Publicado por: Ricardo Shimosakai | 30/09/2013

Museu de Ciências Morfológicas da UFMG acessível para deficientes visuais


Deficiente visual manipula peça do projeto A Célula ao alcance da mão, do Museu de Morfologia da UFMG.Deficiente visual manipula peça do projeto A Célula ao alcance da mão, do Museu de Morfologia da UFMG.

Tudo começou em 1989 numa sala de aula do curso de fisioterapia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Luiz Edmundo Costa estava com dificuldades de acompanhar as aulas de citologia e histologia. Ele é deficiente visual e as aulas exigiam a observação de imagens ao microscópio.

A ausência de material didático especial e de literatura em braille motivou professores e alunos a buscarem alternativas para que Luiz Edmundo, hoje fisioterapeuta no Hospital Oftalmológico da UFMG, compreendesse os conteúdos apresentados nas aulas. A solução veio com a confecção de pranchas nas quais o material biológico era reproduzido através de desenhos em relevo, que permitiam o reconhecimento de formas, dimensões, proporcionalidade e localização das células.

Do sucesso da iniciativa veio o desejo de ampliar a experiência para outros deficientes visuais, visando tornar mais lúdico, atraente e integrador o ensino de ciências e biologia. Nascia o Museu de Ciências Morfológicas (MCM) da UFMG. Aberto ao público desde 1997, o Museu é um centro de educação de ciências da saúde.

A metodologia do MCM propõe o estudo do organismo humano em seus diferentes níveis, de forma interativa e estimulante, explorando sentidos como tato e audição. Os modelos tridimensionais e em relevo representam uma célula, todos os tipos de tecidos, fases do desenvolvimento embrionário e fetal, órgãos e sistemas orgânicos humanos, em dimensões próximas do natural ou ampliadas, visando facilitar a compreensão de cada estrutura.

“A inclusão de pessoas com necessidades especiais de aprendizado nas atividades do MCM não se restringe à acessibilidade ou a programas especiais e esporádicos. Ela tem sido fruto do desenvolvimento de atitudes de acolhida no dia a dia, da busca concreta de soluções para os problemas surgidos e compartilhamento dos resultados alcançados, da abertura para um novo e continuado aprendizado com o diferente”, afirma Maria das Graças Ribeiro, coordenadora geral do Museu.

Um curso de morfologia humana aberto à comunidade

Voltado inicialmente para as necessidades dos deficientes visuais, os modelos expostos no museu foram finalizados na cor branca. O reconhecimento das peças podia ser feito através de suas diferentes texturas, relevos, cavidades, concavidades. Legendas explicativas em braille facilitavam sua compreensão e possibilitavam o trânsito relativamente independente do público-alvo. Mais tarde, com objetivo de facilitar a compreensão da constituição do organismo humano para todos os tipos de público, optou-se por colorir as peças, levando em conta a diferenciação das estruturas também através da forma e das cores.

“Com isso passamos a atender estudantes com visão sub normal, com déficit de aprendizagem e tantos outros, facilitando a identificação dos órgãos e a fixação da aprendizagem também por processo associativo”, explica Ribeiro. O público do Museu é formado principalmente pelos alunos do Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG e pelos estudantes do ciclo básico de escolas públicas e privadas.

Para os deficientes visuais, o estudo de ciências têm sido, quase sempre, restrito à audição de fitas, gravadas por familiares, amigos ou voluntários. Essa forma de aprender afasta os estudantes com deficiência visual dos demais colegas e desestimula o seu aprendizado. Segundo Maria das Graças Ribeiro, os poucos deficientes visuais que conseguem chegar ao ensino superior não encontram aparato à sua formação profissional, como bibliografia em braille, material didático para as aulas práticas, oficinas e laboratórios adequados.

A Coleção Didática de Modelos Biológicos Tridimensionais foi desenvolvida para atender às especificidades desse público, mas não se destina só a ele. “Trata-se de um material didático de uso universal no ensino de ciências. O MCM propõe que esses estudantes estejam nos laboratórios de ensino de ciências junto com os colegas que podem enxergar”, afirma ela.

O Museu utiliza também um sistema de áudio-descrição das peças, destinado a todos os estudantes, possibilitando o debate simultâneo do conteúdo e a utilização de ambas as mãos na exploração dos modelos biológicos criados. “Queremos que a interatividade exercitada nos laboratórios de ciências seja levada a outras áreas, ampliada na escola e levada para além dela, com a mesma naturalidade”, completa a professora.

Fonte: Patrimônio


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: