Publicado por: Ricardo Shimosakai | 19/01/2015

Museu da Fiocruz tem 1ª visita monitorada em Libras


Planejamento e treinamento de estudantes começou há seis meses; visitação é teste para projeto que pode ser implantado em 2015Planejamento e treinamento de estudantes começou há seis meses; visitação é teste para projeto que pode ser implantado em 2015

Um grupo de estudantes do oitavo e do nono anos do ensino fundamental do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), em Laranjeiras, zona sul do Rio de Janeiro, participou da visita monitorada em Língua Brasileira de Sinais (Libras) ao Museu da Vida da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro.

Os quatro monitores são estudantes de pedagogia também do Ines e participaram do projeto Quebrando Barreiras Culturais: A Ciência e o Surdo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que desenvolve sinais científicos em Libras, além de treinar surdos para trabalhar em museus e espaços de ciências.

A coordenadora do Serviço de Educação do Museu da Vida, Hilda Gomes, explica que o planejamento e o treinamento dos monitores começou há seis meses e a visita desta quarta-feira foi um teste para o projeto, que pode ser implantado no ano que vem.

“Escolhemos três atividades, aproveitando o conhecimento que eles tem em biologia e inserimos a história da Fiocruz. Elaboramos três roteiros, onde eles com a fluência em Libras receberam um público surdo para fazer a visita ao museu. Convidamos alunos do Ines do oitavo e nono anos do ensino fundamental. Estamos filmando e fotografando porque precisamos avaliar. Em duas semanas vamos avaliar para ver qual será a continuidade desse projeto para 2015.”

Colaboradora do projeto, a professora aposentada do Inês, Djane Cavalcanti, destaca que a iniciativa de monitoria para surdos é inédita no Brasil.

“Muitos surdos que não vão aos museus, principalmente os de ciência, porque precisam de interpretação. Ao museu de arte, o surdo pode ir para visualizar as obras, mas o museu de ciência tem que ter uma comunicação entre o público e o mediador.”

Fonte: Agência Brasil


Respostas

  1. É uma iniciativa muito importante, embora não seja verdade que não há monitoria em Libras nos museus. Em São Paulo, há monitoria no CCBB, no museu Afro-Brasil , na Pinacoteca e, melhor, feita por monitores surdos! A Fiocruz deveria dar preferência à contratação pessoas surdas para essa monitoria. Há surdos biólogos e especializados na área, que poderiam atender de modo muito mais completo aos surdos visitantes…

    • Sim Lilian, há alguns poucos museus com monitoria em Libras. For esses consegue citar mais alguns? Vamos valorizar aqueles que possuem, mas diante das centenas de museus existentes no Brasil, podemos considerar esse número muitíssimo pequeno.

  2. […]  https://turismoadaptado.wordpress.com/2015/01/19/museu-da-fiocruz-tem-1a-visita-monitorada-em-libr… […]


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: