Publicado por: Ricardo Shimosakai | 27/06/2015

Estudantes de Pernambuco criam óculos inteligente para deficientes


Marcos Antonio Oliveira, estudante de Ciência da Computação, testando o AnnuitWalk, óculos criado para ajudar deficientes visuais a caminhar com mais segurançaMarcos Antonio Oliveira, estudante de Ciência da Computação, testando o AnnuitWalk, óculos criado para ajudar deficientes visuais a caminhar com mais segurança

O WearIT é um grupo de pesquisa do Recife que está desenvolvendo o PAW (Projeto AnnuitWalk), um óculos que detecta eventuais obstáculos no caminho e avisam o usuário. O acessório ainda pode interagir com um aplicativo de celular, que mapeia objetos presentes nos trajetos e funciona como uma espécie de GPS para os deficientes visuais, indicando as direções com os menores riscos de acidentes.

“Criamos um dispositivo que protege o corpo inteiro do usuário”, conta Marcos Antonio Oliveira, integrante do WearIT. Desde março de 2014, o grupo formado por ele e mais cinco universitários pesquisam como os chamados wearable devices (ou “dispositivos vestíveis”) – como os óculos inteligentes Google Glass ou o relógio Apple Watch – podem melhorar a vida de pessoas com algum tipo de deficiência ou com deficiências múltiplas.

“A cada protótipo testado por voluntários, entendíamos melhor suas necessidades”, explica a estudante de Psicologia, Emily Schuler, também integrante da equipe. “Por exemplo: eles não queriam algo que substituísse a bengala, mas que desse um suporte a ela. E este suporte não devia ser algo discreto, pois eles já chamam muita atenção com a bengala. Os óculos também se tornaram a opção mais viável, já que a maioria está acostumada com o acessório.”

Ao todo, foram feitos seis protótipos até chegar à versão final, que ainda tem um diferencial: em vez de avisar os obstáculos por voz, como a maior parte dos dispositivos para deficientes visuais, a tecnologia utiliza uma pulseira vibratória, que emitem vibrações de intensidades diferentes de acordo com a distância dos obstáculos — quanto mais longe, mais suaves, e quanto mais perto, mais intensas.

“Sabemos que os cegos também usam a audição para se movimentar, então pensamos em algo que não os atrapalhassem. Também não queríamos restringir nosso público. Pessoas com deficiências múltiplas vão podem usar o AnnuitWalk”, explica a estudante.

O dispositivo utiliza sensores ultrassônicos que identificam os obstáculos à frente do usuário cego, que por sua vez, é avisado instantaneamente com vibrações emitidas pela pulseira. Marcos explica:

“Usamos um sistema de localização parecido com a utilizada pelos morcegos. Eles vão emitindo sinais sonoros que não são percebidos pelo ouvido humano e, ao encontrarem algum obstáculo, estes sinais voltam, e é possível calcular a distância dos objetos.”

Tecnologia acessível

A grande sacada do projeto, no entanto, não é seu sistema — mas sim o custo. Segundo Marcos, já existem projetos similares no mercado, mas são extremamente caros. “São tecnologias que custam entre R$ 3 mil e R$ 4 mil”. Um cão-guia é ainda mais inacessível: ele custa cerca de R$ 25 mil e, é claro, tem vida útil e gastos como de qualquer outro animal. “Nas pesquisas de campo descobrimos que a maioria da população cega é de baixa renda, o que torna impossível ter opções mais vantajosas do que uma bengala.”

Já o dispositivo criado pelos recifenses é bem barato. Eles criaram protótipos com diferentes preços: o mais simples, com função básica de avisar obstáculos e que custa cerca de R$ 45, e o protótipo mais completo, que interage com o aplicativo AnnuikWalk no celular, que faz recomendações com a rota mais segura e pontos críticos de trajeto. Esta versão tem um custo de produção inicial de R$ 160. “Os preços ao consumidor não seriam muito diferentes dos nossos custos, ainda mais se tivermos uma produção escalável”.

O aplicativo gratuito, que estará disponível para Android e iOS em breve, poderá ser usado por qualquer um. “Criamos o app para que todos pudessem colaborar, não só quem tem a deficiência. Por meio dele, qualquer um pode reportar obstáculos nas ruas e ajudar a criar trajetos mais seguros”, diz Emily, integrante do grupo.

Tirando a ideia do papel

Marcos conta que o projeto foi criado apenas com objetivo acadêmico. Eles não pensavam em abrir uma startup ou levar esse projeto ao consumidor final. Era apenas para fins acadêmicos. Mas, ao passo que os testes eram realizados com voluntários e o projeto dava certo, os planos do grupo começaram a mudar.

“Nossos voluntários se sentiam cada vez mais animados com a possibilidade de ter um suporte como aquele. Isso foi nos contagiando. Sabíamos que se deixássemos apenas na academia, talvez nunca sairia do papel. Então, começamos a focar no negócio, em como tornar esta ideia viável.”

Desde então, os estudantes buscam investidores interessados em bancar o projeto. Para isso, eles compareceram na Campus Party Recife do ano passado, onde fez algumas parcerias, e nesta semana, o projeto venceu a sétima edição do Word Summit Youth Award, premiação chancelada pela ONU para incentivar jovens a criarem conteúdo digital de algum impacto social. Concorreram mais de 18 projetos de todo o mundo.

“Queremos divulgar nossa ideia para ela chegar o quanto antes às lojas. Se tudo der certo, é possível comercializar os óculos até o final deste ano”, prevê o pernambucano. “Toda a equipe trabalhou muito para este momento e estamos muito orgulhosos com nossas conquistas. Agora é tornar realidade nosso sonho e transformar a vida das pessoas”.

Fonte: Exame


Responses

  1. Isso que é notícia, obrigada.

    • Ficamos na torcida de que iniciativas possam chegar ao alcance das pessoas que realmente necessitam, e não fiquem somente em boas idéias


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: