Publicado por: Ricardo Shimosakai | 24/08/2016

Good ol’ Sam: Dogs provided for deaf thanks to charitable travel club


Members of the national Good Sam Club from Alaska, Arkansas and Vermont rallied together this weekend to celebrate a success storyMembers of the national Good Sam Club from Alaska, Arkansas and Vermont rallied together this weekend to celebrate a success story

At the 2016 Alaska Good Sam Club Rally at Riverside RV Park in Houston on Friday, Two Rivers residents Mark and MaryAnn Carey and MaryAnn’s hearing dog, Jan, testified to the club’s dollars at work through Dogs for the Deaf, an Oregon-based nonprofit that placed Jan with MaryAnn last month.

“She’s working out great,” said MaryAnn’s husband Mark, of Jan.

Partnering in service

Dogs for the Deaf CEO Blake Matray said Jan is the first dog to be placed with a resident of interior Alaska — an accomplishment that would not have been possible without the partnership with Good Sam.

“Across the United States over the 25, 30 years that Dogs for the Deaf has been connected with Good Sams, the total donations from Good Sams … tops over $4 million,” Matray said, to “wows” from the crowd. “We all appreciate that very much.”

Since the organization was founded in 1977, Dogs for the Deaf has been entirely funded by private donations, 10 percent of which can be attributed annually to Good Sam clubs, Matray said. For the 2015 calendar year, the Alaska club ranked 10th in the nation for donations to Dogs for the Deaf. Matray specifically recognized the Northern Lights (Matanuska Valley) and Tundra Rollers (Fairbanks) chapters as “miracle makers” with “Pick of the Litter” and “Canine Friend” awards.

According to Alaska Good Sam Director and Northern Lights chapter member Darwin Fischer, the national club was started on the principle of “helping your fellow man” — much like the parable of the Good Samaritan, in which a religious man stops to help a traveler in trouble. More than its loosely biblical foundation, though, the club has become known simply as a charitable camping and traveling group. (Most members are retired and prefer to journey via RV, but membership is not dictated by age or ownership of an RV.)

Each of the 1,500 state clubs and chapters can choose which charities they support, Fischer said, but Dogs for the Deaf has become the national club’s focus.

“It’s a very reputable organization and it gives everybody a sense of accomplishment when a success story shows up,” he said.

How it works

Matray said it typically takes 4-6 months and about $24,000 to train one dog, at almost no cost to the recipient.

Dogs for the Deaf is based in Oregon, but anyone in the U.S. — and Puerto Rico — can apply for a hearing dog online or by phone for a nonrefundable $50. To determine qualification, applicants must first fill out and read the 24-page application packet, which includes questions regarding home environment, family support and the client’s ability to care for the dog independently on a practical and financial basis. The applicant must also send in a medically based audiogram reflecting their current level of hearing loss, which is then reviewed by audiologists and professionals who work with people who are deaf or hard of hearing.

Next, a Dogs for the Deaf associate conducts and records an in-home interview — with video — of the potential recipient, which is then viewed by more staff back in Oregon.

Meanwhile, up to 22 dogs are being trained at a time on the 40-acre facility, complete with indoor and outdoor runs as well as apartments for the trainers to stay and train the dogs in during their tenure. All dogs are rescue dogs that have been personally deemed suitable for training by Dogs for Deaf staff based on temperament and breed. Matray said the organization does not accept pitbull or rottweiler mixes, for example, due to the public stigma associated with those breeds.

“Some businesses obviously might be hesitant about letting those dogs in, but they’re required to do it under the (Americans with Disabilities) Act, so we try to avoid that. We try to not make it so that it’s difficult for our clients to work with the dog they’ve been given,” Matray said.

Recipients may request specific kinds of dogs in their application, but should know that placement will probably take longer, as the organization may not have a dog in training at the time of application that fits the client’s description.

Matray said it typically takes one year for a dog to be placed with a recipient.

About Jan and MaryAnn

Now a professor of American Sign Language at the University of Alaska Fairbanks, MaryAnn Carey has lived with hearing loss all her life. She said she had had two dogs before Jan, but neither were certified service dogs.

“We’ve trained dogs before … but it’s different having a certified service dog,” MaryAnn’s husband said.

One of the benefits, he said, is that Jan can accompany MaryAnn to school and public places. She’s also been trained to respond to specific types of sounds, like knocking on a door or a phone ringing. In each case, Jan will nudge MaryAnn until she notices, then lead her to the source of the sound, and sit. Jan can even discriminate ringtones so as not to alert her owner unnecessarily, though that sometimes happens. At the rally, for example, she noticed a Good Sam member’s phone buzzing and urged MaryAnn to answer it.

It will take some time for Jan to totally acclimate to her relatively new environment, but so far, MaryAnn said she was very happy for the help and companionship of her new dog.

“She’s been an answer to a real prayer for us,” Mark Carey said.

For more information about the Alaska Good Sam Club and its chapters, visit www.alaskagoodsamclub.com or www.facebook.com/alaskagoodsamclub.

To learn more about Dogs for the Deaf and other service dogs the organization provides, visit www.dogsforthedeaf.org.

Source: Frontiersman

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 24/08/2016

Tênis de Mesa. Paralimpíadas Rio 2016.


Um dos esportes mais tradicionais dos Jogos Paralímpicos, o tênis de mesa esteve presente em todas as edições até hojeUm dos esportes mais tradicionais dos Jogos Paralímpicos, o tênis de mesa esteve presente em todas as edições até hoje

COMO TUDO COMEÇOU

O tênis de mesa foi criado na Grã- Bretanha, no século XIX, como um jogo praticado por famílias aristocráticas. Em seus primórdios, quando chegou a ser conhecido como wiff-waff, caixas de charuto eram usadas como raquetes e livros serviam como rede. Tanto os equipamentos como as regras já haviam evoluído consideravelmente quando a Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF, em inglês) foi criada, em 1926. O esporte faz parte do programa Paralímpico desde a primeira edição dos Jogos, em Roma 1960. Atletas não cadeirantes só passaram a disputar a competição a partir de Toronto 1976. Competidores com paralisia cerebral foram incluídos em Arnhem 1980, e desportistas com deficiência intelectual passaram a fazer parte do programa em Sidney 2000.

SOBRE A COMPETIÇÃO

As regras e a dinâmica do tênis de mesa Paralímpico são semelhantes às do esporte Olímpico. A exceção é o saque, já que a regra permite que o atleta use uma só mão para levantar a bolinha e golpeá-la. Para os cadeirantes a exigência é outra: o saque deve ser direcionado para a linha de fundo da mesa, pois a movimentação é limitada. Os atletas estão divididos em 11 classes. O maior número da classe indica uma deficiência menor:

  • TT1 a TT5 – cadeirantes
  • TT6 a TT10 – andantes
  • TT11 – andantes com deficiência intelectual

VOCÊ SABIA?

No tênis de mesa Olímpico há uma hegemonia dos países asiáticos – sobretudo da China – no pódio. Nos Jogos Paralímpicos, a história é diferente. Neste caso, são os europeus que colecionam bons resultados, com destaque para alemães, franceses, suíços, britânicos, finlandeses e poloneses.

Para ter informações mais completas a respeito desta modalidade e qual a melhor maneira de assisti-la nos Jogos Paralímpicos, baixe o guia a seguir clicando no link Rio 2016. Guia do espectador – Tênis de Mesa

Fonte: Rio 2016

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/08/2016

Air Canada tells Toronto man his wheelchair is too big to fly


Tim Rose is assisted while boarding an Air Canada flight. The airline now says it cannot accommodate his wheelchair.Tim Rose is assisted while boarding an Air Canada flight. The airline now says it cannot accommodate his wheelchair.

A Toronto man is accusing Air Canada of discrimination after the airline told him he can’t take the flight he has booked to Cleveland next month because his wheelchair is too tall to fit on the plane.

Tim Rose has cerebral palsy. He works as a disability consultant, and often has to travel for business. But when he was following up on the flight with Air Canada on Sunday, Rose says airline staff told him he wouldn’t be able to bring his motorized wheelchair.

Rose says his wheelchair is a standard size, standing just under a metre, but the airline says the door to the cargo hold on the aircraft that is scheduled to make the Cleveland flight is about 13 centimetres shorter.

“I’ve travelled around 40, 50 times on planes in my life” said Rose, adding that he has never been turned away by an airline.

Rose says Air Canada staff told him his wheelchair counted as “oversized luggage” and it would not fit on the plane.

“I told them it was discrimination,” said Rose. “And they said, ‘No it’s not, it’s the same thing as if you had an oversized bag. If it doesn’t fit, it doesn’t fit.’

“Essentially what they’re saying is that my wheelchair, which is a part of my body, it’s a part of my dignity, it’s a part of my independence, is a bag … I am not an oversized bag.”

The Canadian Transportation Agency says that transportation service providers must “ensure that persons with disabilities have equal access to federal transportation services” and accommodate people with disabilities up to the point of “undue hardship.”

It’s unclear, however, whether that applies to Rose’s case. The agency, a quasi-judicial tribunal mandated to ensure that Canada’s national transportation system is accessible to everybody, has not weighed in.

Rose said that while there are laws protecting the rights of people with disabilities, this situation is a bit murky because Canadian laws don’t explicitly mention mobility devices.

Rose said that since he posted about his situation on social media, all the airline has done to get in touch with him is post publicly on Facebook.

Air Canada offering alternatives

The airline says it has offered Rose two options: he can either take a connecting flight on a plane that can accommodate his wheelchair or he can be flown out separately, so his wheelchair is transported on a different flight.

But Rose says these offers haven’t been made to him. And he said that taking a connecting flight isn’t a good option for him anyway because he also has a service dog, and transferring between planes takes extra time for him. In this case, he said it would be quicker for him to get a ride to Cleveland rather than take a flight with a layover.

An Air Canada representative has also said that the airline is looking at doing tests to see if there’s any way Rose’s wheelchair could be made to fit through the cargo door without causing damage.

“I don’t think Air Canada should be running any planes that cannot accommodate average-size mobility devices,” Rose said.

“Air Canada has a duty to service all passengers.”

Air Canada says it regrets the situation but that it is limited by the type of aircraft flown on the Toronto to Cleveland route.

“Air Canada carries thousands of customers with wheelchairs each year and we have extensive policies and procedures in place to accommodate customers with all kinds of disabilities,” said Air Canada spokesman Peter Fitzpatrick in an email to CBC News.

“We are in contact with the customer and continue to review this matter and if we cannot find a satisfactory resolution we will provide a full refund,” he said.

Source: CBC News

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/08/2016

O consumidor com deficiência


Muitos consumidores com deficiência só fazem compras em estabelecimentos acessíveis, mesmo que o concorrente tenha ofertas melhoresMuitos consumidores com deficiência só fazem compras em estabelecimentos acessíveis, mesmo que o concorrente tenha ofertas melhores

Pare e pense em seus clientes… Agora, pense em quantos clientes a mais você poderia atrair para consumir seus produtos ou serviços.

Se dissermos para você que existe uma fatia de mercado que não está sendo atendida justamente por não pensarem neles e que esses desejam consumir seus produtos e serviços, o que você nos diria?

Muitos estabelecimentos deixam de vender mais por não atender clientes em potencial, que podem e fidelizam mais rápido do que os demais clientes já atendidos apenas pelo fato de não oportunizarem o acesso necessário para o consumo de seus produtos e serviços.

Embora exista um investimento inicial para tornar seu estabelecimento acessível para o consumidor com deficiência, desde uma rampa de acesso, um banheiro acessível, um piso podotatil, a capacitação de seus vendedores em língua de sinais, um ajuste no layout como corredores mais largos entre as gondolas e araras, um cardápio em braile entre outros, investir em acessibilidade é investir no atendimento a um mercado negligenciado por muitos concorrentes, inclusive até por você!

Imagine uma família composta por uma mãe usuária de cadeira de rodas, seu marido e filhos. Todos decidem ir às compras! A mãe deseja renovar seu guarda roupa, mas tem dificuldade de encontrar estabelecimentos acessíveis. Quando encontra acesso para entrar, descobre que o departamento feminino está localizado no piso térreo ou superior, mas não há acesso adequado para ela. Quando há um elevador, encontra dificuldade para transitar entre os corredores e acessar o produto nas araras ou prateleiras. Caminhando mais um pouco em sua verdadeira odisséia para conseguir consumir as peças desejas para seu guarda roupa novo, se depara com provadores inacessíveis. Decepcionada, deixa de comprar e todos de sua família, incomodados também com a situação vivenciada pela mãe resolvem sair do estabelecimento para quem sabe consumirem em outro local que a atenda, eu diria, “os atenda”. No final das contas, quantas vendas foram perdidas pelo seu estabelecimento?

Pesquisam apontam que a cada uma pessoa com deficiência não atendida em estabelecimentos comerciais, de turismo ou lazer são na verdade perdidos em média 3 clientes em potencial. Vejam!!

Muitos são as dificuldades encontradas pelos consumidores com deficiência nos ambientes comerciais para terem acesso a produtos e serviços como as barreiras atitudinais, comunicacionais e arquitetônicas.

Apesar da legislação brasileira garantir a acessibilidade na oferta de produtos e serviços para pessoas com deficiência, percebemos que existe uma invisibilidade enfrentada pelo consumidor com deficiência cada vez mais ativo e com potencial de consumo crescente.

Antigamente, as pessoas com deficiência não tinham um potencial de consumo por não terem trabalho, leis e fiscalização que viabilizassem o acesso e a garantia de seus direitos.

Hoje o cenário mudou bastante com a Lei de cotas e a entrada dessas pessoas no mercado de trabalho. O avanço da tecnológico, da saúde e das políticas públicas voltadas para às pessoas com deficiência favoreceram o acesso, a participação e a permanência dessas pessoas nos mais variados locais da sociedade.

É preciso enxergar a pessoa com deficiência como um cliente em potencial. Não dá mais para a sociedade dizer a eles qual seria “esse lugar” que lhe pertence, nem tão pouco negligenciar seu poder de consumo e de participação na sociedade.

Cultuar a ideia de que a pessoa com deficiência ainda é aquela que recebe ajuda, merecedora da caridade alheia e sem muitas perspectivas educacionais, profissionais e de consumo é fomentar um mito e um retrocesso. Além disso, estamos deixando de enxergar oportunidades valiosas na relação consumidor-fornecedor e criando empecilhos para o exercício da cidadania e na garantia dos direitos a eles reservados.

Investir em um estabelecimento acessível trás benefícios a todos! Uma rampa e corredores mais largos são mais confortáveis e seguros para crianças, idosos, gestantes e pessoas com mobilidade reduzida. Um produto audiodescrito poderá atender não somente às pessoas cegas, mas também aos deficientes intelectuais, disléxicos, analfabetos e idosos. Uma equipe capacitada para saber como atender bem o consumidor com qualquer tipo de deficiência é considerado hoje, juntamente com as demais possibilidade de acesso, uma estratégia de mercado para um retorno que virá triplicado, pois o consumidor com deficiência deseja ir com sua família ou companheiro (a) a locais que saibam atendê-lo e o valorizam seu poder de consumo tanto quanto o de qualquer outro consumidor.

O empresário precisa ter uma visão que vá além do simples ritual de atender uma legislação e evitar uma multa. Priorizar o consumidor, apostando em soluções que não são de alto custo, analisando o custo-beneficio desse investimento incial trata-se de enxergar um mercado e possíveis negócios onde muitos concorrentes enxergam problemas, custos e assistencialismo.

Pense nisso!

Fonte: maxximiza


Pasarela en la playa del Zapillo (Almeria), playa con puntos de baño accesibles.Pasarela en la playa del Zapillo (Almeria), playa con puntos de baño accesibles.

El primer criterio que tienen en cuenta las personas con discapacidad a la hora de elegir su destino de vacaciones es que éste tenga una buena accesibilidad, algo que se convierte en su primer obstáculo porque la información existente es escasa o nula. “Las dificultades empiezan a la hora de planificar las vacaciones”, explica el presidente de la Confederación Española de Personas con Discapacidad Física y Orgánica (Cocemfe), Anxo Queiruga.

Este colectivo tiene problemas para saber los niveles de accesibilidad en los distintos destinos, ya que las empresas turísticas no facilitan estos datos, y aunque los obstáculos físicos de acceso cada vez son menores la información es “imprecisa o incorrecta”, según Queiruga. Para el presidente de la Comisión de Turismo del Comité Español de Representantes de Personas con Discapacidad (Cermi), Francisco Sardón “esto provoca que muchas de estas personas no vayan a numerosos destinos porque desconocen si son accesibles o no”.

En ocasiones, explica, los lugares tampoco tienen la accesibilidad que prometían, motivo por el que en la época estival se multiplica el número de quejas y denuncias sobre este asunto ante las asociaciones de consumidores. Aunque los accesos han mejorado, es extraño que un usuario pueda acceder a la información en braille –en el caso de los invidentes– o a la lectura fácil –si se trata de una persona con discapacidad intelectual– cuando viaja.

A las barreras físicas y arquitectónicas hay que sumarle las cognitivas y de compresión, que son las que afectan a los ciudadanos con discapacidad intelectual. Es frecuente que las empresas turísticas informen con símbolos del grado de accesibilidad, algo que estas asociaciones califican de “confuso”. Porque que un hotel cuente con el símbolo de la silla de ruedas, sólo significa que es accesible para quien la utiliza, pero en ningún caso supone que ese establecimiento turístico esté adaptado a otro tipo de discapacidades.

Para el arquitecto y especialista en accesibilidad Enrique Rovira-Beleta “fallan los detalles, tanto en la información, como en su ejecución y señalización”. “Aproximadamente el 60% de los espacios turísticos ofrecen un grado de accesibilidad básico”, pero “muy pocos” cumplen la normativa al cien por cien, denuncia Sardón.

Turismo accesible, pero pagando más

Son vacaciones que “tienen un sobrecoste del veinticinco por ciento” sobre las que disfrutaría cualquier persona sin discapacidad, asevera. Es decir que el turismo accesible se paga y, además, es más caro. El motivo es que la ley solo exige a los hoteles de cuatro o más estrellas cumplir con los requisitos mínimos de acceso. Esto hace que sean muchas las viviendas, espacios rurales u otros establecimientos, más baratos para el turista los que no cuenten con medidas de accesibilidad para este colectivo, que se ve obligado a realizar un mayor desembolso.

Lo mismo sucede con el ocio: apenas existen piscinas accesibles, gimnasios, discotecas, zonas deportivas o de juegos, etc, apunta el arquitecto Rovira-Beleta. Los restaurantes más “corrientes” tampoco suelen ser accesibles, a lo que se suma que el transporte no siempre está adaptado en las ciudades y les obliga a recurrir al uso del taxi.

Parece que ir a la playa es algo más sencillo para este colectivo, ya que en las 586 zonas donde ondea la bandera azul está garantizada la accesibilidad, aunque a juicio de Sardón aquí la información también es escasa.

En España existen varios ejemplos de ciudades que tienen un alto grado de accesibilidad como Barcelona, Valencia, Málaga, Tenerife, Oviedo, Sevilla o Madrid. Sin embargo, los expertos coinciden en que todavía queda camino por recorrer, ya que, en opinión del presidente de Cocemfe, “hace falta cultura de accesibilidad universal en España” y darnos cuenta de que esto beneficia a toda la sociedad.

Fuente: 20 minutos

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/08/2016

Pesquisa desvenda como seria o cinema para deficientes visuais


De acordo com o IBGE, existem cerca de 45 milhões de pessoas com alguma deficiência no Brasil, dentre as quais 35 milhões são deficientes visuaisDe acordo com o IBGE, existem cerca de 45 milhões de pessoas com alguma deficiência no Brasil, dentre as quais 35 milhões são deficientes visuais

Ao assistir um filme, aprendemos muito, ampliamos nosso repertório cultural, ficamos mais criativos e, principalmente, aumentamos nossa capacidade de sonhar. Nenhum de nós deveria estar excluído desse contato, nem mesmo as pessoas que não podem enxergar. Mas como proporcionar uma boa experiência cinematográfica para deficientes visuais?

O publicitário Diego Normandi realizou um estudo em que analisou tudo o que a lei brasileira diz sobre o assunto, conversou com cineastas, áudio-descritores, especialistas em acessibilidade, exibidores de cinema, distribuidores e, claro, com deficientes visuais para entender como as salas de cinema podem ser mais inclusivas e como o design pode ajudar nisso. O estudo se transformou na dissertação de mestrado “Design para acessibilidade: inclusão de pessoas com deficiência visual ao serviço de cinema”, defendida na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP este ano, sob orientação da professora Cibeli Haddad Taralli.

Diego se interessou pelo tema quando trabalhou numa campanha publicitária para inclusão de pessoas com deficiência. O seu próprio pai convive há 31 anos com deficiências motoras e diversas vezes deixou de frequentar muito lugares porque um corredor era muito estreito ou porque não havia elevadores para entrar no local, por exemplo. “Essas coisas nunca haviam me chamado a atenção, nem pareciam provocar algum tipo de indignação no meu pai, como se fosse normal todo esse modelo excludente”, conta.

Ele explica por que mudou do campo da publicidade para o do Design ao realizar sua pesquisa. “A publicidade orienta sua atuação no sentido de estimular a compra de artefatos, mas o design vai no sentido oposto, com foco na necessidade dos indivíduos”.

Dessa forma, sua investigação parte de perguntas como “quais dificuldades uma pessoa cega enfrenta ao ir ao cinema?”. O resultado é uma proposta para o serviço de cinema atual, que envolve tanto a acessibilidade da experiência em si, discutindo o uso de cães-guia, como também as etapas de divulgação e distribuição dos filmes, que precisariam passar por modificações.

A cadeia de produção e distribuição, por exemplo, precisaria de adequar ao uso de ferramentas de áudio descrição já conhecidas, como os aplicativos Whatscine e MovieReading. Essas tecnologias descrevem as informações das imagens que não podem ser percebidos somente pelos diálogos — expressões faciais e corporais dos atores; características do ambiente; figurino; efeitos especiais; e mudança de tempo e de espaço, por exemplo. Outros dados poderiam ser apresentados em aparelhos como Blitad, que exibem conteúdo em braile. Mas para isso, cada produção cinematográfica teria que passar por essa compatibilização.

Isso basta?

Essas modificações seriam possíveis e suficientes? Para entender isso, a pesquisa partiu para a elaboração de um mapa de stakeholders, ou um mapa de públicos-alvo, que é uma ferramenta de gestão para indicar os grupos de interesse de uma organização, projeto ou atividade econômica (no caso, o setor cinematográfico) e como todos esses atores envolvidos se relacionam (espectadores, produtores, exibidores, etc). Ele também fez um mapa de expectativas dos usuários e relacionou os dois. Um dos diagnósticos é o de que as ferramentas existentes são ainda muito dependentes de estímulos visuais, o que acaba excluindo pessoas com deficiência visual severa ou com múltiplas deficiências.

Diego acredita que os designers seriam profissionais fundamentais para resolver esse problema, mas ele também sabe que essas transformações dependem da criação de uma sociedade mais acolhedora. Para ele, a mudança passa tanto pela sensibilização dos agentes que financiam a cadeia cinematográfica, como também pela democratização da cidade, dos transportes urbanos e do acesso a locais públicos e de circulação do público.

Fonte: Ciência na Rua

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 21/08/2016

Voleibol Sentado. Paralimpíadas Rio 2016.


O voleibol sentado, disputado por atletas com dificuldades locomotoras, está nos Jogos Paralímpicos desde Arnhem 1980.O voleibol sentado, disputado por atletas com dificuldades locomotoras, está nos Jogos Paralímpicos desde Arnhem 1980.

COMO TUDO COMEÇOU

O voleibol sentado surgiu na Holanda nos anos 1950, combinando o voleibol Olímpico com um esporte alemão chamado “sitzball”. No entanto, sua popularidade só passou a crescer nos anos 1960. Competições internacionais começaram a ser organizadas a partir de 1967, e em 1978 o voleibol sentado foi aceito na Organização Esportiva Internacional para Deficientes (ISOD, na sigla em inglês).

O esporte entrou no programa Paralímpico nos Jogos de Arnhem 1980 e permanece na agenda dos Jogos Paralímpicos desde então. Até Sidney 2000, as competições eram divididas em duas categorias: sentado e em pé. A partir de Atenas 2004, as disputas ficam restritas ao voleibol sentado.

SOBRE A COMPETIÇÃO

Assim como no voleibol Olímpico, a partida é decidida em melhor de cinco sets. Vence a parcial quem fizer 25 pontos primeiro, e o tie-break vai até 15 pontos. O esporte possui duas grandes diferenças em relação ao voleibol Olímpico: o contato com o chão deve se dar por meio do glúteo em cada ação do atleta, e é permitido o bloqueio do saque adversário. É comum também vermos as pernas dos adversários se chocando durante a partida. Desde que não atrapalhe o oponente, o toque está liberado.

A quadra tem 60m2 (10m de comprimento e 6m de largura), e a rede está posicionada a 1,15m do chão no vôlei masculino. Já na competição feminina, a altura é um pouco menor: 1,05m.

VOCÊ SABIA?

Apesar de já ter conquistado nove medalhas no voleibol Olímpico, sendo quatro de ouro, o Brasil nunca subiu ao pódio no voleibol sentado. A maior potência no esporte é o Irã. A equipe masculina iraniana soma cinco medalhas de ouro e participou das últimas sete finais.

Para ter informações mais completas a respeito desta modalidade e qual a melhor maneira de assisti-la nos Jogos Paralímpicos, baixe o guia a seguir clicando no link Rio 2016. Guia do espectador – Voleibol Sentado

Fonte: Rio 2016

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 20/08/2016

Triatlo. Paralimpíadas Rio 2016.


O desafio de triatlo é completar a prova, que compreende 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida, no menor tempo possívelO desafio de triatlo é completar a prova, que compreende 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida, no menor tempo possível

COMO TUDO COMEÇOU

O primeiro triatlo documentado foi promovido em San Diego, na Califórnia (EUA), em setembro de 1974. A prova, que aconteceu em Mission Bay, consistiu em 5,63km de corrida, 8km de ciclismo e 548m de natação na baía. A partir daí, o esporte cresceu rapidamente e foi oficialmente incluído no programa Olímpico, a partir de decisão homologada no Congresso do Comitê Olímpico Internacional (COI) em 1994, em Paris. A estreia aconteceu seis anos depois, em Sidney 2000.

O primeiro Campeonato Mundial de triatlo para atletas com deficiência sancionado pela Federação Internacional de Triatlo (ITU, na sigla em inglês) ocorreu em 1996, em Cleveland (EUA). A primeira competição em Jogos Paralímpicos acontecerá justamente no Rio 2016, reproduzindo o evento Olímpico, mas com ajustes nas distâncias: 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida para atletas com diferentes deficiências. Em razão das curtas distâncias, o evento é conhecido como sprint triathlon.

SOBRE A COMPETIÇÃO

Como no triatlo Olímpico, o tempo passado nas transições – entre natação, ciclismo e corrida – é incluído no tempo geral da prova. Elas podem interferir diretamente no resultado final da competição, que tem como vencedor o atleta que completa o circuito primeiro. Em cada transição, os competidores podem contar com o auxílio de ajudantes, que são escolhidos pelos próprios atletas e devem estar devidamente identificados. Existem cinco classes no triatlo Paralímpico. Nos Jogos Rio 2016, haverá eventos de três classes para os homens (PT1, PT2 e PT4) e de três para as mulheres (PT2, PT4 e PT5).

VOCÊ SABIA?

O vácuo é uma técnica de ciclismo, onde os competidores pedalam imediatamente atrás um do outro, para aproveitar o vácuo gerado. Esta técnica é proibida no triatlo Paralímpico.

Para ter informações mais completas a respeito desta modalidade e qual a melhor maneira de assisti-la nos Jogos Paralímpicos, baixe o guia a seguir clicando no link Rio 2016. Guia do espectador – Triatlo

Fonte: Rio 2016

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 19/08/2016

Disabled toilets: how to have a successful ‘comfort break’


Clos-o-Mat accessible disabled toiletClos-o-Mat accessible disabled toilet

If you have a disability, going anywhere, even for a coffee in town, let alone a proper day out, is complicated by the availability – or lack thereof – of suitable toilets. So we’ve asked accessible bathroom specialist Clos-o-Mat for its top tips on finding and using disabled toilets when out and about.

We all go to the loo on average 8 times a day, so the chances are that when you’re away from home you’ll need a ‘comfort break’.  Yet practical experience tells you that too many supposedly accessible toilets – ambulant and wheelchair – aren’t properly accessible, even if you can ‘go’ on your own. If you need help, the problem is exacerbated.

Maybe more building designers need to spend a day in a wheelchair to see what it’s like trying to even get into a supposedly wheelchair-accessible loo, let alone use it!

But there is change afoot. Yes, too many public conveniences are being closed, supposedly through lack of funding. However, venues are slowly becoming more aware of their need to apply accessibility throughout a building, including in the toilets, and are investing in better and more appropriate facilities.

And they’re looking at what different options there are for disabled toilets too: ambulant accessible (i.e. for those with limited mobility but able to walk), wheelchair accessible, Changing Places and Space to Changes.

Now, before I go on, let me just explain what Changing Places and Space to Change toilets are for those of you who haven’t heard of them.

Changing Places toilets

Changing Places toilets are the most desirable type of disabled toilets for public places under Building Regulations and British Standards.

They should, according to the standard, be fitted in addition to conventional wheelchair-accessible toilets, be 12m2, and include an adult-sized, height adjustable changing bench, ceiling track hoist and privacy screen.

Space to Change toilets

Space to Change toilets plug the gap between conventional (Building Regulations Approved Document M 2013) wheelchair-accessible toilets, and the desirable larger and better equipped Changing Places toiles.

The concept has been developed to ensure that the personal hygiene needs of up to 3 million British children and adults who need changing and lifting facilities for their personal care are met when away from home, as much as possible. It encompasses a 7.5m2+ (3m x 2.5m minimum) wheelchair-accessible toilet that further includes an adult-sized changing bench and a hoist.

Having and advertising disabled toilets

Legally, anywhere that serves food and drink and has seating for more than 10 people has to provide toilet facilities for customers. If space is an issue, restricting provision of the ‘full range’ of toilets, then British Regulations say that, if nothing else, a wheelchair-accessible toilet should be provided.

Some venues promote their provision of accessible toilets, others don’t. And if a venue does have one, it may also have a bench and hoist. But again, these provisions are not always something venues promote.

Leicester is probably one of the most ‘switched-on’ cities for accessibility: it not only has 10 Changing Places in and around the city, it is leading by example in terms of telling people. It has produced a little map available from tourist Information that details where they are.

The motorway service chains are supposedly collaborating to develop a network of strategically located Changing Places at their sites. The British Toilet Association is working on one, single, definitive ‘app’ that should pull together all public conveniences, and ones in tourist attractions etc, but inevitably that will take time.

So, until all locations have an accessible toilet within a stone’s throw, here are some handy ways to make your time away, and trip to the loo, easier.

Tips to make your toilet break comfier

Some time spent on forward planning is essential for a successful venture out, unless you have a strong, well-trained bladder and bowel.

Go online to locate disabled toilets

If you have access to a computer, spend a few minutes checking out where you are planning to go, and what facilities are there for you to ‘go’.

There are numerous resources available online that are trying to address the situation. Euan’s Guide, The Great British Toilet Map, Changing Places, and our own Clos-o-Mat website all have maps and details of where there are accessible toilets. But there isn’t one definitive reference source that covers all the types of disabled toilet.

Call the place you’re going to visit

Often, a quick telephone call or email will give additional detail that could make all the difference. Some Marks & Spencer stores, for example, have wheelchair-accessible toilets that offer separate facilities for left and right-hand transfer, but there are no, to our knowledge, facilities there with an adult-sized changing bench or hoist.

You know what you specifically need, so use that call to ask pertinent questions: Where is it? How do I get to it? How do I access it? Those are the obvious questions.

Can you access it seems like an odd one, but we’ve all seen social media posts where the ‘accessible’ toilet is being used as a store room!

But is it a peninsular toilet you need? If yes, then ask specific questions. Is it set to the left or right? Does it have a hoist? If so, what sling does it take?

Can you make the most of what’s there?

If the facilities where you want to go aren’t quite what you need, can you plan ahead to take what you need to make the most of it? If you know what to expect, you can to an extent manage your trip accordingly. That simple question about toilet location for example: if it’s not peninsular, can you manage to access it from the opposite side to usual?

Leave feedback!

Take a minute to let them know, either whilst you’re there or when you get back home, whether the toilet was as it should be. As a nation we don’t complain, equally we don’t praise! If you don’t tell people what you need, how can they change it for the future?

They may not realise how a pull cord is tied up out of the way impacts on your ability to safely use the loo, or if a grab rail is just out of reach. Hopefully they’ll know for next time, and you can relax knowing at least one venue where you can go to the loo.

Or if they’ve got it right, tell them. And tell your friends. Pop a review onto Euan’s Guide or social media. It’s surprising what a reaction that can have. We know of instances where a simple post on Facebook about lack of suitable facilities – in this case specifically a Changing Places – has prompted a household name to promise to review its accessible toilet provision.

We’ve been working with Changing Places and Space to Change campaigners and produced a ‘calling card’ to encourage providers to do just that – provide!

The calling card contains the simple message: you would have had a wonderful time at the venue/location, but if only they’d had suitable toilets. Could they therefore please consider providing a bench and hoist, ideally a Changing Places or Space to Change system. It even has a picture on the reverse to show them what you mean! All you need to do is add your contact details and hand it in.

You can easily download it from the Clos-o-Mat website and start encouraging venues to make a change to make your comfort break better.

Source: Disability Horizons


Os dois programas oferecem brincadeiras e jogos às famílias nas manhãs de domingo.Os dois programas oferecem brincadeiras e jogos às famílias nas manhãs de domingo.

Crianças e adultos com deficiência, moradores da Regional CIC, desfrutaram de uma manhã espacial neste domingo (31). Em uma iniciativa da Prefeitura de Curitiba, elas participaram da primeira ação de auxílio transporte, que disponibilizou um micro-ônibus adaptado do programa Acesso para que pudessem conhecer e participar das diferentes atividades inclusivas promovidas pelos programas Ciclolazer e Inclusão Mais Bici, na Praça Nossa Senhora de Salete, no Centro Cívico.

Os dois programas oferecem brincadeiras e jogos às famílias nas manhãs de domingo. O skate adaptado é um deles, e permite que crianças com deficiência motora possam experimentar o equipamento. As bicicletas tandem, com dois e três lugares, permitem que cegos experimentem a sensação de pedalar, em companhia do guia ou acompanhante. As experiências também podem ser vividas pelos usuários de cadeira de rodas, com o uso da handbike.

“Parece que a gente tá flutuando”, exclamou dona Julia Twureck, de 73 anos, ao experimentar uma volta de skate na pista especial para pessoas com deficiência. Sem poder andar há pouco mais de um ano, vítima de um AVC, ela participou da programação acompanhada do marido Leônidas. Aproveitando a estrutura, que consiste em um sistema de suspensão por correias acolchoadas semelhante a uma tirolesa, ela também deu alguns passos. “Nunca imaginei ter esta oportunidade. Foi um dia especial”, disse.

“Uma experiência incrível para minha filha, que pode visitar esta praça pela primeira vez. Sem o transporte especial seria muito difícil, já que pra vir até o centro da cidade dá sempre muito trabalho e a gente acaba desistindo de sair”, relatou Carina Aparecida Ramos, mãe da Evelyn, de 10 ano, cadeirante e também deficiente visual. Segundo ela, a ideia é aproveitar as próximas oportunidades.

Ao todo, o micro-ônibus do programa Acesso trouxe 16 pessoas, entre deficientes e acompanhantes, num trajeto de aproximadamente 15 quilômetros desde a Regional da CIC. “Meu filho ficou muito feliz e eu também, por ver ele sair de casa e ter um pouco de lazer. A gente mora longe e seria muito difícil vir sem transporte especial”, observou Renata Sansão, mão do pequeno Alex, de 11 anos, que é cadeirante e não possui qualquer coordenação motora. “Sem este apoio dificilmente a gente sairia para passear. Nos deslocarmos para longe é demorado e trabalhoso”, comentou Marcos Henrique Oliveira, cadeirante e morador da CIC.

Fonte: Bem Paraná

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 23.101 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: