavimento de pedras, o que impede ambiente adequado para a locomoção dos cadeirantes”, diz.

Guilherme Bellintani, que comanda a Secretaria de Desenvolvimento Turismo e Cultura de Salvador há dois anos, reconhece que Salvador tem dificuldades em atender a esse público. “Há dificuldades claras. No Centro Histórico é muito difícil ter melhorias efetivas de acessibilidade para contemplar, por exemplo, um cadeirante. Acho que é possivel melhorar, mas sempre vai haver dificuldades por circunstâncias geográficas”.

Ele ressaltou que os projetos já executados pela gestão municipal nos últimos anos pensaram em atender às demandas das pessoas com deficiência através da instalação de passeios mais largos e pisos táteis. “Acho que a cidade tem avançado muito na acessibilidade, principalmente pela ampliação e reforma das calçadas e também na concepção de projetos da Barra e de São Tomé de Paripe que facilitam o acesso e circulação de pessoas”, argumenta.

Bellintani destaca, porém, a dificuldade de adaptação de monumentos mais antigos da cidade. “O Farol da Barra, por exemplo, é muito estreito e seria difícil adaptar para a passagem de uma cadeira de rodas”.

Bahia não está preparada para atender a esse público
Apesar do público em potencial, os operadores de turismo encontram dificuldades em formatar pacotes para atender a esse público na Bahia. O próprio secretário estadual de Turismo, Pedro Galvão, admite que o estado não está preparado para atender os deficientes, apesar do potencial desse mercado.

“No caso da Bahia, temos problemas de topografia irregular (com as ladeiras íngremes), passeios e prédios antigos que dificultam a adaptação para pessoas com deficiência ou com dificuldade de deslocamento”, diz Galvão. O secretário concorda que o investimento em acessibilidade poderia ser altamente lucrativo para o setor turístico. “Os aposentados, por exemplo, podem viajar em qualquer época do ano, inclusive na baixa temporada”, lembra.

Fonte: Correio 24 Horas

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 18/12/2014

Promueven turismo para discapacitados en la capital


Como parte de la capacitación, las asociaciones de invidentes en la capital realizan recorridos a “ciegas” con los prestadores de serviciosComo parte de la capacitación, las asociaciones de invidentes en la capital realizan recorridos a “ciegas” con los prestadores de servicios

El “Turismo Accesible” se ha convertido en uno de los principales retos para los gobiernos, segmento de visitantes que va en aumento, principalmente en la capital oaxaqueña.

Se le llama turismo accesible al conjunto de infraestructura y servicios que permiten atender a las todas las personas con alguna discapacidad, informó el responsable del área de formación profesional y desarrollo turístico de la Secretaría de Turismo del ayuntamiento, Juan Antonio Gómez Cárdenas.

Las limitaciones físicas no le restan valor al gusto de viajar y de disfrutas de las atracciones de un lugar desde cada una de las formas particulares que este segmento de la sociedad ha desarrollado. Además ha quedado demostrado que cuentan con una gran valor adquisitivo y solvencia para sus estancias, pues siempre vienen acompañados, indicó el especialista.

Es así como el gobierno municipal de la capital, desde el programa “Turismo Accesible” capacita y sensibiliza a la sociedad, propietarios y empleados de empresas prestadoras de servicios.

De acuerdo a la Ley General del Turismo, en su artículo 18 señala que la  Secretaría, con el apoyo de las dependencias y entidades competentes, promoverá la prestación de servicios turísticos con accesibilidad, que tengan por objeto beneficiar a la población con alguna discapacidad”.

Así como el artículo 19 de la misma ley que cita que los servicios turísticos deberán proveer de lo necesario para que las personas con discapacidad cuenten con accesibilidad a los servicios en condiciones adecuadas. Situación que también es obligación de las autoridades.

Como parte de esa capacitación, las asociaciones de invidentes en la capital realizan recorridos a “ciegas” con los prestadores de servicios. No obstante, el funcionario reconoció que no toda la infraestructura de la ciudad está adecuada a este sector, aunque ya existen algunas empresas turísticas que cuentan con personal capacitado para ayudar a las personas con alguna discapacidad.

SÓLO EL 3% FORMA PARTE DEL TURISMO ACCESIBLE

En la parte de empresarial, Gómez Cárdenas señaló que lo más importante en que hagan conciencia respecto al tema y que dentro de sus instalaciones cuenten con la atención requerida, lo que ayudaría a colocar a Oaxaca capital como uno de los destinos preferidos.

De acuerdo a un estudio en la capital, sólo el 3 por ciento de los establecimientos del giro hotelero y restaurantero cuentan con accesibilidad. Mientras que en el resto las personas con debilidad visual han sido confundidos con “limosneros”.

Por ello llamó a las empresas a que tomen en enserio a este turismo que va en crecimientos y consideró, además de las instalaciones adecuadas, necesaria la implementación de cartas en braille y espacios disponibles para quienes se acompañen de su lazarillo.

Fuente: noticiasnet.mx


O empresário Ricardo Shimosakai em viagem a Machu Picchu, no Peru, uma das 7 maravilhas do mundo modernoO empresário Ricardo Shimosakai em viagem a Machu Picchu, no Peru, uma das 7 maravilhas do mundo moderno

A paixão por viajar mostrou ao empresário Ricardo Shimosakai, 46, os caminhos para empreender, após ele sofrer um episódio traumático. Recém-chegado de uma temporada no Japão, ele foi baleado num sequestro relâmpago, em 2001. O tiro o deixou paraplégico. Das dificuldades para encontrar viagens acessíveis, ele criou, em 2010, a agência Turismo Adaptado, com foco nas pessoas com deficiência.

Por mês, a empresa vende cerca de dez viagens. Os roteiros são personalizados e levam em consideração as dificuldades de cada cliente. “Não adianta saber apenas que a pessoa é cadeirante, preciso saber se ela pode tomar banho e se alimentar sozinha e outros detalhes. Quanto mais informações eu tiver, melhor será a experiência do cliente na viagem”, diz o empresário.

Nos pacotes, são incluídos hotéis e passeios a lugares com acessibilidade. Há opções para pessoas com deficiência visual, auditiva, cadeirantes, entre outras limitações. A empresa não informa o faturamento.

Segundo Shimosakai, os destinos nacionais mais procurados são Bonito (MS), Foz do Iguaçu (PR), Rio de Janeiro (RJ), Porto de Galinhas (PE) e Natal (RN). Fora do país, a maior procura é por viagens para Estados Unidos, França e Itália. O maior pacote vendido pela empresa custou R$ 25 mil e foi para um grupo de seis pessoas que passou nove dias em Paris.

“Apesar de a acessibilidade ter avançado bastante no Brasil, os melhores destinos ainda estão no exterior. Em Paris, por exemplo, tem ônibus com capacidade para levar até 14 cadeirantes. Por aqui, só tem espaço para um”, afirma.

Tiro durante sequestro relâmpago deixou empresário paraplégico

O incidente que deixou Shimosakai paraplégico aconteceu quando ele saía do aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Um grupo armado o obrigou a entrar em um carro e o levou para realizar saques em um caixa eletrônico. Quando o veículo parou em um semáforo, o empresário tentou fugir, mas foi baleado nas costas.

“O tiro passou de raspão pela medula, mas foi o suficiente para me tirar os movimentos das pernas”, diz. Shimosakai levou três meses para receber alta definitiva e fez mais três meses de fisioterapia e adaptação à cadeira de rodas.

Ao tentar retomar o hábito de viajar, o empresário teve dificuldades para encontrar informações sobre locais com acessibilidade. Incentivado por amigos e outras pessoas com deficiência, cursou uma faculdade de turismo e abriu a própria agência.

“Na primeira vez que saí de casa com a cadeira de rodas, quase caí na esquina porque a guia não era rebaixada. Você só percebe como é difícil a vida de uma pessoa com deficiência quando você se torna uma”, declara o empresário.

Mercado tem espaço, mas poucos entendem as necessidades do nicho

O Brasil tem 45,6 milhões de pessoas que declaram ter algum tipo de deficiência física ou mental, segundo o Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). O número demonstra um público grande, mas ainda pouco atendido pelas empresas, de acordo com Carlos Eduardo Ferrari, presidente da Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência).

“Existe uma ‘miopia mercadológica’. Quem vier com boas soluções para esse público, certamente ganhará dinheiro”, afirma. Segundo Ferrari, as empresas ainda têm dificuldade para entender as necessidades das pessoas com deficiência. “Geralmente, pensa-se apenas no óbvio: cadeiras de roda, carros adaptados, mas faltam serviços”, diz.

Além disso, esse público é formado por pessoas com diferentes dificuldades e necessidades, o que reduz o nicho de mercado de um produto ou serviço. “São nichos pequenos, mas que servem de porta de entrada para o mercado. Depois, a empresa pode desenvolver novas soluções para pessoas com outros tipos de deficiência”, declara.

Conheça destinos turísticos adaptados para pessoas com deficiência

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (1)Um tiro nas costas durante um sequestro relâmpago quase fez com que o empresário Ricardo Shimosakai abandonasse a paixão por viajar; cadeirante, ele viu na dificuldade de encontrar roteiros turísticos para pessoas com deficiência uma oportunidade para abrir a própria agência de viagens, a Turismo Adaptado

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (6)O empresário Ricardo Shimosakai embarca em ônibus adaptado para cadeirantes em Londres, na Inglaterra; por mês, sua empresa, a Turismo Adaptado, chega a vender dez viagens para pessoas com deficiência

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (8)O empresário Ricardo Shimosakai em visita ao Museu do Louvre, em Paris; a capital francesa foi o destino do maior pacote já fechado pela Turismo Adaptado; por R$ 25 mil, seis pessoas com deficiência passaram nove dias na cidade

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (2)A Itália é um dos destinos no exterior mais procurados pelos clientes da Turismo Adaptado, segundo Ricardo Shimosakai, dono do negócio; na imagem, o empresário posa em frente ao Coliseu, em Roma

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (3)Criada em 2010, a Turismo Adaptado vende viagens e pacotes turísticos para pessoas com deficiência, um público de 45,6 milhões de pessoas no país, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas); na foto, o dono do negócio, Ricardo Shimosakai, posa ao lado de uma colega de trabalho com o vulcão Misti ao fundo, em Arequipa, no Peru

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (4)O empresário Ricardo Shimosakai participa de passeio inclusivo em Ribeirão Pires (SP), uma das atrações oferecidas pela Turismo Adaptado; a maior parte dos passeios e destinos negociados pela empresa foi visitada pessoalmente pelo empresário

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (5)Apaixonado por viajar, Ricardo Shimosakai foi incentivado por amigos e colegas a abrir uma agência de viagens, a Turismo Adaptado, com foco nas pessoas com deficiência; na foto, o empresário posa em frente ao Palácio das Comunicações, em Madri (Espanha)

Empresário fica paraplégico em sequestro e investe em turismo inclusivo (7)Os pacotes turísticos da Turismo Adaptado são personalizados levando em consideração as necessidades e dificuldades de cada cliente, segundo o fundador do negócio, Ricardo Shimosakai; na imagem, o empresário posa em frente à Casa Rosada, sede do governo argentino, em Buenos Aires

Fonte: UOL

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 17/12/2014

Ultralight Electric Wheelchair Folds Up Like a Lawn Chair


At just 38 pounds—including its electric motor and rechargeable battery—the creators of the Zinger claim their electric wheelchair is the world's lightest.At just 38 pounds—including its electric motor and rechargeable battery—the creators of the Zinger claim their electric wheelchair is the world’s lightest.

One of the biggest challenges wheelchair users face on a daily basis is that of storing their chair when they are in transit. Wheelchairs—especially electric wheelchairs—tend to be large and bulky, and even collapsible ones take up a lot of space in a trunk, hatchback, or airplane compartment. Folding and unfolding the chairs can be trying as well, often requiring more than a little assistance by friends. It can be frustrating.

Now, however, a new electric wheelchair called the Zinger is about to hit the market (this fall, according to the web site), and its creators claim that, at 41 pounds including motor and battery, it’s the lightest wheelchair in the world. Even better, when collapsed it folds up just like a lawn chair and lays completely flat. This allows for easy storage and transport.

Before you get too excited, however, it’s important to note that the Zinger isn’t exactly designed for permanent or long-term use. It has a battery range of only about eight miles before needing to be recharged, and can only reach speeds of up to six miles an hour. The chair has no armrests or other means of securing the user. This may not be the chair for for those with permanent disabilities.

That said, this may be just the device for those with occasional mobility issues who are able to sometimes walk and use a wheelchair for relief. The controls consist of joysticks on each side of the chair, and though it’s simple enough to turn the chair around with it, there is a motorized reverse if needed. Because the functionality is similar to that of a zero-radius riding lawnmower, it’s easy to spin around and go forward without accessing reverse. To go forward, the user pushes both levers down. Pulling both levers back slows the device, and one lever forward with the other one back spins the chair, which Zinger says, “turns on a dime.”

It’s an innovative concept and represents an intriguing first step in improving the portability of electric wheelchairs. The device requires no set-up or assembly, and it includes a beginner’s mode for those who have never used a device like it before. This mode restricts speed to help prevent accidents from lack of control. The first accessories available for the Zinger include a cup holder, arm rests, and a basket.

A price hasn’t been set for the chair at the moment. The designers and manufacturers of Zinger say the chair is “not a medical device and it’s not exactly a recreational vehicle. It’s a smart device invented in the USA for your comfort and enjoyment.”

Watch the video to see the Zinger do its thing. What are some opportunities when the Zinger might come in handy for you?

Source: ams vans

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 17/12/2014

A diferença está nos teus olhos. Campanha de apoio à igualdade.


Veja a diferença como os olhos de uma criança veem, é o apelo de uma associação francesa que fez uma campanha de apoio à igualdade.“Veja a diferença como os olhos de uma criança veem”, é o apelo de uma associação francesa que fez uma campanha de apoio à igualdade.

A associação francesa Noémi, no dia internacional das pessoas com deficiência (3 de dezembro), convidou alguns pais e filhos a entrarem num jogo que acabou por lhes dar uma grande mensagem final.

Gostas de fazer caretas?” questionou a associação. De seguida, numa sala, pais e filhos são separados por uma pequena barreira, de modo a que não se consigam ver, e é projectado um vídeo de pessoas com caras divertidas que tinham de imitar.

O problema surge quando aparece uma menina deficiente a meter o dedo no nariz. Os filhos não viram nenhum problema e não hesitaram em imitá-la, os pais não o fizeram.

Noémi, decidiu organizar a campanha, em formato de vídeo, chamado “os olhos de uma criança“, para transmitir uma mensagem de igualdade.

Os pais das crianças sentem-se pressionados pelo que é politicamente correto e não imitam a careta de uma menina com deficiência. A reação dos filhos demonstra, ao contrário dos pais, que essa diferença é marcada apenas por quem a vê.

Fonte: DN Globo

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 16/12/2014

Accessible tourism gets a leg up


According to the World Health Organisation report in 2011, 15 per cent of the world’s population have a disability, more than one million have special needsAccording to the World Health Organisation report in 2011, 15 per cent of the world’s population have a disability, more than one million have special needs

THE Asia Pacific Network on Accessible Tourism (APNAT) will soon see the establishment of country chapters, which would help champion barrier-free travel for all people with disabilities in the region.

Agreed upon at the recently concluded 5th International Conference on Accessible Tourism, APNAT itself was initiated in response to recommendations from participants who attended the first South-east Asia Conference on Accessible Tourism in 2012.

It is in the process of being registered as an association and will be headquartered in Malaysia.

Sia Siew Chin, protem committee chairman of APNAT, said: “Through APNAT, we would like to be able to reach out to governments, people in the tourism industry and service providers to provide for the access needs of everyone in society, in particular people with disabilities.”

Saowalak Thongkuay, regional coordinator for Abilis Foundation Mekong, said: “APNAT gives us a strong and collective voice to negotiate with governments to include accessible tourism into their development agenda.

“For example, under the ASEAN Economic Community, accessible tourism is not included in the agenda.”

Speakers at the conference also urged governments and private sectors to woo seniors and tourists with disabilities through an unbroken chain of accessibility from arrival to departure.

Annagrazia Laura, president of European Network for Accessible Tourism, stressed that providing barrier-free environment means that from arrival to departure, the visitor must be guaranteed an unbroken and seamless chain of accessibility.

She said: “If just one link in the chain is broken, such as inaccessible monuments and tourist attractions, the holiday experience will be spoilt.”

The four essentials in the tourism value chain include information to make bookings, transportation, infrastructure at tourism attractions and services such as tech-aids and special assistance.

According to the World Health Organisation report in 2011, 15 per cent of the world’s population have a disability, more than one million have special needs and about 80 per cent of such people live in developing countries.

Joseph Kwan, chair, International Commission on Technology & Accessibility, Rehabilitation International, said: “Once governments realise that people with disabilities and the senior market are a sizable population with disposable incomes to spend and can contribute significantly to foreign exchange earnings, employment generation and social inclusion, they will be more willing to act, to create barrier-free travel for all.”

Kwan stressed the importance of governments to do audits on the current status of tourism accessibility in order to develop policies and plans regarding accessibility and human rights.

 Source: TTG Asia

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 16/12/2014

Alemanha aposta cada vez mais em acessibilidade


Alemanha aposta em mais conforto para receber turistas com algum tipo de deficiênciaAlemanha aposta em mais conforto para receber turistas com algum tipo de deficiência

Segundo DZT, público deve crescer e segmento atingirá 520 milhões de viagens em 2020

Na Alemanha, cada vez mais a acessibilidade vem ganhando espaço nas cidades, para receber com conforto turistas com alguma espécie de deficiência.

A expectativa é que esse segmento cresça nos próximos anos, atingindo cerca de 520 milhões de viagens em 2020, de acordo com Margaret Grantham, diretora do Centro de Turismo Alemão (DZT)  para a América do Sul.

Hoje, portadores de alguma espécie de deficiência com idade produtiva entre 15 e 64 anos representam um pouco mais de um terço do mercado e geram cerca de 340 milhões.

Como parte da iniciativa, foram desenvolvidos programas de treinamento, um sistema de certificação e até um selo para todo o país.

A cidade de Stuttgart, por exemplo, conta com Selo de Sustentabilidade, assim como o Europa Park, Bad Dürrheim e o Parque Natural Schwäbisch Fränkischer Wald.

Erfurt, Rollifahrer, AltstadtÔnibus especiais levam turistas para conhecer a cidade

Fonte: R7

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 15/12/2014

Turismo accesible: Más de 40 municipios capacitados


Puerto Madero es una región agradablemente accesible en Buenos Aires, dijo Ricardo Shimosakai, Director de Turismo Adaptado“Puerto Madero es una región agradablemente accesible en Buenos Aires”, dijo Ricardo Shimosakai, Director de Turismo Adaptado

La Secretaria de Turism de la provincia de Buenos Aires desarrolló en la ciudad de Baradero una Jornada Sensibilización y Concientización sobre Turismo Accesible, que congregó a sectores vinculados a la actividad turística y a la comunidad residente.

Ya se capacitó a más de 40 municipios, a partir del trabajo conjunto entre la cartera provincial en colaboración con el Consejo Federal de Inversiones (CFI).

“Estamos muy contentos de seguir visitando municipios con el fin de difundir nuestras acciones en materia de Turismo Accesible”, celebró el secretario del área, Ignacio Crotto. . –Astrillero Río Santiago, otra atracción–

El Secretario de Turismo de la provincia de Buenos Aires, Ignacio Crotto destacó la “plena capacidad productiva” del Astillero Río Santiago, al rubricar un convenio de cooperación junto al presidente de la empresa, Héctor Scavuzzo.

Por dicho convenio, se incorpora a la industria naval a la oferta turística de la Provincia, en el marco de las acciones de Turismo Social que promueve la cartera provincial, durante un encuentro concretado en la sede turística de La Plata.

Crotto citó al gobernador Daniel Scioli al destacar el “progreso, desarrollo y trabajo” que llevan adelante los trabajadores de la empresa, y puso de relieve la importancia del convenio, “especialmente para los alumnos de las escuelas técnicas de la Provincia”.

Scavuzzo, en tanto, agradeció al titular de la cartera por “contribuir a que una industria naval pesada pueda formar parte de un circuito turístico”.

“Hace algunos años teníamos que esconder al Astillero, hoy lo podemos mostrar”, celebró.

El convenio prevé promover el emblemático Astillero como destino turístico de la Provincia, difundiendo sus principales características, y contribuye al intercambio de experiencias y recursos humanos que favorezcan la puesta en marcha de diversas acciones. . –Por su labor con los Pueblos Turísticos, premiaron a Crotto–

El Secretario de Turismo de la provincia de Buenos Aires, Ignacio Crotto, recibió un reconocimiento durante la novena edición de los Premios Bitácora a la Industria Turística, por su labor comprometida al frente del Programa Pueblos Turísticos de la Provincia.

Allí se distinguió a los principales actores de la actividad turística.

Crotto, recibió este galardón por “recuperar la vida de los Pueblos, dándole a su gente la oportunidad de llevar adelante una nueva realidad”.

Luego del agasajo, el titular de la cartera agradeció la distinción, y expresó que “es un gran honor recibir este premio, que es parte de todos los habitantes de los pueblos porque gracias a ellos estas pequeñas localidades tienen una nueva realidad”. . –Una charla para emprendedores, en Benito Juárez–

Prestadores hoteleros del partido de Benito Juárez participaron de la charla informativa que brindó la Secretaría de Turismo de la provincia de Buenos Aires.

Durante el encuentro se informó a propietarios y titulares de hoteles, complejos de cabañas, residenciales y concesionarios sobre la resolución de la Provincia emitida este año que establece nuevas normas de categorización y los requisitos para solicitarla.

. –Turismo acompañó importante exposición en Lincoln–

La Secretaría de Turismo de la provincia de Buenos Aires participó en la Expo Campo y Ciudad que se realizó en el municipio de Lincoln, jornada en la que se desarrolló el lanzamiento del Carnaval 2015.

Allí se brindó información sobre las rutas gastronómicas y los destinos para la próxima temporada.

El subsecretario de Turismo, Roberto Díaz acompañó al intendente municipal, Jorge Fernández, durante la presentación del tradicional Carnaval Artesanal que se destaca por enormes personajes con grandes cabezas, conocidos como cabezudos, e importantes carruajes.

Asimismo, y durante el desarrollo de la exposición, los visitantes pudieron degustar y adquirir productos de las rutas del Olivo y Arándanos.

La Secretaría dispuso una carpa con una pantalla LED gigante con videos que difundían las bondades de los centros turísticos de la Provincia.

En la oportunidad, se promocionó además la Fiesta Nacional del Girasol que se celebra en el distrito de Carlos Casares. . –Marcos Paz: curso de atención al cliente–

La Secretaría de Turismo de la provincia de Buenos Aires realizó en el municipio de Marcos Paz, un Curso de Atención al cliente para Productos Turísticos Gastronómicos, orientado a fortalecer la calidad para la atención al cliente interno y externo, en continuidad con el Plan de Capacitación que promueve la cartera provincial en colaboración con el Consejo Federal de Inversiones (CFI).

La jornada, que congregó a representantes del sector público y privado, estuvo destinada al impulso de las habilidades y destrezas de los participantes para desarrollar competencias personales y sociales, tendientes a generar interacciones de calidad para la atención al cliente.

Asimismo, se abordaron aspectos vinculados al concepto de hospitalidad; la importancia de la relación con el cliente; la identificación del tipo de cliente /huésped y sus necesidades; y una mayor profesionalización, mediante la incorporación de actitudes que favorezcan la comunicación y atención en la búsqueda de una oferta competitiva.

Fuente: Terra

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 15/12/2014

A busca pela acessibilidade no transporte rodoviário


Pouquíssimos ônibus rodoviários brasileiros possuem acessibilidade para quem possui dificuldade de locomoçãoPouquíssimos ônibus rodoviários brasileiros possuem acessibilidade para quem possui dificuldade de locomoção

Que bom seria se todas as pessoas fossem tratadas com igualdade, sem haver discriminação quanto a mobilidade física reduzida ou pelo comprometimento do intelecto. Mas, a nossa realidade nos mostra algo bem diferente e a luta pela equidade no tratamento tem sido o maior desafio para a sociedade. A acessibilidade universal à qualquer instrumento que compõe a estrutura urbana ou em cada aspecto da vida política, social, econômica e cultural, deveria ter fundamental importância no contexto do desenvolvimento humano.

Tome-se a área do transporte coletivo como exemplo, onde há uma profunda necessidade por mudanças de conceitos, com a adoção urgente de mecanismos de acessibilidade à infraestrutura que forma a rede operacional. Os serviços de ônibus urbanos podem muito bem ilustrar a total falta de interesse dos órgãos gestores na promoção da acessibilidade. Pontos de paradas, em sua grande maioria, são verdadeiras barreiras para a pessoa com sua locomoção comprometida. As calçadas, vias de acesso à esses pontos, também não representam uma condição própria de deslocamento, sendo desvantajosas, em muitos casos, até para quem tem sua faculdade normal de caminhar.

No que tange aos ônibus urbanos, desde o ano de 2008 os veículos novos passaram a ter que contar com algum tipo de mecanismo que facilitasse o embarque e o desembarque. Por uma razão estrutural e de preço, o elevador foi o escolhido. Explico: pelo lado estrutural há uma enorme carência no Brasil por vias adequadas ao uso de chassis mais modernos, com piso baixo. Também é de se destacar o custo de aquisição e operacional do veículo, mais caro. E a tradição brasileira manda que em seu transporte o chassi mais simples, com motor dianteiro e um metro de altura de seu quadro, com preço mais atrativo, seja o preferido para enfrentar buracos, falta de pavimento e geometria inadequada das ruas. Portanto, o elevador foi o instrumento preferido por essas condições.

Mas não pense você, leitor, que ele é um mecanismo atrativo. Quando funciona é um bem servível, mas em grande parte dos casos, a falta de conservação e manutenção torna-o um mero equipamento que ocupa lugar na carroçaria. Longe de querer fazer uma comparação com o mercado europeu, pois não vem ao caso, mas por lá o piso baixo é uma obrigação estabelecida para a acessibilidade. E tem outra, os chassis com motor frontal são raríssimos. Como vemos, o conceito da universalização ao acesso no transporte é essencial para toda a sociedade.

A revista Autobus conversou com Eduardo Cazoto Belopede, Coordenador da Comissão de Estudos de Transporte com Acessibilidade da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) sobre o tema que tem muito significado na sociedade, mas que pouco é lembrado no desenvolvimento urbano. No dia 3 de dezembro passado terminou o prazo de 10 anos de adequação do sistema de transporte público à lei que determina que todos os veículos sejam acessíveis. Acompanhe neste e nos próximos números do Informativo a entrevista.

Revista AutoBus – O que mudou nesse tempo e quais o benefícios conquistados em termos de acessibilidade em ônibus urbanos?

Eduardo Belopede – Se analisarmos todo o segmento, poderemos perceber claramente que os avanços da tecnologia veicular foram os mais percebidos nesses 10 anos, seja em conceitos construtivos, materiais aplicados e, obviamente, tipos de veículos colocados à disposição dos usuários dos sistemas de transporte.

A nova geração de veículos de piso interno rebaixado, simplesmente batizados de “Piso Baixo”, proporcionaram à toda a população e não somente, às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, oportunidades de acesso com conforto e segurança, principalmente quando comparados aos antigos veículos (e que em muitos lugares ainda continuam em operação), nem um pouco “amigáveis” a essa classe de usuários puramente “especiais” e que deveria ser sempre considerada como o principal foco do transporte público de qualidade.

AutoBus – Como as esferas governamentais vêm essa questão no desenvolvimento urbano?

Belopede – Podemos observar ao longo desses 10 anos que os gestores de transporte, seja da administração direta ou indireta, não fizeram a lição de casa junto à administração pública municipal, no que diz respeito à infraestrutura vinculada ao sistema de transporte coletivo. Não houve, em nenhuma localidade, a visão de macro administração, associando ações das áreas responsáveis pelo transporte coletivo com as áreas responsáveis pela gestão de serviços e obras.

As poucas ações das três esferas de governo foi associar suas demandas ao cumprimento da regulamentação federal, em especial, às normas da ABNT para os veículos novos ou às Portarias do INMETRO para os veículos a serem adequados.

Além de coordenador da ABNT, Belopede também é proprietário da Belopede Desenvolvimento e Gestão de Projetos – EB6

Fonte: Revista AutoBus

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 18.623 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: