Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/11/2016

Secretarias se dedicam a ações de acessibilidade à cultura


um-dos-projetos-do-ministerio-aumenta-a-disponibilidade-de-obras-acessiveis-nas-bibliotecasUm dos projetos do ministério aumenta a disponibilidade de obras acessíveis nas bibliotecas

Ações de acessibilidade estão entre as prioridades de diferentes áreas do Ministério da Cultura (MinC). A Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural (SCDC) lançou, em parceria com a ONG Mais Diferenças, 25 livros adaptados a pessoas cegas ou com alguma deficiência visual.

“Essa iniciativa vai possibilitar a leitura de títulos importantes, como o Pequeno Príncipe, que serão produzidos em suporte de vídeo e áudio, com descrição de imagens, além de tradução de interpretação em libras. Dos títulos disponibilizados, alguns são de domínio público, o que facilita a inserção desses materiais e conteúdos em circulação”, afirma a secretária Renata Bittencourt.

Atualmente, a secretaria distribui esses títulos para bibliotecas públicas, com o intuito de contemplar deficientes visuais que, normalmente, ficariam apartados de atividades promovidas dentro das instituições. “A presença de obras acessíveis nas bibliotecas garante o acesso universal e o compartilhamento dessa experiência tão rica que é a leitura”, completa Renata.

A SCDC também iniciou ações de capacitação, com treinamento de equipes, em dez bibliotecas consideradas instituições de referência. Como parte desse programa, a secretaria forneceu um conjunto de materiais voltados à acessibilidade, como impressoras braile, iPads e computadores para que as tecnologias existentes possam aproximar públicos.

Tratado de Marraqueche

O papel do Ministério da Cultura na elaboração do texto do Tratado de Marraqueche e em ações de acessibilidade foi destacado pela secretária Renata Bittencourt. Ela lembrou o protagonismo do Brasil no tratado, o primeiro instrumento internacional da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (Ompi) voltado às pessoas com deficiência.

“Capitaneamos um processo de impacto global. Nosso País já tinha uma preocupação com a questão da acessibilidade dos textos impressos, e foi decisivo na elaboração do documento que vai pautar outros países sobre essa discussão”, afirmou a secretária.

“Com a ratificação do Tratado, ocorrida no último dia 30 de setembro, por parte dos 20 países participantes, a produção cultural passa a ser disponibilizada para um público amplo, em especial, os deficientes visuais. Temos 6,5 milhões de leitores potenciais que agora passam a ser considerados. Tecnologias como o braile, o suporte em vídeo da Língua Brasileira de Sinais (Libras), a fonte ampliada e ilustrações com destaque são alguns dos recursos dos livros acessíveis para fazer com que a produção literária de ficção ou histórica possa ser acessada por esses deficientes”, ressaltou Renata.

Fonte: Portal Brasil


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: