França sem Fronteiras


Accessible Tourism Specialist Kevin Crowley displays adaptive equipment available to visitors of Juneau

Accessible Tourism Specialist Kevin Crowley displays adaptive equipment available to visitors of Juneau

What makes an Alaska vacation great? The ability to experience it to one’s fullest potential. For some, that means using adaptive technology for mobility, sight, hearing or finding an accessible tour — and SAIL has got it covered.

Southeast Alaska Independent Living accessible tourism specialist Kevin Crowley is overseeing all aspects of accessible tourism in Juneau, from providing businesses with information and training to physical equipment to improve the experiences of visitors with disabilities.

In its first year, the program received seed support from the Rasmuson Foundation and an allocation from the City and Borough of Juneau Marine Passenger Fee Program. The funding was used to develop training programs for businesses regarding access and customer service for visitors with disabilities.

The training was developed for local tourism and retail businesses and is tailored to the industry, from hospitality to guiding and everything in between.

Consultations for accessibility are also available.

Businesses taking advantage of SAIL’s accessible tourism services may find it to be a win-win situation — the training and half-hour consultation are currently free, and accessibility is good for business, Crowley said.

“The need for this type of customer service training is really important,” he said. “To have that stamp of know-how will be really important for serving a larger percentage of the total population.”

Especially with the “silver tsunami” looming, catering to the different abilities of the elderly, as well as people with disabilities of all ages, makes good business sense, Crowley explained.

“It will lead to, for lack of a better term, more foot traffic,” Crowley said. “And increased revenues for businesses.”

The training has been approved by the Tourism Management Best Practices Group. It’s also encouraged by the Juneau Convention and Visitors Bureau, whose staff and volunteers have undergone training themselves.

Crowley described the training as a way to “bridge the gap” for businesses that are not specifically accessible, allowing them to provide adaptive assistance and meet visitors halfway “to be able to provide a positive experience.”

The consultations SAIL is offering would address accessibility, not just at an architectural level. Half-hour consultations can provide businesses with suggestions for how to present information or helpful adaptive technologies, from audio-enhancing devices for the hearing impaired to alarms with both strobe lights and loud noises.

While businesses move forward with training and adaptive measures to meet the needs of visitors with disabilities, SAIL is also offering services directly to visitors to bridge those gaps.

Crowley mans an accessibility hotline, available to provide information on accessible services and tours, and to provide visitors with loaner adaptive equipment.

Visitors with disabilities can connect with SAIL to borrow equipment from wheelchairs and walkers to pocket talker audio devices and magnifiers for the visually impaired. Visitors provide credit card information in case of damage or loss, but this service is also free.

“Frequency of calls is increasing with more outreach,” Crowley said.

He’s been working with the JCVB, as well as reaching out to cruise lines and shore excursion managers.

“So far it’s been within our realm of knowledge. If not, its usually within pretty close reach,” Crowley said.

SAIL is working on accessibility survey to better determine the needs they can meet. The organization is also looking at the sustainability of the program offering free services and the potential of expanding beyond Juneau to include other Southeast Alaska communities or possibly going statewide.

Crowley acknowledged that, in the peak of the tourism season, it may be hard for businesses to commit time to trainings and consultations, but recommended that local businesses make the time.

The more people access and are aware of this program, Crowley said, the “less people are going to fall between the cracks.”

Source: Juneau Empire

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/07/2014

Aplicativo ajuda deficientes visuais com o transporte coletivo


Luiz Eduardo Porto, que é deficiente visual há 23 anos, auxiliou o desenvolvimento do app para smartphonesLuiz Eduardo Porto, que é deficiente visual há 23 anos, auxiliou o desenvolvimento do app para smartphones

Andar pela calçada, encontrar uma parada e identificar qual ônibus o levará para o local desejado. Para quem é deficiente visual, os obstáculos na hora de utilizar o transporte público são inúmeros. Mas, a partir desta terça-feira (13), quem não enxerga e precisa se locomover através de coletivos pela Região Metropolitana do Recife (RMR) terá uma ferramenta tecnológica como aliada. É que o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE), em parceria com a Cittati, lançou o aplicativo CittaBus Acessibilidade que informa, através de um dispositivo de voz, quais linhas passam em um determinado ponto e em quanto tempo um veículo específico chegará ao local desejado.

Para usar, basta que os interessados acessem a Google Play (Android) ou App Store (iOS). Com a ferramenta em mãos, o usuário poderá saber quais são os pontos próximos da sua localização. Através de um dispositivo de voz, o software lista todas as linhas que passam em uma parada e quando a linha de interesse for selecionada, o usuário só precisa tocar na tela para começar a monitorar o coletivo.

Para que nenhum detalhe fosse esquecido na hora de criar o aplicativo, a equipe da Cittati contou com a ajuda de Luiz Eduardo Porto, desenvolvedor de 46 anos que é cego desde os 23. “Antes do aplicativo eu precisava ficar cerca de 20 minutos em uma parada esperando um ônibus. Agora, eu posso poupar meu tempo e entrar no coletivo sem precisar ficar perguntando o tempo todo qual ônibus está se aproximando da parada, já que ele emite um alerta dois minutos antes de o veículo chegar ao meu ponto”, explica o desenvolvedor.

A versão atual do Cittabus, lançada em fevereiro, já avisa quais veículos são adaptados para cadeirantes. Com aproximadamente 60 mil downloads e dez empresas de transporte público cadastradas, o software engloba 70% da frota da Região Metropolitana do Recife (RMR), o que corresponde a 2.100 ônibus. Por enquanto, a ferramenta é disponibilizada apenas para o sistema operacional Android. Segundo a Cittati, responsável pelo desenvolvimento do serviço, os usuários de iOS vão receber o app ainda nesta semana.

Fonte: Leia Já

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/07/2014

New DRD Travel Safe guide launched in the north west


North West launch of the new DRD Travel Safe Guide at the Foyle Street Bus Station as part of learning disability.North West launch of the new DRD Travel Safe Guide at the Foyle Street Bus Station as part of learning disability.

As part of this year’s Learning Disability Week Mayor of Londonderry, Brenda Stevenson, and Mencap helped to launch the Department for Regional Development’s new Travel Safe Guide, aimed at helping young people and people with a learning disability travel safely and to stay safe when out and about.

Learning Disability Week 2014 celebrates people with a learning disability who overcome adversity and prejudice by experiencing their incredible firsts, like going to college for the first time, getting that first job or travelling alone to meet friends.

Launched in the north west at Foyle Street bus station, among those in attendance was Slaine Stannett, from the city who has undertaken Travel Safe training.

“Being able to travel gives me a feeling of independence, has built my confidence and has enabled me to travel to places I couldn’t go to before in the Cityside.

“Now I can choose when to go home. It has given me a real sense of freedom,” Slaine said.

“Before, my life was very dull because I was dependent on my family and friends to take me to and from places and the thought of travelling alone also made me anxious.

“Now I am more confident and able to travel where I want, when I want.”

The Travel Safe Guide was first published in 2005 but was updated after consultation with interest groups. Written in an easy-read style, it is fully supported by Translink and organisations working with people with a learning disability.

You can download a PDF copy by clicking on the link with the name of the document Safe Travel Guide

Source: Londonderry Sentinel

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/07/2014

Jogo dos 7 erros para a acessibilidade. Analisando uma vaga reservada.


Cena 1 - Estaciona,emto com vaga reservada

1. Sinalização vertical (placa) fora dos padrões estabelecidos pela norma técnica quanto a vagas localizadas em espaços internos;

2. Ausência de espaço adicional de circulação (faixa amarela), o qual permitiria o embarque e desembarque principalmente de cadeirantes;

3. Piso irregular, provocando trepidação em cadeiras de rodas e podendo ocasionar tropeços;

4. Desnível entre a vaga e a rota acessível, podendo ocasionar quedas;

5. Placa obstruindo o acesso à vaga, prejudicando motoristas com dificuldade de locomoção;

6. Ausência de sinalização horizontal (pintura no piso da vaga);

7. Apesar da vaga estar próxima a um dos acessos ao prédio, ela não está localizada em rota acessível, obrigando os usuários a disputar espaço com os veículos que circulam no estacionamento.

Cena 2 - Estaciona,emto com vaga reservada e os 7 erros apontados

Conseguiu encontrar mais algum erro pela imagem? Se sim, escreva nos comentários!

Fonte: Acessibilidade na Prática

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 21/07/2014

El bar Diversity de Bilbao abre sus puertas a la integración social


Bar Diversity, un nuevo proyecto de Lantegi Batuak que da empleo a ocho personas con discapacidadBar Diversity, un nuevo proyecto de Lantegi Batuak que da empleo a ocho personas con discapacidad

Bilbao – El pasado 3 de julio el bar Diversity, situado en la calle Barroeta Aldamar 7 en Bilbao, abrió sus puertas. Se trata de un local diferente, nuevo e innovador con muchas ganas de llegar lejos. Un establecimiento luminoso, moderno, céntrico, con buen ambiente, una gran variedad de pintxos y un trato inmejorable gestionado íntegramente por personas con discapacidad.

Lantegi Batuak, la empresa de economía social dedicada a la generación de oportunidades, ha sido la encargada de desarrollar este gran proyecto en pleno centro de Bilbao. Con la creación de esta iniciativa se ha dado un paso más en su estrategia de diversificación en el sector de servicios, más concretamente en el de hostelería. El objetivo de la creación de estos locales es que los prejuicios que hay en la sociedad se alejen, mostrando que estas personas son capaces de realizar su trabajo con total normalidad y teniendo las mismas exigencias que en cualquier otro local. Txema Franco, director de Lantegi Batuak, dijo que este es el primer proyecto en el ámbito de la hostelería, pero que su organización realiza muchas más actividades y actualmente querían “diversificar hacia otros sectores como el de servicios porque laboralmente se están generando nuevas oportunidades en este campo”.

Los trabajadores y trabajadoras de Diversity -cuatro mujeres y cuatro hombres- han recibido 300 horas de formación específica en hostelería, incluyendo la parte práctica, como la atención y el servicio en barra o la manipulación de alimentos por parte de la Fundación Peñascal de Bolueta. El aprendizaje de estas ocho personas ha sido un proyecto conjunto por parte de la Fundación Peñascal, Lanbide y Lantegi Batuak, esta última pretende abrir nuevas vías para la inclusión laboral de las personas discapacitadas.

Según Txema Franco, una de las razones por la que se pensó en este proyecto fue porque “las personas con discapacidad apenas tenían presencia en este sector, de manera que empezamos a pensar qué podíamos hacer para formar y cualificar a personas en estos ámbitos, para que esta experiencia pudiese servir de plataforma para su colocación en otras empresas o para conseguir un puesto de trabajo en un sector que está generando oportunidad”.

Generando empleo

Lantegi Batuak lleva 30 años luchando por la integración de las personas con discapacidad y actualmente emplean a más de 2.400 personas, Nagore Mimbrero es una de ellas. “Hay muy buen ambiente y estoy muy ilusionada con el trabajo”, decía la encargada del recién estrenado local.

Esta organización también creó el proyecto del primer albergue del País Vasco gestionado por personas con discapacidad, el BBK Bilbao Good Hostel -Bolueta-. Este albergue da empleo a doce personas y siguiendo un criterio de accesibilidad universal. En sus dos años de vida, este hostal de turismo ha atraído a más de 20.000 turistas de todo el mundo. “Estos proyectos contribuyen al cambio social que se está produciendo en Bizkaia, es un camino hacia la transformación”, admite Txema Franco, convencido de que la inserción social es posible y más en un lugar como Bizkaia.

Fuente: deia

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 21/07/2014

Alunas do 11º ano criam roteiro turístico para invisuais em Porto


Premiado pela Fundação da Juventude, o projeto para criar no Porto um roteiro turístico para invisuais vai disputar essa proposta com outros jovens inovadoresPremiado pela Fundação da Juventude, o projeto para criar no Porto um roteiro turístico para invisuais vai disputar essa proposta com outros jovens inovadores

Em causa está o projeto “Blind Senses [Sentidos Cegos]“, com que Ana Lopes, Caroline Alves, Diana Lago, Liliana Oliveira e Sofia Oliveira, alunas do 2.º ano do Curso Profissional de Técnico de Turismo, venceram a competição de ideias inovadoras em contexto de “Turismo e Mobilidade”.

Patrícia Martins é a docente que orientou o projeto e, em declarações à Lusa, realça que o “Blind Senses” nasceu da sensibilidade das próprias estudantes, que, após a sua pesquisa, “detetaram uma lacuna na oferta turística do Porto, que é o facto de não haver roteiros para este tipo específico de público”.

“Hoje em dia dá-se muito destaque às sensações no que se refere a spas, programas de bem-estar ou gastronomia, mas a realidade é que não se explora isso na perspetiva das pessoas que, por não terem visão, até têm os outros sentidos mais apurados”, explica a professora.

Ana Lopes, porta-voz as autoras do projeto, confirma que o objetivo do grupo era “criar algo diferente, que incluísse todo o tipo de turistas e permitisse que os não podem ver pudessem conhecer na mesma o Porto, nas suas diferentes formas”.

A parte mais divertida na concretização dessa proposta foi “experimentar as coisas de olhos fechados”, como se as cinco estudantes fossem invisuais, e a mais dececionante foi cortar no número de itens inicialmente previsto para o roteiro, “ou porque tinham acessibilidades difíceis, ou porque eram muito caros”.

Ana Lopes garante que o roteiro definitivo propõe, ainda assim, “experiências muito boas”, como a degustação de uma francesinha num estabelecimento reputado, para potenciar a descoberta de uma das maiores tradições da cidade ao nível do paladar.

Já no que se refere à audição e ao olfato, por exemplo, o percurso do “Blind Senses” inclui passagens pela Praça da Ribeira, para vivência do Douro, e continua pelo Mercado do Bolhão, onde Patrícia Martins diz que se irá apreciar “o aroma das frutas, das flores, e também o bulício próprio da clientela e os pregões dos comerciantes”.

O tato, por sua vez, estará em destaque na Igreja de S. Francisco, onde os turistas invisuais à descoberta do Porto terão oportunidade de tocar a talha dourada e sentir as pedras dos claustros, numa experiência potenciada “por luvas de algodão”.

Terá sido por esses e outros detalhes que o júri da Fundação da Juventude distinguiu o Blind Senses. “[O projeto] foi escolhido por unanimidade pela sua criatividade, inovação e exequibilidade”, lê-se no site desse organismo. “É inclusivo, criativo e de fácil implementação, tendo as alunas feito uma abordagem muito profissional e com pleno domínio dos conteúdos”, acrescenta.

A disponibilização efetiva deste circuito está dependente, contudo, da sua dinamização por empresas entidades do setor do turismo e hotelaria. Patrícia Martins revela que o projeto já foi apresentado a algumas empresas, mas desconhece ainda o que possa vir a resultar desse contacto.

Certo é que, no arranque do próximo ano letivo, as autoras do Blind Senses começarão a preparar a sua participação no concurso em que o projeto premiado pela Fundação da Juventude “deverá competir com as propostas que venceram em Espanha e Itália” – os países que, com Portugal, integram o cluster Sea Cities [Cidades Marítimas].

Fonte: Notícias ao Minuto

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 20/07/2014

Gigante Léo. Pequeno na estatura mas com um grande humor.


Contando piadas de anão, Gigante Léo conquistou o segundo lugar no concurso Risadaria e ganhou projeção nacionalContando piadas de anão, Gigante Léo conquistou o segundo lugar no concurso Risadaria e ganhou projeção nacional

Conhecido como GIGANTE LÉO, Leonardo Reis fez sua estreia no stand-up comedy em 2010, no grupo Comédia Carioca, embora já fizesse teatro desde os nove anos de idade. Em 2011, ganhou projeção nacional ao ser o vencedor da regional Sudeste II e o vice-campeão geral do 1º Campeonato Brasileiro de Stand-up Comedy, promovido pelo festival Risadaria.

Gigante Leo já dividiu o palco com humoristas consagrados, como Leandro Hassum,  Fábio Porchat, Marcos Veras, Marcelo Adnet e Dani Calabresa. Se apresentou nos shows “Comédia em Pé”, “Show de Humor – Miguel Nader Convida”, “Comédia a la Carte”, “Comédia ao Vivo”, “Louco é Pouco”, “Rodízio da Comédia” e “Comedians Comedy Club”, dentre outros.

Na rádio, fez participação no programa “Pânico” na Jovem Pan e no programa “Transalouca” na Trannsamérica. Em 2011, Gigante Leo participou da gravação do DVD do humorista Mauricio Manfrini, conhecido pelo personagem “Paulinho Gogó” do programa “A Praça é Nossa”, e lançou o seu primeiro livro intitulado “O Grande Livro dos Anões” pela Editora Matrix.

Inspirado nas dificuldades que enfrenta por ser anão, Gigante Léo compartilha suas mais divertidas experiências na publicação. Uma delas aconteceu em um exame médico admissional quando perguntaram se ele nasceu assim. “Respondi ‘não, até ontem eu tinha 1,80 m só que tomei chuva e encolhi’, mas é cada pergunta.”

Um assunto que Leo discorre bastante no livro é relacionamentos amorosos, ou não. “Sabe essas casas de lazer? Uma vez fui a uma, e quando você entra, eles te dão um roupão – daí imagina, eu fiquei parecendo uma daminha de honra – fui logo chegando numa mina e ela me manda um ‘aiii que graçinha!’. Ninguém merece”, comentou.

Outra história muito engraçada é a “Aventura na Banheira” onde ele conta o apuro que passou na hidromassagem do motel. “O sufoco começa logo para subir nela porque bate na altura da minha boca”, disse. “Quando finalmente eu consigo entrar, já todo suado, a mina liga a hidromassagem e eu me senti como um japonês, com o pipi pequeno e dentro de um tsunami”, brincou.

Quando questionado se tem preferências em relação à altura das mulheres, ele soltou: “Na horizontal não tem essa de altura”. Baixarias à parte, Leo contou que é um cara romântico e quer um dia casar e ter filhos, que aliás tem 50% de chances de nascerem sem nanismo, segundo ele. Se os pais forem anões do mesmo grupo, é 100% certo que eles terão as mesmas condições. “Se não nascer um anão é porque ela pulou a cerca”, brincou.

Fonte: Risadaria

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 19/07/2014

Família adota crianças com deficiência e prova que o amor vence tudo


Preconceito e discriminação são palavras que não existem na família Dennehy, formada por pessoas com diferentes tipos de raças e deficiênciasPreconceito e discriminação são palavras que não existem na família Dennehy, formada por pessoas com diferentes tipos de raças e deficiências

As famílias contemporâneas são quase sempre formadas por filhos únicos, ou no máximo mais um irmão. Mas a família Dennehy é constituída por crianças especiais, que têm alguma deficiência – umas mais evidentes outras não, mas todos têm em comum um grande sentimento de amor incondicional que emana deles, principalmente dos pais, que sentem-se realizados e agradecidos por terem decidido adotar essas crianças quando ninguém mais queria.

As dificuldades foram muitas. Alguns diziam que eles não conseguiriam cuidar de crianças com deficiência, pois não tinham experiência quando chegaram em casa com o primeiro filho não-biológico em meados de 1993, chamado George, (eles tem mais 3 filhos biológicos que haviam ido estudar fora de casa em faculdades). Esse menino nasceu sem as mãos e não tinha bons cuidados no país onde nasceu, Romênia. “Mas quando vi aquela criança que precisava de cuidados tão especiais eu não resisti” contou a mãe Kate. E esse menino estava destinado a uma vida realmente especial: ele aprendeu a tocar violoncelo, guitarra, baixo e piano com os pés.

Os outros também mostram excepcional habilidades que sobrepõem sua deficiênci. No vídeo abaixo, vemos uma família unida, sorridente, brincalhona, e que não mede esforços para cruzar o oceano, enfrentar burocracia, arrumar recursos e adotar crianças especiais, aprendendo no dia a dia como é que seu cuida e enfrenta as situações cotidianas dos seus filhos, com uma fórmula simples: amor incondicional. E Jon (o pai) completa: “Eu levei décadas para entender que não há nada material que você possa comprar que te trará verdadeiramente paz e felicidade.” E vendo essa família Dennehy, nós temos mais certeza disso.

http://youtu.be/BkufAaqZbws

Fonte: hypeness

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 18/07/2014

PhotoAbility.net Highlights Accessible Tourism Worldwide Through Imagery


PhotoAbility.net demonstrates through imagery many of the world's most accessible locations for travel with a mobility impairment.PhotoAbility.net demonstrates through imagery many of the world’s most accessible locations for travel with a mobility impairment.

Accessible Tourism is the fastest growing, yet most under serviced market in Tourism.

To cater to the needs of the tourism industry, in marketing to this valuable niche, PhotoAbility.net has developed a new multi-level set of categories for tourism images, showcasing travelers with a disability enjoying some of the best accessible destinations the world has to offer. This new resource allows tourism operators quick and convenient access to images to use in their campaigns to attract this rapidly growing market.

The destinations featured in the Photo Library thus far include:

  • The United States
  • Canada
  • South Africa
  • Australia
  • Austria
  • Belize
  • Dubai
  • India
  • Italy
  • Nepal
  • Spain
  • Sweden
  • United Kingdom
  • France

According to PhotoAbility’s co-founder, Bill Forrester, “Tourism has often been described as selling dreams and indeed that is what the majority of the industry attempts to do by developing products and services that give clients an “experience”. Travelers with a disability are like any other group of people; with their own set of dreams and aspirations. To attract those customers, tourism operators need to start reflecting them in their marketing materials, to send a clear message that “we want your business.”

A recent article by Deborah Davis on the Inclusive Travel, Lifestyle and Leisure site PushLiving.com, is a perfect showcase of how to use Inclusive Imagery in promoting a tourism destination, in this case, Spain.

Accessible Tourism is already a major tourism sector with research by Dr, Simon Darcy putting its value at 11% of the total industry market share. With the ageing population and retiring Baby Boomer generation, it is estimated that Accessible Tourism will represent 25% of the total market by 2020.

The European Commission has recognized the significance of this growing market as a key strategy for the future success of the tourism industry:

“Accessible tourism is not only a matter of ensuring equal opportunities for all, but is also a compelling business case. According to data from EUROSTAT (2005), the general demand for accessible tourism services could be up to 127 million tourists per year, generating potential revenues of more than €160 billion.”

ENAT (European Net for Accessible Tourism) recently launched a new site, Pantou, to service the growing number of businesses actively marketing to the sector. A PhotoAbility image was utilized for their press release and postcard.

In the United States adults with disabilities spend on average $13.6 billion a year on travel.

Dr Scott Rains. a US expert on disability issues and author of the Rolling Rains Report, states:

“Creating accessible cruise ships, accessible ship terminals, accessible ground transportation, and accessible tourist destinations is not charity. It is just good business.”

PhotoAbility’s new Tourism galleries provide the industry with Inclusive Imagery to enable them to attract the growing and valuable Accessible Tourism market.

About PhotoAbility

PhotoAbility was established in March 2012 by Deborah Davis and Bill Forrester with the goal of providing high quality, unique, non-medically oriented imagery of persons with disabilities, for purchase by the advertising, marketing and media sectors. The Commercial Stock Image Library specializes in positive and “Inclusive” images of people with a disability in leisure, lifestyle and travel settings.

The disability inclusive images depicted in the PhotoAbility gallery are designed to impact attitudinal bias, change perception and provide motivation to eliminate social, structural and professional barriers. A wave of change reflected in popular media and advertising can make an impact on laws and attitudes around the globe, and on how many people with differing abilities, view themselves.

Source: Virtual Strategy

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 18/07/2014

Jovens com deficiência ganham espaço em restaurantes italianos


Viviana Ponzelli, 39, é garçonete no local há oito anos e portadora da síndrome de DownViviana Ponzelli, 39, é garçonete no local há oito anos e portadora da síndrome de Down

Cantinas e pizzarias vêm contratando jovens com síndrome de Down e autismo leve, mas rejeitando a conotação assistencialista.

Jovens com deficiência intelectual, síndrome de Down e autismo leve têm conquistado espaço profissional em novas cantinas e pizzarias italianas, que tentam expandir sua contratação para todo o país.

Muitos desses restaurantes são criados por associações e cooperativas, já incorporando a mão de obra de jovens com deficiência que passaram por cursos de especialização.

Só na Locanda dei Girasoli, em Roma, 15 funcionários com necessidades especiais trabalham na cozinha, servindo às mesas ou na fabricação de doces.

Graças ao sucesso da experiência, os responsáveis estão abrindo outras filiais do restaurante, uma delas em Palermo, na Sicília, e pensam em transformar a ideia numa franquia.

“Recebemos diversos pedidos de consultoria por parte de associações e restaurantes interessados em adotar o nosso modelo. Estamos criando um protocolo com ajuda de especialistas de diferentes setores, porque não se trata de um sistema para atrair clientes ou para fazer assistencialismo”, disse à BBC Brasil o presidente da Cooperativa Social Sintese, responsável pela gestão do local, Enzo Rimicci.

“É muito importante evitar especulações. Nosso objetivo é o acesso efetivo desses jovens ao mercado de trabalho”, afirmou.

No restaurante, os funcionários portadores de deficiência têm o mesmo tratamento previsto aos trabalhadores da categoria. “São todos remunerados, inclusive os estagiários. Assim como os demais, eles também recebem treinamento e têm horário de trabalho e funções específicas”, disse Rimicci.

Como em qualquer atividade comercial, os empregados passam por um processo de seleção. “O trabalho em restaurantes requer agilidade. É preciso dizer sem rodeios que são pessoas com deficiências cognitivas e que nem todas são aptas a realizar este tipo de atividade”, explica.

“Os que não superam o período de prova certamente poderão realizar um outro trabalho. Há sempre uma oportunidade para todos”.

Boa comida e integração social

Para o ajudante de cozinha Emanuele Raffaele, jovem de 24 anos com síndrome de Down, o segredo da boa cozinha é o cuidado com os ingredientes.

“Para preparar algo bom é necessário lavar bem as hortaliças e verduras, saber cortar as partes duras ou eliminar as folhas ruins”. Para ele, poder trabalhar na cozinha é uma conquista e o próximo passo é aprender a preparar peixes. “Vejo tudo com os olhos, depois memorizo e repito tudo o que o chef faz”, disse à BBC Brasil.

Segundo a mãe de Emanuele, Antonella Marrazzi, o trabalho no restaurante tem ajudado o filho a amadurecer. “Vejo que a cada dia ele adquire mais segurança no modo de relacionar-se com os colegas e com os chefes no seu trabalho. Hoje ele se sente importante”, disse.

Entre os funcionários especiais, a mais antiga da casa é Viviana Ponzelli, garçonete de 39 anos e portadora de Down, que trabalha no local há oito anos. “Preparo a mesa e sirvo os clientes. Estou bem aqui”, contou.

“Se os clientes vissem que os portadores de deficiência estão no nosso restaurante sem fazer nada, pensariam que estão fazendo beneficência. Não é o nosso caso. As pessoas vêm ao nosso local porque come-se bem e porque há jovens com algumas dificuldades fazendo o próprio trabalho”, afirma o responsável pelo restaurante.

Em toda Itália

Outro local em Roma a empregar pessoas com deficiências intelectuais é a Trattoria degli Amici, localizado no bairro de Trastevere. Em Florença o restaurante I ragazzi del Sipario abre apenas para almoço, enquanto em Milão o serviço de catering do Laboratório Procaccini Quattordici deve ser reservado com muita antecedência.

Em Modena, o La Lanterna di Diogene emprega jovens com síndrome de Down inclusive na própria horta.

Aberto em Turim em 2008, o Caffè Basaglia também conta com funcionários especiais. O nome é uma homenagem ao psiquiatra Franco Basaglia, responsável pela lei de 1978 que aboliu os manicômios na Itália em favor da criação de redes de serviços territoriais de assistência às pessoas com distúrbio mentais.

Fonte: G1

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 17.122 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: