Publicado por: Ricardo Shimosakai | 16/05/2016

Empreendimentos turísticos vão ter regras para melhor acessibilidade


O diploma de classificação dos empreendimentos turísticos vai ser revisto ainda este ano para incluir uma área dedicada ao turismo acessívelO diploma de classificação dos empreendimentos turísticos vai ser revisto ainda este ano para incluir uma área dedicada ao turismo acessível

A governante participou hoje, em Lisboa, com a titular da pasta da Inclusão, Ana Sofia Antunes, na apresentação do projeto “Praia Acessível — Praia para Todos!” relativo a 2015, uma iniciativa que destaca anualmente boas práticas na acessibilidade a praias portuguesas.

A secretária de Estado do Turismo salientou que, em 2005, quando começou, o programa tinha 45 praias acessíveis e, no ano passado, eram mais de 200.

Apesar das diferenças, “representa apenas 36%. Ou seja, percorremos um grande caminho, mas ainda há muito a percorrer. É preciso acelerar as mudanças. Temos de injetar aqui mais ritmo”, acrescentou.

Ana Mendes Godinho revelou que, ainda para este ano, o Governo prevê uma revisão do Regime Jurídico que classifica os empreendimentos turísticos, com a inclusão de “uma área dedicada ao turismo acessível como fator de valorização da oferta turística” nacional.

Por seu turno, a secretária de Estado da Inclusão, Ana Sofia Antunes, explicou à Lusa que este turismo acessível deve passar pela atribuição de “selos de acessibilidade” a empreendimentos que cumpram determinados requisitos que permitam a acessibilidade a todos.

“A ideia é conseguir fazer algumas inovações ao nível da classificação dos empreendimentos, promover a identificação de selos de acessibilidade e promover, ao nível de roteiros identificadores de equipamentos e serviços, se os mesmos cumprem requisitos de acessibilidade, porque é uma das coisas que as pessoas querem saber quando escolhem um hotel, um restaurante ou um monumento que querem visitar. Querem saber em que medida o podem fazer”, realçou.

O “Prémio Praia +Acessível” relativo a 2015, atribuído a praias de referência ao nível das condições de acessibilidade, distinguiu, a Praia de Vilamoura, no concelho de Loulé (1.º lugar), e a Praia Fluvial de Fraga da Pegada, no concelho de Macedo de Cavaleiros (2.º).

Entre outras condições, uma praia acessível está obrigada a ter percursos acessíveis até à entrada da praia, estacionamento reservado, instalações sanitárias adaptadas, posto de primeiros socorros acessível e nadador salvador.

O projeto “Praia Acessível — Praia para Todos!” é uma iniciativa do Instituto Nacional para a Reabilitação (INR), da Agência Portuguesa do Ambiente e do Turismo de Portugal.

Fonte: Notícias ao Minuto


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: