Publicado por: Ricardo Shimosakai | 21/02/2016

Um parceiro com deficiência física é normal. Assim cai o tabu sobre sexo e amor.


Pesquisa aponta que a esmagadora maioria das pessoas reconhecem a normalidade do desejo sexual e sentimentos de pessoas com deficiênciaPesquisa aponta que a esmagadora maioria das pessoas reconhecem a normalidade do desejo sexual e sentimentos de pessoas com deficiência

“E se uma pessoa com deficiência física se apaixonar por você?”: é uma das 30 perguntas do questionário, “Sexualidade e Deficiência: um levantamento de atitudes e experiências.” Um questionário “estritamente anônimo”, já no título convoca as pessoas “a expressarem seus pontos de vista sobre o assunto, sem condicionamento social”, explicou o psicólogo que o elaborou Lelio Bizzarri, que tem lidado com a questão.

A normalidade dos desejos sexuais de uma pessoa com deficiência física

O psicologo afirma que, na literatura, bem como entre os pais e os próprios deficientes, este é um assunto tabú, como se as pessoas com deficiência não pudessem ser contempladas com potenciais parceiros. Mas, por outro lado, existem dezenas de pessoas com deficiência e até mesmo com doenças graves que têm relações sexuais, casos de amor, ou tiveram filhos com o seu parceiro, seja este com deficiência ou não. Por esta razão o psicologo perguntou se essas suposições sobre a inconveniência das pessoas com deficiência são realmente tão inabaláveis.

O questionário, publicado online por várias semanas, foi respondido por cerca de 1.000 pessoas. O trabalho está em andamento, mas Bizzarri antecipa algumas observações e dados: “A principal notícia é que a esmagadora maioria das pessoas reconhecem a normalidade do desejo sexual e sentimentos de pessoas com deficiência e que quase metade não exclui a possibilidade de se envolver sexualmente e emocionalmente com uma pessoa com deficiência física ou sensorial. Isto prova que a sexualidade tabu e deficiência começam a entrar em colapso. Será interessante comparar a mudança de atitude com experiências reais e fazer algumas perguntas.”

Existem poucos casais ‘mistos’

De acordo com os dados, na verdade, enquanto muitos dizem que é teoricamente disponível para um relacionamento com um parceiro com deficiência, ainda há poucos casais «misto». É “normal” que uma pessoa com deficiência se apaixone. Em primeiro lugar, a amostra “, embora limitada, é composta de uma grande variedade de pessoas diferentes por sexo, idade, residência, educação e relacionamento com a deficiência”. A partir de uma primeira leitura dos cartões, mais de 90% dos inquiridos consideram “normal para uma pessoa com deficiência motora ou sensoriais expressar sentimentos de amor erótico ‘, e reconhecem ,” a capacidade de dar e receber prazer e de serem parceiros no todo”.

Deficiências cognitivas

Neste ponto, é preciso fazer um esclarecimento importante: “Uma ligeira resistência se evidencia no que diz respeito ao comportamento sexual por pessoas com déficits cognitivos: 8% dos entrevistados declarou que não é normal, percentual que cai a 3%, no caso de deficiência motora e sensorial. ” Quase metade não exclui relacionamento com um deficiente cognitivo.

Quanto ao envolvimento pessoal possível em uma possível relação com um parceiro com deficiência “, 431 (45% da amostra) não exclui um envolvimento romântico com uma pessoa com deficiência física ou sensorial. E apenas 17 (1,86%) exclui categoricamente a possibilidade. ” O psicólogo acredita que será interessante ver se e como as atitudes variam de acordo com variáveis ​​demográficas. Segundo o profissional, de fato, existe um preconceito e o questionário ajudará a entender o grau de tudo isso.

Fonte: Espaço Aberto


Responses

  1. […] Fonte: Um parceiro com deficiência física é normal. Assim cai o tabu sobre sexo e amor. […]

  2. sou bipolar e ja me envolvi com uma pessoa com deficiencia…nao vejo nenhuma diferença de uma pessoa que se diz normal..eu tambem sofro descriminaçao e luto muito..e somos todos iguais…

    • Sim Karina, mas na verdade somos todos diferentes, o que não pode existir é a discriminação

      • No entanto, e enquanto deficiente motora sinto-a todos os dias, Não pode haver mas há!

        • A discriminação existe para todos, por diferentes motivos e com diferentes níveis de dificuldade. Nesse jogo sempre há um vencedor e outro vencido, você escolhe em que lado quer ficar. Por exemplo, se alguém lhe impediu de viajar por causa de sua deficiência, procure outra empresa que lhe atenda bem, e você será o vencedor. Se desanimar e desistir da viagem, você será o vencido.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: