Publicado por: Ricardo Shimosakai | 14/04/2013

Finalistas de cinema na Covilhã criam filme com pessoas com deficiência mental


Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

Um grupo de alunos de cinema da Universidade da Beira Interior, na Covilhã, decidiu dar o protagonismo a pessoas com deficiência mental no projeto de fim de curso.

“Síndrome de Cinema” é um filme dentro de outro filme, explicou à agência Lusa o aluno e realizador Henrique Cannavial.

Entre 20 a 30 utentes da delegação da Covilhã da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) vão ser atores, produtores e realizadores de uma fita que será projetada dentro de algumas semanas.

A estreia está marcada para a sala de cinema da universidade, numa gala em que cada um dos participantes vai receber um prémio – tal como as estrelas de cinema recebem os Óscares.

Todo o processo será orientado e filmado pelos alunos de cinema, resultando numa curta-metragem que será avaliada como projeto de final de curso, mas que “representa muito mais”, descreve Henrique Cannavial.

Os finalistas querem “fazer um projeto social, para dar algo à Covilhã”, como forma de retribuir os três anos de hospitalidade de que já beneficiaram, referiu o realizador, natural da ilha da Madeira.

“Sempre fui bem recebido aqui”, sublinhou.

Um dia, escutou a história de um dos colegas que teve uma irmã com Síndrome de Down.

Pouco tempo depois, o projeto estava a ser apresentado à APPACDM da Covilhã, que procurava atividades na área da expressão dramática.

“Foi uma ideia que nos cativou e que nos pareceu enriquecedora para os clientes: eles estão curiosos e motivados”, refere Carina Correia, psicóloga na instituição.

Os alunos estão a conduzir sessões de trabalho em que apresentam o equipamento e os processos de produção e em que tentam chegar a um consenso sobre o filme que vão fazer.

“Uns gostam do 007, outros de comédia”, descreve Henrique.

Mesmo que não haja consenso, “a curta-metragem será uma homenagem a vários filmes”, com gravações nas instalações da APPACDM e nos estúdios da universidade.

“Não estamos muito preocupados com o nosso filme, mas sim com o filme deles: esse é o principal”, sublinha o realizador.

Trabalhar com quem tem deficiência mental “é completamente diferente do habitual”, pela positiva, destaca: “não têm ciúmes, invejas ou preconceitos e o mais forte protege o mais fraco. É a sociedade perfeita”, conclui.

No meio do grupo, muito animado, Silvie Matos, uma das clientes da instituição, não esconde o desejo: “gostava de entrar num filme”.

Por isso, fazer parte de uma equipa de cinema “é espetacular”, refere.

A poucos minutos de começar mais uma sessão de trabalho com os alunos da UBI a azáfama é grande para preparar a sala de reuniões e o equipamento que por ali vai circular.

Se dependesse de João Tiago, outro dos participantes, não havia dúvida sobre o enredo: seria um filme do 007 em que ele próprio entraria, nem que fosse para “ser figurante” e concretizar um sonho.

Fonte: rtp


Respostas

  1. Deficiência intelectual

    • Sim, também Deficiência Intelectual. Pois terminologias relacionadas à Pessoa com Deficiência geram muitas opiniões diferentes e controvérsias, até entre profissionais, estudiosos e as próprias PcD. Neste caso, estou reproduzindo a matéria, não é de minha autoria, portanto não modifiquei por questão de ética, e também porque nosso portal está aberto à todos os pontos de vista.


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: