Publicado por: Ricardo Shimosakai | 09/12/2011

Falta sensibilidade para oferecer acessibilidade. Rio de Janeiro mostrou a cidade maravilhosa sem acessibilidade.


Ricardo Shimosakai, passou por uma experiência desagradável. Cadeirante independente, com experiência de muitas viagens, Ricardo esteve no Rio de Janeiro participando da oficina “Adaptabilidade: um viajante diferenciado. Recomendações práticas para hotéis, atrações e companhias aéreas”, da programação do Congresso da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV).

Mesmo como palestrante, Ricardo não teve um tratamento compatível com sua necessidade física. Deslocou-se do hotel para o Riocentro nos ônibus que transportavam os congressistas, sem o elevador que permite a entrada de cadeirantes. O constrangimento foi inevitável, com os motoristas dificultando o acesso manual, temendo um acidente. A cena se repetiu várias vezes e Ricardo somou mais esta às muitas experiências vividas em outras viagens pelo Brasil.

Diante do público que o assistiu na palestra, Ricardo não falou deste episódio. Foi enfático ao afirmar que, apesar de o Brasil ter 28,5 milhões de pessoas com deficiência, hotéis, meios de transporte e pontos turísticos nacionais não estão preparados para receber este público. Segundo ele, o país está perdendo um grande filão do turismo por não oferecer condições para receber estas pessoas. O mercado é ainda mais atraente para quem recebe os americanos, qur gastam US$13,6 bilhões por ano com turismo. Enquanto o Brasil não se organiza, os brasileiros viajam para o exterior, onde as condições de acessibilidade são melhores.

Aeroportos
O palestrante apontou as carências a partir dos aeroportos, passando por hotéis, museus e atrativos turísticos. As falhas estão em todos os lugares. Para Ricardo, a informação é o maior presente nesse nicho de mercado, mesmo porque, às vezes, nem o próprio deficiente sabe como utilizar a acessibilidade oferecida pelos poucos hotéis nacionais.

Segundo o palestrante, é complicado se sentir seguro num País em que o selo de acessibilidade é usado de forma errada. “Muitos hotéis expõem no site que são acessíveis e não tem cadeira de banho nem profissionais orientados a não mexer nos objetos colocados sobre os móveis, quando hospedam cegos.

Ainda com relação aos hotéis, Ricardo criticou a atitude de alguns estabelecimentos, que ocupam o apartamento acessível com deficiente visual, o que não é necessário.

Hotéis e Transporte
A acessibilidade é diferente para cada tipo de deficiência, segundo o palestrante. “Pouquíssimos hotéis oferecem quartos para todos os tipos de portadores de deficiência”, que pode ser visual, motora, auditiva e mental. O consultor ainda declara que é necessário se verificar o que já existe nos hotéis, que são obrigados a oferecer no mínimo 5% de quartos acessíveis.

O transporte também faz parte do pacote turístico acessível, como ônibus adaptados e metrô com rampa, como estações de São Paulo. Quando se fala em grandes eventos no Brasil, é importante destacar também a Paraolimpíada de 2016. Atletas com deficiências diversas esperam encontrar oportunidades iguais, a começar nos aeroportos, que precisarão de profissionais capacitados para atender a cadeirantes e pessoas com outros tipos de deficiência. O palestrante lembrou que “o Panamericano no Rio foi um fiasco em relação à acessibilidade”.

Parques
Em locais naturais, como os parques, monitores e guias também devem ser preparados para esse atendimento especial, inclusive em prédios tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). “Muitos não sabem, mas o órgão tem uma portaria sobre acessibilidade aos locais tombados”, comentou Ricardo, alertando que “se tivermos qualidade nesse tipo de serviço, mais estrangeiros vão querer conhecer o Brasil”.

Experiências e sugestões
Ricardo ficou paraplégico depois de ser atingido por um tiro num sequestro relâmpago, em 2001. Como gostava de viajar e percebeu que este era o desejo de muitos outros semelhantes, ingressou no curso de turismo e buscou conhecimento atualizado sobre todos os tipos de deficiência.

Apesar de não considerar que existe um destino acessível no Brasil, ele cita algumas facilidades em Curitiba. O transporte é bastante facilitado, com ônibus equipados com elevadores veiculares, as estações-tubo, além das linhas de ônibus turístico (conhecido como Jardineira), todos contemplando a acessibilidade.

Para Ricardo, a acessibilidade pode ser traduzida como conforto, pois rampas, elevadores, barras e outros ítens também são facilitadores para moradores e visitantes. Alguns equipamentos como áudio-guias em museus, servem como orientação mais detalhada para qualquer pessoa.

No caso de estádios, Ricardo aponta o essencial: rampas ou elevadores, dependendo da estrutura arquitetônica, instalações sanitárias, circulação com rotas acessíveis e sinalização adequada, além do espaço onde a pessoa com deficiência física assista ao jogo. Mapas táteis do estádio, sinalização em Braille e pisos táteis são ítens importantes para quem tem uma deficiência visual. Pessoas treinadas para interpretar a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) é o recurso mais importante para pessoas com deficiência auditiva, que, apesar de ser utilizada somente no Brasil, possui semelhanças com outras línguas estrangeiras de sinais. Além disso, é importante que as informações dos recursos de acessibilidade sejam divulgadas na comunidade de pessoas com deficiência.

Fonte: Diário do Nordeste


Responses

  1. Oi Ricardo, gostaria que também conhecesse o blog de Deborah Prates do Rio de Janeiro, em: http://www.deborahpratesinclui.blogspot.com/
    Abraço e meus desejos que 2012 tenha mais conquistas, seja na sua área prosissional, seja na luta diária por um mundo melhor para todos, todos nós. Rosa Santos.

    • Olá Rosa,
      Conheço a Deborah, uma grande pessoa e batalhadora. Aos poucos a conquista de nossos direitos vai tomando forma, e cada vez mais oportunidades vão surgindo. Sinto muito prazer em proporcionar afelicidade a todos, através de meu trabalho com o lazer e turismo
      beijos

  2. Grande Ricardo, espero que todas essas experiências desagradáveis possam ser diminuídas a partir das revisões das normas que estou querendo iniciar, seja no transporte rodoviário e de fretamento, seja no sistema aéreo. Que venha 2012 com muitas novidades. Te espero nas reuniões, quando finalmente, iniciarem…

    • Olá Belopede,
      Experiências boas ou más, são conhecimentos que podem ser aproveitados. Depois passe para meu email, informações detalhadas a respeito das reuniões
      abraços

  3. Caro RICARDO.
    Voce encontrou a realidade do rio de janeiro, imagine quantos necessitam de trabalhar, ir ao médico, sair para se divertir então nem pensar, vão ficar estressados com a falta de sensibilidade do estado dos municípios e empresários que só querem ganhar cada dia mais dinheiro, e não investem na qualificação do pessoal para operar os equipamentos de acesso aos cadeirantes, quando tem. A maioria dos onibus tem somente o adesivo.
    Mas quando voce esteve no Rio no ano passado, teve a oportunidade de conhecer o meu equipamento, e até hoje não vi de sua parte nenhuma nota qualificando o meu trabalho, mas continuo aguardando. Washington Santos, LINCE TRANSPORTES ESPECIAIS LTDA.

    • Olá Washington,
      Apesar da importância turística que o Rio de Janeiro possui, o turismo acessível é pouco desenvolvido. Mesmo os empresários tem resistência em aderir algo que lhes é obrigatório. Seu transporte é bom, mas é uma parte da cadeia turística, e é preciso ver outros ítens como hospedagens, locais para alimentação, atrativos turísticos e outros ítens, que possuam acessibilidade. Continuo verificando a adequação de um pacote turístico acessível para o Rio de Janeiro.
      Abraços


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: