Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/01/2011

Dança em Cadeira de Rodas. A arte em movimento.


A dança em cadeira de rodas vem aumentando seu campo de trabalho e conquistando cada vez mais o seu espaço no meio social, através de manifestações artísticas. No Brasil teve início a partir de 1990, e atualmente é praticada por mais de 15 estados com participação aproximada de 200 dançarinos com deficiência física. A dança é uma forma de expressão e interação social. Qualquer um pode dançar, seja em pé ou usando uma cadeira de rodas.

A dança em cadeira de rodas pode ser desfrutada em diferentes estilos, por exemplo, dança de salão, Folk, ballet clássico ou moderno, entre outras. Existem também distintas modalidades, como a Dança Combinada (uma pessoa em cadeira de rodas dançando com uma pessoa sem deficiência), Dança em Dupla (duas pessoas em cadeira de rodas a dançar juntas), Dança de Grupo (grupos apenas de usuários de cadeira de rodas ou grupos mistos, com parceiros sem deficiência, em coreografias estruturadas ou livres) e Dança individual (a pessoa em cadeira de rodas sozinha).

Esta modalidade torna-se particularmente interessante pois não é praticada apenas por jovens ou adultos jovens, podendo ser também praticada pelos mais velhos. Desta forma, pode apresentar-se como uma forma óptima de inclusão dos deficientes em cadeira de rodas com mais idade.

A seleção brasileira de dança em cadeira de rodas disputou pela terceira vez em novembro de 2010 do Campeonato Mundial de Dança Esportiva em Cadeira de Rodas em Hannover na Alemanha. As duplas que ocuparam os lugares mais altos do pódio do nono campeonato brasileiro em julho de 2010 em Santos (SP), foram os representantes do país no mundial. A dupla carioca Viviane Pereira Macedo e Luiz Cláudio da Silva Passos, do IBDD, foi a campeã brasileira, e a dupla santista Adelina de Oliveira Perez e Alexandre de Aguiar Siqueira, da Secretaria Municipal de Cultura de Santos, vice-campeã na categoria cinco danças latinas.

Eliana Lúcia Ferreira, presidente da Confederação Brasileira de Dança em Cadeira de Rodas (CBDCR), disse que não tinha muita perspectiva de boas colocações, mas que a participação do Brasil fortaleceria a relação com os países europeus, que dominam a modalidade. Mais que isso, o Brasil teve voto e voz no fórum que discutiu as diretrizes da dança esportiva em cadeira de rodas no mundo e que foi realizado após a competição. “Pudemos enfim questionar alguns movimentos que são avaliados hoje no samba, que é o nosso ritmo”, completou Eliana.

Muitos são os benefícios que esta atividade pode trazer para a melhor qualidade de vida das pessoas com deficieência física, pois a dança é uma forma de expressão corporal, uma manifestação dos sentimentos, onde o contato com o seu próprio corpo é muito intenso, é uma descoberta do movimento pelo movimento, ou seja, através dele podemos nos comunicar com o público, em conjunto aos gestos, ao som, ao ritimo e aos deslocamentos.

Também vem trazer benefícios para a saúde física, proporcionando, melhora nas capacidades físicas e das condições organo-funcional (aparelho circulatório, respiratório, digestivo, reprodutor e excretor). Bem como, melhora a auto-etima, estimula a independência, a interação com outras pessoas, a experiência intensiva com suas possibilidades de limitações, a vivência de situações de sucesso, possibilitando a melhoria da auto-valorização e auto-confiança.

Fonte: Guanis


Respostas

  1. Bom Dia Ricardo! Tudo bem? Farei um espetáculo em Novembro com as minhas alunas de Danças Orientais, gostaria muito de incluir uma dança em cadeiras de rodas, você conhece alguma companhia em São Paulo para indicar?
    Parabéns pelo trabalho!
    Um abraço
    Valéria Alves

  2. Saudações.

    Gente, estamos realizando uma pesquisa de Mestrado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul sobre acessibilidade no mobiliário urbano. Ela é direcionada especificamente às pessoas em cadeira de rodas. Tal pesquisa visa melhorar os projetos e implantações do mobiliário urbano no que se refere à acessibilidade.

    Colaborem preenchendo o questionário:
    http://wirti.org/uso
    Sinceros abraços.

  3. […] o seu sonho, Dayse montou um grupo de dança na capital do país com o nome de “Asas para dançar”, nada mais apropriado. Com o grupo, além de dar asas ao seu sonho de menina, ela ajuda várias […]

  4. […] . Seguindo o seu sonho, Dayse montou um grupo de dança na capital do país com o nome de “Asas para dançar”, nada mais apropriado. Com o grupo, além de dar asas ao seu sonho de menina, ela ajuda várias […]

  5. […] que qualquer pessoa com deficiência participe de atividades que incluem o uso de produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso destes por todas as parcelas presentes em uma determinada […]

    • Só acho que precisa de mais campanhas de incentivo, para trazer a pessoa com deficiência a praticar essas atividades


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: