Publicado por: Ricardo Shimosakai | 27/06/2016

A cultura não é para todos. Mas há honrosas excepções


O grupo Dançando com a Diferença é pioneiro em Portugal na inclusão de pessoas com deficiênciaO grupo Dançando com a Diferença é pioneiro em Portugal na inclusão de pessoas com deficiência

Quem anda de cadeira de rodas ou é anão não consegue muitas vezes ver a cara de quem lhe vende o bilhete num teatro, porque a bilheteira é demasiado alta. Ou não consegue subir ao andar superior do museu para ver a exposição que queria, porque só há acesso por escadas. Se tiver problemas de visão, pode não conseguir ler as letras minúsculas de um panfleto. E são muitos os que nem sempre compreendem o que diz o guia da visita, que fala rápido e de forma confusa.

“Muitos funcionários e directores de museus e instituições culturais nunca tinham pensado nestas questões” – é essa a raiz do problema que a Acesso Cultura, uma associação sem fins lucrativos criada para melhorar as condições de acesso, físicas, sociais e intelectuais, aos espaços de cultura no país, anda há três anos a tentar minimizar, explica ao PÚBLICO a directora executiva Maria Vlachou. Foi de resto para isso que lançou os prémios entregues esta sexta-feira no Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, em Lisboa, e que distinguiram, pelas suas boas práticas na promoção da melhoria do acesso à cultura, o Parque Biológico da Serra da Lousã, a Sociedade Artística de Pousos, a companhia de teatro Comédias do Minho e o grupo Dançando com a Diferença. Traduzindo: um parque biológico que desenvolveu uma quinta terapêutica para pessoas com deficiência, doença mental ou em situação de desemprego de longa duração (e ainda três museus, um parque de vida selvagem e uma quinta pedagógica). Uma associação musical que trabalha regularmente com a comunidade cigana, e que prepara agora uma ópera com os reclusos do Estabelecimento Prisional de Leiria para estrear na Gulbenkian. Um grupo que assumiu como missão levar o teatro às aldeias mais isoladas do Alto Minho. E uma companhia de dança pioneira na inclusão de intérpretes com deficiência.

A Acesso Cultura, diz Maria Vlachou, quer que as idas ao teatro e a concertos e as visitas a museus e exposições não sejam um privilégio de alguns, mas um direito de todos. Após três anos de trabalho no terreno, reconhece que ainda restam muitas dúvidas e que, normalmente, apenas os serviços educativos estão sensíveis para estas questões. Mas há honrosas excepções, a vários níveis, como os quatro trabalhos premiados demonstram.

Foram as práticas de “excelência de integração e de acessibilidade social” que valeram ao Parque Biológico da Serra da Lousã o prémio Acesso Cultura de Acessibilidade Integrada (física, social, intelectual). O parque integra, lado a lado com as actividades de turismo e de promoção do património da região, pessoas com deficiência, doenças mentais e desempregados de longa duração no mercado de trabalho, numa autêntica quinta terapêutica. Num formato que júri considerou “inovador”, o parque biológico inclui três museus que promovem as artes tradicionais e o património natural da região, um parque de vida selvagem e uma quinta pedagógica com centro hípico, entre outros espaços de contacto com a natureza e um hotel adaptado a pessoas com mobilidade reduzida.

O grupo Dançando com a Diferença venceu o prémio de Acessibilidade Física, dado o seu trabalho pioneiro em Portugal, na inclusão de pessoas com deficiência numa companhia de dança. “Inúmeros foram os artistas que tiveram as suas primeiras experiências com artistas com algum tipo de deficiência”, o que permitiu a mudança de mentalidades e a criação de novos espaços de dança inclusiva, referiu o júri.

Na categoria de Acessibilidade Social, os prémios foram para o grupo Comédias do Minho e para a Sociedade Artística Musical dos Pousos (SAMP). O primeiro diferenciou-se “pelas boas práticas” de levar o teatro a aldeias do Vale do Minho. O júri destacou que o projecto criou “uma vasta rede cultural”, que envolve políticos, trabalhadores na área da cultura e desenvolvimento local, artistas amadores, educadores e jovens. Em Leiria, a SAMP é uma sociedade cultural que tem desenvolvido uma série de projectos com idosos, crianças, reclusos e portadores de deficiência. Através da música, a associação promove a integração destes grupos excluídos na comunidade e dá-se a integrar noutras comunidades, como a cigana.

Fonte: publico.pt


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: