Publicado por: Ricardo Shimosakai | 18/04/2014

10 Ways To Make Traveling Easier For People With Disabilities


Have the agent at the gate take you, with a wheelchair and those you are traveling with, to the front of the line.Have the agent at the gate take you, with a wheelchair and those you are traveling with, to the front of the line.

When my son was five months old we flew to Florida to introduce him to his great-grandmother. She was unable to fly north to attend his bris, so we were excited about the prospect of celebrating Passover with her and the rest of our Florida family.

Flying with an infant takes some extra planning, such as packing enough extra clothing in case of soils, and remembering a myriad of “favorite lovies” to keep them happy and quiet during the flight.

The most important piece of equipment we brought was our Graco baby carriage. It allowed us to transport our son to and from the gate with greater ease. After we arrived in Florida, it was waiting for us right outside the airplane’s door.

When you live with a disability, traveling also requires extra planning. Sometimes it also requires some good old ingenuity as well.

Think about it. How many steps does it take to get from the front door of the airport to the gate? How long do you stand in line while waiting to check in at the ticket counter? How much strength is required to lift one suitcase off the floor and into the overhead compartment? How difficult is it to maneuver a bathroom, especially if you use a wheelchair or scooter?

The answers to these questions are crucial to a disabled person. Making travel easier gives a person the ability to explore the world beyond his or her front door.

To help me compile a list of ideas, I consulted with some online friends who also live with Multiple Sclerosis. Their expertise and experience will no doubt benefit the disability community. We are confident our list will help others step out of their comfort zone and into the world that awaits them:

  1. The day of travel, don’t make too many plans and get a good night’s sleep the night before you leave.
  2. Request a wheelchair at the airport for arrival and departure. It makes it easier to get to the gate, baggage claim area and waiting in line while checking in.
  3. Stand up once in awhile during the flight to stretch your legs to avoid leg cramps. If you can’t walk up and down the aisle, stand in place and stretch your neck, arms and legs as best as you can.
  4. Remember to pack hand sanitizers and hand-wipes. If you are using an airport wheelchair, disinfect the wheelchair (or have someone else do it for you) to avoid coming in contact with germs.
  5. Have the agent at the gate take you, and those you are traveling with, to the front of the line. Ignore the stares from others. You are taking care of the most important person – yourself.
  6. Airports can seem overwhelming, and since flights are not always on time try to get to the airport at least an hour and a half between connections.
  7. Request a ride on the cart provided by the airport to get to and from the gate.
  8. Use the moving walkway to save yourself from too much walking.
  9. A cross-body bag allows you to keep your hands and arms free for better balance, and makes it easier to get in and out of your purse.
  10. Be kind to yourself. B-r-e-a-t-h-e. Flying can be stressful, so try to keep in mind that what happens after the flight is your reward.

Remember this: When you travel, you are giving yourself the greatest gift of all. You are not allowing your disability to define you. Congratulations!

Source: Huff Post


Obras no acesso e adaptações nos banheiros estão em alta nas casas da capitalObras no acesso e adaptações nos banheiros estão em alta nas casas da capital

“Comer pizza é direito de todos”, diz Cecília Vieira, sócia do restaurante Pizza no Galpão, no Prado. Na próxima semana, ela pretende “ inaugurar” as adaptações do espaço para receber cadeirantes. Assim como Cecília, outros donos de restaurantes vêm investindo em obras para garantir a acessibilidade às casas. Em alguns casos, a decisão foi espontânea. Em outros, a cobrança partiu do Ministério Público. Por um motivo ou por outro, a boa notícia para os cadeirantes é que há na cidade uma oferta muito maior de endereços preparados para recebê-los.

Com gastos estimados em 30 000 reais, o restaurante A Favorita, em Lourdes, foi um dos que fizeram recentemente modificações no salão para atender às necessidades dos cadeirantes. “Quero garantir o máximo de conforto a eles”, diz Fernando Areco, dono do estabelecimento. No Belo Comidaria, no São Pedro, as condições de acesso foram pensadas desde o princípio pelos arquitetos. “Garantir acessibilidade era necessário para a obtenção do alvará, mas, ainda que não fosse, teríamos investido nisso porque recebemos vários clientes que possuem alguma deficiência”, afirma Rafael Mantesso, um dos sócios.

A tendência das adaptações são confirmadas pela presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência de Minas Gerais (Conped), Kátia Ferraz. “O fato de o Brasil sediar grandes eventos internacionais, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, e portanto, receber turistas das mais diversas partes do mundo, contribui para que a sociedade fique mais atenta às questões de acessibilidade”, diz Kátia. Em Minas Gerais, 4,5 milhões de pessoas com deficiência vivem em Minas Gerais, sendo que 22% delas possuem algum tipo de deficiência física ou mobilidade reduzida, segundo estimativas do censo de 2010.

De olho nesse público, o empresário Agilberto Martins, que vai inaugurar três unidades da Pizzaria Olegário e uma do Santafé, conta que as casas foram dimensionadas pensando nos cadeirantes. “Fizemos tudo de acordo com as normas técnicas para garantir o acesso desses clientes”, afirma.

A lei municipal 9 078, aprovada em 2005, estabelece a Política da Pessoa com Deficiência na cidade e determina que a construção, ampliação ou reforma de edifícios destinados ao serviço de uso coletivo deverão garantir às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

Confira dez estabelecimentos que possuem acesso e banheiro adaptado, de acordo com as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), para pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida:

Villa Roberti
Pizza no galpão
Faz de Conta
Xapuri
Vecchio Sogno
La Palma
Provincia di Salerno
Kabuto
Pecatore
Fogo de chão

Fonte: Veja BH

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 17/04/2014

Los verdaderos retos de la accesibilidad para los Museos hoy en día


Desde hace algunos años los Museos se han preocupado por ser accesibles a las personas con capacidades diferentesDesde hace algunos años los Museos se han preocupado por ser accesibles a las personas con capacidades diferentes

Muchas veces hemos escuchado frases como “La cultura es sólo para gente con dinero” “Los museos son caros” “Los museos son aburridos, no entiendo nada”. El objetivo de esta nota es dejar atrás estas ideas y reflexionar  sobre los verdaderos retos para los Museos hoy en día.

Analicemos una por una las ideas que arriba mencionamos:

  1. “La cultura es sólo para gente con dinero”: Falso. Nosotros hemos visitado muchos Museos y en ninguno nos hemos enfrentado con problemas de discriminación  social. Hasta el día de hoy ningún Museo selecciona a las personas que lo pueden visitar. Incluso algunos Museos privados son gratuitos.
  2. “Los Museos son caros”: Cierto y falso. La mayoría de los Museos tienen costo de entrada. El rango de precio es amplio va desde $10 hasta $140. Todos los Museos que cobran la entrada cuentan con un día de entrada libre, generalmente es el domingo o martes, además hacen descuento si uno presenta su credencial de estudiante, maestro o adulto mayor. Hay otros Museos que son gratuitos todos los días.
  3. “Los Museos son aburridos, no entiendo nada”: nos hemos dado a la tarea de platicar con muchas personas acerca de su visita a los Museos. De estas pláticas nos hemos dado cuenta que los visitantes asisten con prisa y sin haber buscado información previa de la exposición. Estamos muy mal acostumbrados a que las instituciones resuelvan todos nuestros problemas. Visitar un Museo exige un compromiso. Le aseguramos que si usted lee un poco acerca del artista que expone o lee las noticias sobre la exposición que visitará su estancia será mucho más placentera, sabrá que ver y cómo ver. Además siempre le recomendamos tomar una visita guiada, sacudirse la pena y hacer preguntas por muy obvias que éstas parezcan.

Una vez expuestos nuestros puntos, damos paso a cuestiones de accesibilidad más tangibles. Los Museos están diseñados para personas que pueden caminar, ver y escuchar ¿qué pasa con las personas que no pueden realizar alguna de estas actividades?  ¿Cómo pueden recorrer las salas las personas que no pueden caminar? ¿Cómo puede una persona invidente disfrutar de una obra de arte? a nosotros nos parece que éste sí es un reto mayúsculo.

Desde hace algunos años los Museos se han preocupado por ser accesibles a las personas con capacidades diferentes, esto no es sólo una tendencia de los Museos en México sino a nivel mundial. Después de estudiar a muchos Museos nos dimos cuenta de que la mayoría cuenta con elevadores y rampas, algunos (Papalote Museo del Niño, Museo Nacional de San Carlos, Museo Soumaya (Plaza Carso), Museo Franz Mayer, Museo Nacional de Antropología, Museo Nacional del Virreinato, Universum) incluso prestan sillas de ruedas. Parece que el capítulo de accesibilidad para personas con sillas de ruedas está casi superado. Nos encantaría escuchar las opiniones otras personas al respecto.

Los capítulos que están muy alejados de superarse son los de las personas invidentes, sordas y mudas. Aunque también hay una tendencia mundial a incluir a esta población los esfuerzos parecen lentos. En la ciudad de México sólo el Museo Nacional de Antropología y el Museo Nacional de San Carlos cuentan con programas para invidentes. Estas dos instituciones hacen reproducciones de las obras ya que por cuestiones de conservación no se permite tocar los originales. Estos dos esfuerzos son valiosos aunque no suficientes.

Sobre la accesibilidad a personas sordas y/o mudas los Museos no son muy específicos al respecto. La mayoría ofrece el servicio de visita guiada en Lengua de señas previa cita. Una vez más el esfuerzo es valioso, pero insuficiente.

Los límites entre la accesibilidad y la exclusión en algunas ocasiones son casi imperceptibles. En los Museos las visitas para personas con capacidades diferentes están apartadas de las otras visitas. Si profundizamos un momento en esta situación nos daremos cuenta de que esto es grave, ya que de inmediato se veta la posibilidad de compartir maneras tan distintas de aproximarse a las obras, de aproximarse al mundo, de enriquecernos unos a otros.

Esperemos que en un futuro cercano los esfuerzos se redoblen y sean más incluyentes, porque en este momento estamos dejando ir experiencias valiosísimas. Estamos en el siglo XXI, la tecnología está muy desarrollada, hay instituciones especializadas, con todo esto los Museos no se pueden quedar atrás.

Fuente: museos.dir.mx

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 17/04/2014

Bengalando no Palau de la Música em Barcelona


O Palau de la Música é uma jóia arquitetônica modernista, construída entre 1905 e 1908, declarada Património Mundial pela UNESCO (1997)O Palau de la Música é uma jóia arquitetônica modernista, construída entre 1905 e 1908, declarada Património Mundial pela UNESCO (1997)

Desde sempre música foi uma das coisas que eu mais gostei na vida. Ao contrário do estereótipo de que toda pessoa com deficiência visual é boa para tocar algum instrumento, eu só sei apreciar as canções. Também sempre gostei de artes visuais, embora a falta de visualização perfeita me atrapalhe esse prazer quando não há audiodescrição. No Palau de la Música pude ver que essas artes que me encantam estão juntas. Um dos lugares mais emblemáticos do mundo em termos de casa de espetáculos e uma das construções mais ricas, coloridas e repletas de formas diferentes. Nesse clima de êxtase é que visitei esse lindo e histórico lugar.

Chegar até Palau de la Música não é uma tarefa fácil nem mesmo para quem enxerga. Há uma linha de metrô que deixa relativamente perto, mas é necessário fazer diversas curvas e atravessar ruas movimentadas sem sinalização adequada. Ainda assim, ir até lá é menos difícil do que saber como entrar no local.

As entradas não são sinalizadas corretamente, e muitas pessoas se perdem – inclusive eu e minha esposa Patrícia. A bilheteria é em uma das laterais e n;ao na parte central, mais que isso, a visita guiada – único modo de conhecer o Palau – inicia pela cafeteria, que por ser grande e não indicar por qual das entradas começa a visita, atrapalham se por acaso uma pessoa cega ou com baixa visão estivesse sozinha.Talvez por esse motivo, o valor do ingresso para pessoas com deficiência seja praticamente gratuito.

As visitas guiadas ocorrem em diferentes idiomas, cada um em horários específicos, e se por acaso o usuário chegar muito antes terá o desconforto de ter que esperar pela visita em seu idioma, e se chegar quando a visita na língua que gostaria de ouvir tiver começado, ou não verá tudo, ou perderá seu tempo tendo ido até lá. Não há indicação clara no site ou mesmo no local de que as visitas são em horários restritos e em idiomas diferentes. Assim, é um equivoco na acessibilidade para todo o público.

Depois de algum tempo aguardando, o que não foi um problema por nos proporcionar contemplar a beleza do lugar, a visita guiada começou. Todos que participavam foram acomodados na sala de ensaios, em um formato de auditório. Sentamos nas poltronas e assistimos a um vídeo institucional contando a história do Palau de la Música, assim como fazendo referência à vida da cidade e do arquiteto Muntaner, seu idealizador.

Alguns artistas deram seu depoimento sobre a emoção de se apresentar naquele majestoso ambiente. Alguns deles falavam em espanhol e outros em catalão, o que facilitava o entendimento, enquanto outros falavam em inglês. Todos eles tinham legendas, mas como as letras eram muito pequenas perdi parte das informações, como o depoimento e o nome dos músicos citados. Subimos até os demais andares onde havia a sala principal e a parte onde a plateia assiste aos espetáculos acima do palco, uma espécie de galerias superiores – ainda que tenham exatamente esse formato. Percebi que as escadas não tinham materiais antiderrapantes e para piorar era feitas de material de fácil derrapagem. Degraus com cores claras dificultaram minha movimentação, e podem ser um tanto perigosos. Existem elevadores, mas não os conheci e por isso não posso avaliar, mas não parecia haver em lugar algum adaptação para pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida.

Por outro lado, a narração do vídeo foi muito importante por realizar uma série de descrições detalhadas das diferentes salas do Palau. Não há audiodescrição, mas a guia que nos conduziu pelos diferentes ambientes foi muito eficiente e competente quanto a essa tarefa. Além de contar um pouco mais da história e dos artistas que passaram por ali, descreveu muito bem os detalhes dos vitrais, das esculturas e da iluminação da sala principal, o que me fez compreender e sentir toda a atmosfera de sensibilidade e riqueza artística.

Foi importante contar com essas descrições – ainda que seja feita por um audiodescritor – já que a visualidade da sala é tão fundamental que muitos dizem até que é um “deleite para os ouvidos e para os olhos”. O meu deleite veio apenas pelos ouvidos, e pelas palavras que me levaram a imaginar tudo aquilo que as demais pessoas viam.

Não há muitas salas para visitar, são apenas dois andares, bem como se caminha pouco pelos ambientes das salas, como é normal em museus e outros espaços culturais, talvez por se tratar de uma casa de espetáculos. Assim, a visita guiada é um tanto breve, com duração de no máximo meia hora, e mesmo sendo um ponto turístico muito visitado o tempo que se tem para apreciar é pequeno e logo somos conduzidos à saída.

Felipe Mianes no Palau de la Musica CatalanaPara quem gosta de música e artes visuais, o Palau de la Música Catalana é realmente um templo, já que além de terem passado por lá alguns dos mais importantes artistas do mundo, a beleza arquitetônica, dos vitrais e das esculturas são sensacionais. Falta apenas que existam algumas – não poucas – adaptações para haver acessibilidade plena. Quando e caso isso aconteça, além de belo, será um palácio acolhedor para todos.

Felipe Mianes no Palau de la Musica Catalana no centro da foto, próximo ao peitoril do mezanino. Veste camiseta azul clara com estampa, sob camisa xadrez preta com branco aberta, calça jeans e tênis branco. Ao fundo e na parte inferior se vê o palco e as cadeiras da plateia. Nas laterais três níveis de cadeiras distribuídas nos mezaninos do local. Vitrais ao redor de todo o Palau e detalhes esculpidos nas colunas internas que circundam o palco compõe o local. No alto um grande lustre de cristais em tons predominantes de amarelo e azul arremata o ambiente rico em arte.

Fonte: arteficienciavisual

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 16/04/2014

When rail travel for disabled people goes wrong


Disabled rail travellers have been telling a new documentary what happens when the system designed to help them doesn't work.Disabled rail travellers have been telling a new documentary what happens when the system designed to help them doesn’t work.

“Does the other end know I’m coming?”

This is the line wheelchair-user Baroness Tanni Grey-Thompson repeats time and again to staff on every train journey.

It may sound overzealous but Grey-Thompson says that while it makes for a stressful trip, lots of people who write to her about travel experiences do the same. Many disabled travellers worry that they won’t be met with the help they need at the other end.

“I’ve been left on a train at 01:00, with no ramp to help me off,” she tells this weekend’s 5 live Investigates on BBC Radio 5 live.

The crossbench peer works in London and lives in the Northeast of England. She travels regularly between the two by train, arranging help in advance via Passenger Assist, a specialist booking system for disabled people to reserve seats and arrange extra help at stations.

When no ramp materialised for Grey-Thompson that night, she says, “I had to get out of my chair onto the floor near the toilet, crawl off and push my chair off.”

She goes public when things go wrong, tweeting and writing about her experiences, “to make it better for other people”.

Speaking again of the night she was left stranded, she says, “If I’d been in a situation where I wasn’t as mobile as I am, I’m not sure how long I would have been stuck on that train.”

A report critiquing the Passenger Assist service by the watchdog Passenger Focus says that despite booking help in advance, there was no assistance for their disabled mystery shoppers to help them get off the train in 21% of cases.

The report, which also includes feedback by people with cognitive and visual impairments, highlights issues that are only too real for some disabled travellers. Claire Jones from Leeds, who uses a mobility scooter, recently booked assistance but when no one turned up to help it meant that rather than alight at Birmingham as planned, she was forced to travel on to Cheltenham, 40 miles down the line.

“When you have a disability like mine, which affects your energy levels, there is only a certain amount of time you can sit in a scooter. It determines how much time you can travel.”

Another issue uncovered by the recent investigation into the Passenger Assist Scheme was that disabled travellers were not given all the information they needed about a journey. There were instances where the mystery shoppers who’d been testing the system found that stations were less accessible than they were led to believe.

Wheelchair user Paula Moulton says that on one occasion she’d been made aware that a station’s platforms weren’t accessible via ramp, but decided that she could manage this in her manual chair by careful manoeuvring.

However, a “bizarre surprise” awaited her on arrival. “What they didn’t tell us was that there were two flights of stairs and a bridge to get over to the other side. Some really nice guys picked me up and carried me, which I hate happening, but I hadn’t got an option.”

In the past, lack of information has left Grey-Thompson without an accessible toilet for up to five hours.

“Disabled people are used to making lots of decisions about how they travel,” she says. If given the right information about the loo situation, “you don’t drink for an hour and a half before you get on the train to make sure you don’t need to use the bathroom”.

But what Grey-Thompson says challenges her most is that these “aren’t decisions any non-disabled person has to make”.

Having to book help a day in advance to guarantee assistance is a particular gripe of hers. “Disabled people just want to make decisions to meet a friend for lunch, or to just do something different. We don’t always know 24 hours in advance what time we want to travel.”

A spokesperson for the Department for Transport says, “The Passenger Assist Scheme is a vital service and we expect train operating companies to ensure it is working well. That is why we helped to fund a study into the system, and we will look to the rail industry to take forward any recommendations.”

A spokesperson for the Rail Delivery Group, which speaks on behalf of the industry says:

“We apologise to anyone who hasn’t had the service they expect. The industry has worked hard to improve facilities for disabled passengers which are better now than they’ve ever been with record numbers choosing to travel by train.

“While the UK recently came top of Europe’s seven major railways for accessibility, the industry is always looking to improve and to provide the best experience possible to disabled passengers.”

Minister of State for Transport, Baroness Kramer, says that fining companies for failing to provide assistance is the wrong approach. She says that instead we have to “culturally embed, from the top of the company down to the humblest person that (they) have as much of a duty to serve a disabled person as anybody else.”

Grey-Thompson says that getting assistance right and making trains and stations more accessible is important because “changes to welfare support mean that people who might have had a motability car in the past won’t – so there will be more people taking public transport”.

Source: BBC


Nayara Magalhães tem baixa visão e Thiago Barros é cego. Eles pediram aos garçons que cortassem a carne. Bom atendimento é fundamental.Nayara Magalhães tem baixa visão e Thiago Barros é cego. Eles pediram aos garçons que cortassem a carne. Bom atendimento é fundamental.

Foi-se o tempo em que as principais reivindicações dos portadores de necessidades especiais estavam relacionadas apenas à aceitação social e à inserção no mercado de trabalho. Hoje esses aspectos ainda são abordados, mas a luta foi ampliada com a discussão de vários outros assuntos, como a melhoria da acessibilidade nos locais voltados para o lazer. Os restaurantes estão entre esses espaços e precisam oferecer condições mínimas para que as pessoas com deficiências física, visual e auditiva possam frequentar suas instalações.

Cada um desses grupos de portadores de necessidades especiais demanda adaptações diferentes. Nos restaurantes, por exemplo, quem não enxerga precisa de um cardápio em braile, rampas de acesso e corrimãos. Os que têm alguma dificuldade de locomoção também dependem de rampas e corrimãos, além de portas largas, espaçamento adequado entre as mesas e banheiros adaptados. Para os que não escutam, um intérprete em libras é de grande valia. Isso deveria ser o mínimo, além do treinamento dos funcionários para uma abordagem correta ou qualquer outro auxílio necessário.

“Fora as especificações individuais de cada um, a liberdade de movimento é o fator comum em todos os casos. O cego, o mudo e o cadeirante precisam de espaço para circular com tranquilidade e autonomia”, explica o arquiteto Hélio Albuquerque, que ganhou o prêmio de Melhor Projeto e Melhor Ambiente com o loft adaptado para cadeirantes numa edição da Casa Cor Brasília. Ele também assina o projeto do novo El Paso Texas, na Asa Norte, e a adequação da unidade do mesmo restaurante, na Asa Sul.

Pensando em facilitar o acesso desses clientes ao Avenida Paulista, o arquiteto e sócio-proprietário da casa, Roberto Magnani, fez questão de incluir no projeto do restaurante um elevador. “Queria que as pessoas com dificuldade de locomoção pudessem chegar a todos os andares. Não apenas para cumprir a legislação, mas por um compromisso social”, defende Roberto.

“O que mais gostei no Avenida Paulista foi o elevador. É muito bacana porque o cadeirante pode ir a ambientes como a cobertura e a adega. Isso nos dá autonomia e liberdade para escolhermos nosso próprio vinho, por exemplo. Não que eu beba tanto, mas é bom saber que há a possibilidade”, brinca Ronald de Carvalho, 40 anos, diagnosticado com esclerose múltipla em 2001

Os espaço devem pensar também na acessibilidade para usuários de scooters, como Ronald de Carvalho

Diferencial

Os espaço devem pensar também na acessibilidade para usuários de scooters, como Ronald de Carvalho

Os espaço devem pensar também na acessibilidade para usuários de scooters, como Ronald de Carvalho

Para o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília (Sindhobar), Clayton Machado, a acessibilidade não pode ser vista como uma obrigação e sim como um diferencial. “Os empresários têm de pensar que essa clientela vai estar no seu estabelecimento e não no do vizinho. Essa é uma atitude inteligente, simpática e que vende”, incentiva. O espaço do seu resturante, o Esquina Mineira, foi adaptado com dois elevadores, por exemplo.

Nos restaurantes da rede Coco Bambu, a arquiteta Raquel Fechina trabalhou a acessibilidade para os clientes se sentirem à vontade. A grande área de circulação da filial, que fica no Setor de Clubes Sul, atrai o cadeirante e Coordenador do Programa de Apoio às Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade de Brasília (UnB), José Roberto Vieira, 33 anos. “O importante, nesses locais, é que as pessoas possam permanecer neles com autonomia. É preciso garantir liberdade de movimentação e isso eu, pessoalmente, encontro aqui”, observa ele.

“Quando projetamos um restaurante novo, é mais fácil incluir esses fatores. Já nos mais antigos, isso se torna um pouco difícil, principalmente por conta da falta de espaço e do tombamento da cidade que, às vezes, impede alguns procedimentos. No entanto, costumo dizer que nada é impossível”, avalia a arquiteta Mônica Pinto. Na lista de restaurantes adaptados por ela estão o Gendai, La Bonne Foundue, Dom Francisco e Expand

Outras formas de acessibilidade

Com bom humor e um sorriso no rosto, o deficiente visual Thiago Barros, 23 anos, visitou o restaurante A Bela Sintra, na 105 Sul. Acompanhado pela amiga, Nayara Magalhães, 25 anos, que tem apenas 10% da visão, eles leram o cardápio em braile da casa. “Hoje encontramos esse tipo de adaptação em alguns lugares, mas há um ano se houvesse um restaurante com cardápio traduzido para essa linguagem era muito”, lembra Thiago.

O cardápio em braile é o canal de comunicação entre o restaurante e o deficiente visual. Ao passar os dedos habilidosos pelas opções de pratos servidos no A Bela Sintra, eles optaram por elaborações à base de carne. Ele foi de bife à portuguesa (filé-mignon ao vinho e batatas fatiadas regadas com azeite). Já Nayara, escolheu o bife à Bela Sintra (filé-mignon acompanhado por batatas sauté).

“Gostei da forma como o cardápio está dividido e também do sumário. Isso ajuda muito. Queria só observar que o preço poderia estar em braile, não necessariamente no mesmo cardápio porque isso pode deixá-lo muito perecível. Poderia ser em outra folha, atualizada sempre que houvesse qualquer alteração”, sugere Thiago.

Para facilitar, o casal pediu aos garçons que cortassem a carne, o que foi prontamente atendido. A iniciativa recebe aprovação do vice-presidente da Associação de Amigos do Deficiente Visual, Armando Batista, que ainda cita outros fatores relevantes. “É interessante que o garçom se apresente pelo nome, situe o cego sobre quais objetos têm por perto, onde fica o banheiro, qual a saída de emergência mais próxima, o tempo de espera pelo prato e outras coisas desse tipo”, enumera ele, que perdeu a visão há quatro anos.

Uma das principais dificuldades apontadas pelos deficientes visuais está relacionada ao atendimento. “Na maioria dos estabelecimentos, o mais chato é a falta de preparo dos funcionários. Em alguns lugares, é muito trabalhoso fazer pedidos ou pagar a conta. Mas em compensação, há os restaurantes em que os garçons, mesmo não sabendo bem como nos ajudar, são interessados e têm boa vontade”, compara Nayara.

Para os deficientes auditivos, a comunicação em locais públicos é ainda mais complicada. “A maior dificuldade é compreender e se fazer entender. A saída acaba sendo a escrita, mas mesmo assim não é tão simples. Os surdos desenvolvem uma maneira diferente de escrever. O ideal é que haja um intérprete em libras, mas isso eu nunca vi”, conta Laércio Vieira da Silva, diretor do Centro de Educacional 6 de Taguatinga, que desenvolve um projeto de inclusão de alunos surdos no ensino regular.

Fonte: quero Comer

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 15/04/2014

Parents of autistic kids sue Disney over new line-waiting policy


Children with cognitive disorders often have a hard time waiting in long lines and that the policy doesn’t allow exceptions, based on the severity of their disabilities.Children with cognitive disorders often have a hard time waiting in long lines and that the policy doesn’t allow exceptions, based on the severity of their disabilities.

It’s never easy taking a child with disabilities to a theme park.

But since Disney changed its Guest Assistance Card program  to crack down on rampant line cutting, some families with autistic children say taking them to the park has gotten worse.

Last week, 16 families with autistic children filed a lawsuit against Walt Disney Parks and Resorts, claiming the new policy is too narrow for those with disabilities such as autism, and violates the Americans with Disabilities Act.

The lawsuit, filed in Los Angeles, includes Anaheim’s Disneyland and Disney California Adventure and seeks an unspecified amount of money and a policy reversal.

Under Disney’s new Disabled Assistance System [DAS], launched in October, visitors with disabilities are issued a Disability Access Service Card, with a photo ID.  It works similar to the park’s FastPass system and allows a disabled guest to return at a specified time where they can access the ride without waiting on line.

The change in policy follows several cases of where guests were paying for disabled guides or using fraudulent GAC cards to get on rides without the wait.

Disney said in a statement to FoxNews.com that its parks “have an unwavering commitment to providing an inclusive and accessible environment for all our guests. We fully comply with all ADA requirements and believe that the legal claims are without merit.”

Yet,  plaintiffs say children with cognitive disorders often have a hard time waiting in long lines and that the policy doesn’t allow individualized exceptions for some guests, based on the severity of their disabilities.

“It does (violate the law), because the new system doesn’t provide an individualized assessment,” Eugene Feldman, one of two lawyers representing the plaintiffs, told the Orange County Register.

Disney representatives say the new program accommodates the vast majority of guest with special needs.

“Our Disability Access Service is designed for guests who, due to certain disabilities, cannot tolerate extended wait times at attractions. In circumstances where the service might not meet guests needs, we work individually with guests to ensure we are able to accommodate them,” the park said in a statement.

Source: Fox News


Desafio. Jamie Andrews e Steve Jones, na tentativa de escalar o Matterhorn, em agosto de 2013.Desafio: Jamie Andrews e Steve Jones, na tentativa de escalar o Matterhorn, em agosto de 2013.

Jamie Andrew, um escocês de Edimburgo, teve suas mãos e pés amputados depois que ele e seu parceiro ficaram presos no topo de uma montanha nos Alpes franceses há 15 anos.

Os dois ficaram expostos em uma saliência de gelo durante cinco dias, até serem resgatados por um helicóptero, mas Jamie Fisher havia congelado até a morte no momento em que foram encontrados.

Andrew foi levado as pressas ao hospital com hipotermia, onde cirurgiões amputaram os seus membros, devido ao congelamento severo.

No entanto, com ajuda de próteses e fisioterapia, aos 44 anos ele aprendeu a andar novamente e começou a participar de triathlon e maratonas.

Então ele resolveu encarar o seu maior desafio, retornando a região dos Alpes para tentar escalar os 4.478 metros do Matterhorn, uma das mais belas montanhas da Europa, que fica entre a Suíça e a Itália.

“O Matterhorn é simplesmente o tipo errado de montanha para eu escalar. Se fosse um pouco mais íngreme eu poderia utilizar meus equipamentos e escalar com os meus braços na rocha e subiria rapidamente. Se fosse menos íngreme eu poderia usar os bastões de trekking e andar tranquilamente. Mas no Matterhorn eu tropeço de pedra em pedra, tentando se equilibrar da melhor forma possível, as vezes me lançando no vazio e tendo que me proteger com os braços para que as pernas protéticas não batam contra as rochas. É uma escalada dura. O terreno é incrivelmente irregular e impossível de manter o ritmo. Mas se há uma coisa que eu aprendi na vida é que a coragem nem sempre vem da tomada de desafios difíceis, mas sim da tomada de decisões difíceis.”

Andrew tinha planejado esta escalada em 2012, mas teve que cancelar depois que seu parceiro de escalada, Roger Payne, um dos principais montanhistas da Grã-Bretanha, morreu em uma avalanche.

A jornada de Andrews será exibida em breve no Channel 5 com o nome de “The Limbless Mountaineer”.

“Espero ter feito a minha parte para aumentar os limites que pessoas com deficiências possam atingir e este é um documentário edificante sobre esta jornada.”

Paul Crompton, produtor executivo da 5Production, disse: “Trabalhar com Jamie foi muito inspirador. Ele não é apenas um homem em uma missão, ele também é um verdadeiro cavalheiro. Foi ótimo passar quase dois anos com ele durante esse documentário”.

Jason Wells, executivo do Channel 5 disse: “Eu acho que a incrível tenacidade de Jamie em face a lesão é uma inspiração para todos nós e mostra como o espírito humano pode superar os obstáculos da vida. Sua perspectiva positiva, a esposa e os filhos o motiva a buscar metas cada vez maiores”.

Fonte: Exttremos

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 14/04/2014

Málaga ofrece 11 rutas interpretadas en braille y lenguaje de signos


Los Desposorios Místicos de Santa Margarita de Parmiganino durante una visita al MUPAM dentro del programa Málaga Ciudad AccesibleLos Desposorios Místicos de Santa Margarita de Parmiganino durante una visita al MUPAM dentro del programa Málaga Ciudad Accesible

El concejal de Movilidad y Accesibilidad del Ayuntamiento de la capital, Raúl López, ha informado de la nueva edición de ‘Málaga, ciudad accesible’, programa municipal que tiene como objetivo divulgar la cultura y los espacios turísticos malagueños entre todos los ciudadanos a través de rutas accesibles. Así, se ofrecen rutas interpretadas en lengua de signos, braille y para personas con movilidad reducida.

La edición de 2014 contempla 11 recorridos, de aproximadamente 90 minutos de duración, de los que ocho de ellos se incluyen por primera vez en este programa. Según ha destacado, “se posiciona como una iniciativa referente en Andalucía”, puesto que permite esas visitas adaptadas.

La primera de las rutas se desarrolló a finales de marzo al Parque Natural Montes de Málaga-Lagar de Torrijos; mientras que el resto está previsto en los próximos meses. Así, la del Teatro Romano y Centro de Interpretación será el 24 abril a las 11.00 horas; y la del Cementerio de San Miguel-Un Paseo por los Panteones históricos y la Málaga del XIX, el 29 mayo a la misma hora. Ambas son gratuitas.

El Paseo por la Málaga Industrial-Centro de Ciencia y Tecnología será el 19 junio a las 11.00 horas, la ruta por el CAC Málaga-Exposición permanente y temporal, el 24 de julio; la del Museo Interactivo de la Música (Mimma), el 14 agosto, y la de la Fundación Picasso-Museo Casa Natal, el 25 de septiembre. Serán gratuitos, menos el del Mimma, que tiene una tarifa reducida de tres euros.

También está la ruta de las Primeras Iglesias de Málaga tras la Reconquista-Cultopía, que será el 25 octubre; la del Museo Flamenco (Peña Juan Breva), el 20 de noviembre, la del Archivo Municipal-Cinco siglos de historia de Málaga a través de su patrimonio documental, el 3 diciembre y la del Museo Picasso Málaga, el 3 diciembre a las 17.00 horas. Estos recorridos también son gratuitos, salvo el primero, el de las iglesias, que tiene una tarifa reducida de cuatro euros.

El plazo para solicitar la participación en estas visitas que se ofrecen finaliza tres días antes de la celebración de cada actividad y hay que realizar la solicitud en el Área de Accesibilidad del Ayuntamiento de Málaga.

Además, como novedad también en esta edición, las visitas podrán ser a la carta, es decir, se podrán realizar en otro horario y fecha del fijado, previa solicitud y según disponibilidad del área de Accesibilidad y del espacio a visitar. Todas las actividades cuentan con guía y apoyo técnico. Colaboran en esta iniciativa la ONCE y Cruz Roja.

Desde el Ayuntamiento han destacado, asimismo, que año tras año ha ido aumentando la participación en este programa. Así, se ha pasado de una asistencia de en torno a 300 personas en 2011 a unas 550 en el ejercicio anterior.

Visita adaptadas A los espacios que conforman el programa se les facilita material técnico de apoyo como cartas de comunicación, información en braille y la grabación en lengua de signos española. Asimismo, se crean códigos QR que remiten a una grabación en la que se explica la visita que se va a realizar en lengua de signos y locutado en español para hacer estos espacios accesibles para personas con discapacidad auditiva o visual.

Con ello, han destacado desde el Consistorio, “además de servir de promoción de los museos y monumentos, posibilita poder realizar la visita a modo individual”. Estos QR aparecen en el díptico informativo del programa de visitas.

Al mismo tiempo se está dotando de forma integral a los museos y monumentos de Málaga de códigos QR con grabación en lengua de signos y locutada en español en todas sus piezas o salas. El primero de ellos ha sido el Museo Automovilístico de Málaga. Además, se están creando maquetas táctiles, como la desarrollada de la Alcazaba.

Fonte: La Opinión de Málaga

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 14/04/2014

Turismo segmentado é tema de debate no último dia do Conotel 2014


A acessibilidade foi debatida no painél sobre atendimento ao hóspede da nova geraçãoA acessibilidade foi debatida no painél sobre atendimento ao hóspede da nova geração

No terceiro dia do Conotel 2014, o debate “Atendimento ao hóspede da nova geração” contou com a participação de Wilson Nascimento, da BDF Nivea, Irineu Ramos, da revista ViaG, e Janete Bernardes, Membro do Comitê Estadual do Idoso, além do jornalista Edgar Oliveira, da Revista Hotéis, e Manoel Lisboa, da Abih nacional.

Primeiro a falar, Wilson destacou a importância dos grupos de viagem coorporativo. “Essa nova geração de turistas espera proatividade dos hoteleiros”, disse.  Também ressaltou que este nicho de viajantes espera segurança do estabelecimento, acesso a internet, boa alimentação, limpeza de quartos, estacionamento e infraestrutura.

Para Irineu Ramos, que falou sobre o turismo gay, os hotéis deveriam investir em infraestrutura para receber, também, esse tipo de turismo, que cresce 11% ao ano e gasta, em média, 30% a mais que heterossexuais. “Os gays são turistas mais exigentes em relação ao hotel e seu atendimento, mas, em compensação, são leais aos estabelecimentos que atendem suas expectativas”, ressalta.

Em seguida, Janete Bernardes colocou em pauta questões que envolvem a mobilidade dentro de cada hotel, que é um problema grave para deficientes físicos e pessoas na terceira idade. “Apesar de a lei existir, hoje, poucos hotéis se adaptam às necessidades. Quartos sem tapetes, degraus ou banheiras ajudariam a diminuir o grande número de acidentes que acontecem em hotéis em todo o Brasil”, disse, também ressaltando que os viajantes da terceira idade são um grupo fiel que procura atenção e cuidado no atendimento das hospedagens.

Por fim, todos os palestrantes ressaltaram que não se deve haver uma “segregação” por parte dos hotéis com os diferentes tipos de público. Segundo Wilson Nascimento, “hotéis tem que estar preparados para receber os três nichos aqui apresentados, e muitos outros, sempre”.

Fonte: Mercado&Eventos

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 16.187 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: