Publicado por: Ricardo Shimosakai | 27/02/2017

La tecnología, al servicio de la accesibilidad universal


el-mouse-over-o-los-mandatos-de-voz-son-algunas-de-las-aplicaciones-en-las-que-se-esta-trabajandoEl ‘mouse over’ o los mandatos de voz son algunas de las aplicaciones en las que se está trabajando

La tecnología contribuye a la accesibilidad universal en una doble vertiente, tanto digital como en los espacios físicos, donde el gran reto es el guiado, a modo de GPS en interiores, según expuso Lourdes González, directora de Desarrollo de Negocio y Conocimiento de Ilunion Tecnología y Accesibilidad, en su intervención en la mesa redonda sobre ‘Accesibilidad digital’ celebrada en el marco del Congreso Mundial de Destinos Inteligentes de Murcia.

El viajero con discapacidad, según ha señalado Martin Heng, consejero editorial y director de Turismo Accesible de Lonely Planet, “necesita más información para organizar su viaje, por lo que es muy importante que las webs sean accesibles”. En este sentido Lourdes González ha recordado que las páginas de las Administraciones públicas han de serlo por ley y que en 18 meses se traspondrá la directiva europea que atañe a las aplicaciones móviles.

Pero sus necesidades no se quedan ahí y las empresas del sector están trabajando en aplicaciones que potencien esa accesibilidad, como el ‘mouse over’, que permite al sistema leer la pantalla por donde pasa el ratón, como ha explicado Toni Raurich, director de Alianzas Estratégicas para EMEA (Europa, Oriente Medio y África) de Booking. com. “Esto en Estados Unidos, que está establecido por ley, funciona muy bien, aunque no está lo suficientemente extendido, por lo que le resta consistencia. Además no es muy estable, de manera que al final resulta un parche”.

Por ello ha destacado que la evolución nos lleva a “poder hablar con los ordenadores, porque es el modo natural en el que debería funcionar la tecnología para que fuera más humana y más accesible. La evolución de la tecnología debe permitir acercarla a todos, independientemente de su capacidad. Aunque aún queda mucho por hacer, podemos estar satisfechos con lo que se ha hecho ya”.

Además, para que esa información sea accesible también para las personas con discapacidad intelectual, en portales especializados como TUR4all, web y app móvil creadas por PREDIF en colaboración con la Fundación Vodafone donde los propios usuarios pueden opinar, recomendar y comentar su experiencia, toda la información es descriptiva, traducida a 11 idiomas y de lectura fácil. Este método de redacción, según ha puntualizado Tatiana Alemán, directora técnica de PREDIF, “es el utilizado en bibliotecas del norte de Europa con técnicas y metodología que facilitan su accesibilidad a las personas con dificultades cognitivas; además de que nuestro cuestionario está validado por personas con discapacidad intelectual”.

En Ilunion, como ha apuntado Lourdes González, “también redactamos los textos en lectura fácil y utilizamos pictogramas para facilitar la accesibilidad cognitiva urbana, de manera que las personas con discapacidad puedan desenvolverse mejor en entornos urbanos gracias a estos pictogramas”.

Brecha digital

Diego González, presidente de Red Estable, que integra 150 organizaciones directas y 450.000 indirectas en su objetivo de aunar dentro de una única entidad a todos los agentes con implicación directa en turismo accesible, advierte de la discapacidad digital y de la necesidad de “crear programas para romper esa brecha digital, no sólo de las personas con discapacidad sino también de las personas mayores que por ejemplo no saben utilizar un cajero automático”.

Por ello, añade, “preguntamos al sector, concretamente a 42 turoperadores internacionales especializados en turismo accesible, porque la información que requiere un alemán no tiene por qué coincidir con la de un español, y el objetivo es facilitar la información pensando en el mercado”.

Precisamente las grandes compañía internacionales se encuentran con “dificultades para aplicar las mismas medidas de forma global porque las distintas regulaciones existentes nos impiden actuar de una manera uniforme”, según ha afirmado Raurich, quien solicita “una homogeneización de las leyes en este ámbito”.

Idiomas

La tecnología también ayuda a resolver limitaciones como las que provoca la falta de conocimiento de idiomas. Así, Red Estable está trabajando en un sistema que traduce automáticamente los textos a varios idiomas, también disponible desde el móvil. Y es que, como ha subrayado Diego González, “hay que enfocar la cuestión desde el punto de vista del turista”.

Por su parte los textos de Booking, en palabras de Raurich, “se escriben en un inglés que sería comprensible en un 98% para un nivel de sexto de primaria por el modo de redacción y la longitud de palabras y frases. A partir de ahí se escribe en 41 idiomas con estas mismas normas y desde su idioma, no es una mera traducción del inglés. De este modo solucionamos un problema global desde un punto de vista local”.

Normalización del turismo accesible

Pero la normalización del turismo accesible pasa, según ha destacado Tatiana Alemán, “por que la información disponible para personas con discapacidad se encuentre en las mismas webs que para el resto de turistas, sin distinción. No queremos ser un gueto”. Es lo que Diego González ha definido como “comunicación y accesibilidad universal. Debemos involucrar a las Administraciones para que integren esa información, de manera que todos puedan utilizar los mismos canales”.

De hecho el proyecto Spain is accesible va en este sentido, según ha indicado el presidente de Red Estable: “una web y app móvil abiertas de destinos españoles con información y búsquedas, también por tipo de discapacidad. El objetivo por el que trabajamos es que se integre toda esta información con otras webs y canales donde consultan los turistas. Nuestra filosofía es accesibilidad universal para todos”.

En este sentido Mari Satur, directora de Innovación de la Fundación Vodafone, aboga por “no dejar fuera a una demanda que existe y que también beneficia a los que ya participan del mercado turístico”. Coincide así con Tatiana Alemán, que recuerda que “la accesibilidad no es exclusiva de las personas con discapacidad y beneficia a todos. Además los productos accesibles consiguen un mejor posicionamiento en Google y por tanto mejoran su marketing digital, suponiendo así una ventaja competitiva para las empresas”.

Fuente: hosteltur


acessibilidade-para-turistas-e-precaria-no-brasil-diz-empresario-de-turismo-cadeirante‘Acessibilidade para turistas é precária no Brasil’, diz empresário de turismo cadeirante

O brasileiro Ricardo Shimosakai já visitou 25 países e mais de 200 destinos turísticos, mas, às vezes, o mais difícil é viajar em seu próprio país.

Ele tornou-se cadeirante em 2001, após levar um tiro em uma tentativa de sequestro. Hoje, é agente de turismo especializado em elaborar viagens para pessoas com mobilidade reduzida.

Ricardo acredita que todo turista – seja qual for sua limitação – deveria ser capaz de visitar os locais que quisesse e não apenas destinos com bons padrões de acessibilidade. Mas isso é mais simples na teoria do que na prática.

“Uma vez, voando de volta da Argentina, tive de ficar dentro do avião por mais de uma hora, porque a empresa não tinha ninguém para me ajudar a desembarcar”, diz ele.

ricardo-quer-melhorar-a-experiencia-de-turistas-com-mobilidade-como-eleRicardo quer melhorar a experiência de turistas com mobilidade como ele

O pior é que não se tratou de um incidente isolado, afirma Ricardo, mas de algo que ocorre com frequência com cadeirantes em voos no Brasil.

‘Não são vistos como consumidores’

Uma das principais diferenças com os Estados Unidos e países europeus é que os aeroportos brasileiros não têm um serviço para ajudar quem usa cadeira de rodas.

A tarefa cabe às companhias aéreas, e as equipes de algumas delas são mal treinadas. Por isso, ser bem atendido vira uma questão de sorte. “No Brasil, a acessibilidade é muito precária”, resume Ricardo.

A acessbilidade na Europa e nos EUA é muito melhor do que no Brasil, diz o agente de turismo

E não são apenas os aeroportos e aviões que estão abaixo dos padrões internacionais. Toda a infraestrutura de turismo é precária, mesmo em grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro.

Ricardo conta ter recebido um pedido de pacote para um grupo de 22 pessoas vindas de Israel – 10 das quais eram cadeirantes.

a-acessbilidade-na-europa-e-nos-eua-e-muito-melhor-do-que-no-brasil-diz-o-agente-de-turismoA acessbilidade na Europa e nos EUA é muito melhor do que no Brasil, diz o agente de turismo

“Não há uma empresa de transporte no Brasil que atenda 10 pessoas em cadeiras de rodas ao mesmo tempo. Nenhum hotel conseguiria hospedar a todos. Tivemos de dividi-los entre três hotéis, que ficavam distantes uns dos outros. Nunca mais o grupo entrou em contato comigo”, afirma Ricardo.

Por outro lado, se as mesmas pessoas quisessem ir para a França, Ricardo poderia oferecer um atendimento bem melhor.

Ele tem um roteiro para grupos de até 14 cadeirantes, em que todos são transportados no mesmo ônibus, visitam as atrações juntas e passam a noite no mesmo hotel.

‘Obrigação ou pena’

A luta por melhorias acabou fazendo parte de seu trabalho. Para poder oferecer bons pacotes turísticos, depende da estrutura existente de aeroportos, empresas de ônibus ou hotéis.

ricardo-costuma-levar-grupos-a-paris-onde-ha-mais-facilidade-para-turistas-com-mobilidade-limitadaRicardo costuma levar grupos a Paris, onde há mais facilidade para turistas com mobilidade limitada

O contato com empresários e autoridades para pedir melhorias é constante – e Ricardo já ganhou prêmios por causa do seu trabalho.

“No Brasil, pessoas com deficiência só recebem ajuda por obrigação ou pena. Ninguém as vê como consumidores, como ocorre no exterior. Outros países faturam bilhões de dólares oferecendo serviços para esse público. Mas aqui não.”

Estima-se que mais de 24 milhões de pessoas tenham algum tipo de deficiência no Brasil. As estatísticas mostram que elas têm uma situação econômica delicada – a taxa de desemprego é maior entre elas e os níveis de educação, mais baixos.

“Mesmo que você tenha dinheiro, muitas coisas são negadas a quem tem deficiência”, diz Andrea Koppe, da Unilehu, organização sem fins lucrativos dedicada a pessoas com deficiência.

“Algumas escolas não aceitam crianças com necessidades especiais, dizendo não ter o preparo ou a especialização necessários. Pais precisam pagar uma taxa extra por um tutor especial, no caso de estudantes com problemas de visão.”

Ação afirmativa

O Brasil vem tentando mudar essa situação com ações afirmativas. Desde 1991, a lei exige que, em empresas com mais de cem funcionários, ao menos 2% sejam pessoas com deficiência.

rota-acessivel-ricardo-subiu-ate-machu-picchu-como-parte-de-seu-trabalho-de-pesquisaRota acessível? Ricardo subiu até Machu Picchu como parte de seu trabalho de pesquisa

Andrea Koppe diz que, ao longo de 20 anos, isso ajudou a transformar várias pessoas com deficiência, que antes eram ignoradas por lojas e companhias, em em consumidores de fato. O número de pessoas com deficiência no mercado de trabalho subiu de 15 mil para 350 mil.

Ainda assim, ela diz que, se a legislação fosse seguida à risca, esse número deveria ultrapassar 1 milhão. Há 11 milhões de pessoas com deficiência em idade de trabalho, e a maioria está desempregada.

Ricardo diz que ainda há muito trabalho a ser feito. Ele tenta convencer autoridades sobre a importância de criar regulamentações.

O país está prestes a privatizar alguns de seus aeroportos. O agente de turismo gostaria que os contratos de concessão exigissem a presença de empresas especializadas em atender passageiros com deficiência, como em outros lugares.

Mas, com base em sua própria experiência, a maioria dos negócios não estão dispostos a promover mudanças.

A cadeira de rodas que ele usa foi dada por uma empresa área como compensação, após a cadeira que tinha ter sido danificada porque a equipe de voo não tinha preparo nem meios para transportá-la adequadamente.

“Tentei dialogar com eles”, conta Ricardo. “Mas, em vez de treinar seus funcionários, eles acharam mais fácil comprar uma cadeira nova. Eles não querem mudar.”

Fonte: BBC Brasil


fa-de-automobilismo-e-esportes-radicais-croizon-participa-agora-da-competicao-que-percorre-estradas-do-paraguai-bolivia-e-argentinaFã de automobilismo e esportes radicais, Croizon participa agora da competição que percorre estradas do Paraguai, Bolívia e Argentina

Sem limites na água, no céu e também na terra.

Assim pode ser definido o francês Philippe Croizon, primeiro piloto sem braços e pernas a participar da mais difícil e longa prova motorizada do mundo, o Rali Dakar, que começou há dois dias no Paraguai.

Com a nova empreitada, o atleta de 48 anos, que já recebeu o título de Cavaleiro da Legião de Honra da França, demonstra querer de novo se superar.

Depois de saltar de paraquedas a mais de 4 mil metros de altura, atravessar o Canal da Mancha e fazer a travessia dos cinco continentes a nado, Croizon agora vai cruzar um deles sobre quatro rodas.

Não tem sido um desafio simples, por causa da logística e da dificuldade de competir nas dunas e estradas que cortam o Paraguai, a Bolívia e a Argentina.

Cruzar a linha de chegada em Buenos Aires, no dia 14 de janeiro, é seu sonho.

Mas ele já cumpriu o primeiro objetivo: estava na largada do rali.

O começo

O atleta francês não é deficiente físico desde o nascimento.

Sua vida mudou aos 26 anos, depois de um acidente trágico em que sofreu ferimentos tão graves que foi necessário amputar seus membros.

Em 5 de março de 1994, o então metalúrgico subiu no telhado de casa para arrumar a antena de TV. Ele recebeu duas descargas elétricas de 20 mil volts, que provocaram queimaduras graves e uma parada cardíaca.

Croizon ficou três meses no hospital, onde passou por várias operações.

“Primeiramente, eu sou Philippe Croizon”, diz ao apresentar-se. E, só depois, acrescenta: “Sou deficiente físico”.

Mas sua transformação em adepto de esportes radicais e exemplo de superação não aconteceu da noite para o dia.

Foi um longo processo, que começou quando ele estava no hospital, dois meses depois do acidente.

Do leito, ele viu na TV a história de uma francesa que cruzara o Canal da Mancha a nado e se perguntou: “Por que não faço isso?”

Passaram-se 14 anos até que ele pudesse começar a treinar. Depois disso, nada mais foi capaz de pará-lo.

Após cruzar o Canal da Mancha, o francês decidiu unir os cinco continentes a nado – desafio que completou em 2012.

A ‘loucura’

Amante das competições automobilísticas, há pouco mais de um ano ele estabeleceu seu novo desafio: competir no Rali Dakar.

As pessoas mais próximas achavam uma loucura alguém sem braços nem pernas pilotar um veículo em uma prova tão difícil quanto essa, que desde 2009 é disputada na América do Sul.

O patrocínio da aventura conta em muito com a colaboração doo príncipe Nasser al Attiyah, do Catar, vencedor do rali em 2011 e 2015.

“Sempre comparo a deficiência física com o esporte de alto nível”, disse ele à BBC.

“O deficiente também luta por um resultado e para se superar, por exemplo, quando consegue pôr as meias sozinho.”

Equipe de peso

Philippe Croizon terá como copiloto Cédric Duplé em um buggy adaptado da equipe do francês Yves Tartarin, um experiente corredor que disputou o Dakar 18 vezes desde 1988.

O sistema de direção é idêntico ao que Croizon tem no seu próprio carro.

“Controlo tudo com o braço direito. Com o esquerdo quase não faço nada, só acendo os faróis e um pouco mais”, contou em entrevista ao jornal espanhol “Marca”.

“Tenho um controle que uso para acelerar, frear e girar o volante. É como jogar videogame em uma tela gigantesca”, brincou.

Até o momento, ele cumpriu a primeira etapa e completou o trecho entre as cidades de Assunção, no Paraguai, e Resistencia, na Argentina.

Foram os primeiros 454 km do total de 9 mil km da prova.

“O acidente mudou tudo, mas gosto da minha vida, consegui fazer algo. Sou independente e esta é a minha meta.”

Fonte: G1

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 25/02/2017

Carnaval acessível em São Paulo


carnaval-acessivel-tera-audiodescricao-e-libras‘Carnaval Acessível’ terá audiodescrição e Libras.

Os desfiles das Escolas de Samba do grupo especial no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, nesta sexta-feira, 24, e neste sábado, 25, terão recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência visual e auditiva. A ação inclusiva é organizada pela Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED), com o apoio da São Paulo Turismo (SPTuris)

O ‘Carnaval Acessível’ terá audiodescrição e interpretação em Língua Brasileira de Sinais (Libras). A capital paulista tem, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2,7 milhões de cidadãos com deficiência. Desse total, 346 mil são pessoas com deficiência visual e 120 têm deficiência auditiva.

Acompanhe os vídeos com tradução para Libras dos sambas-enredos de 2017 das 14 escolas do grupo especial.

Fonte: Estadão

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 24/02/2017

The top locations in London for disabled travellers


if-youre-planning-on-venturing-out-to-london-with-someone-who-needs-wheelchair-access-we-have-a-series-of-attractions-worth-consideringIf you’re planning on venturing out to London with someone who needs wheelchair access, we have a series of attractions worth considering.

After all, not all attractions accommodate disabled visitors in the same way. Naturally, there are some that are just going to be out of range for a lot of travellers. Thankfully, London is a place that’s open to all cultures and people; and that’s reflected in many of the attractions facilities and extra services.

London continues to improve its accessibility across many of its transport services. London taxi tours, the original tour’s buses, and the London Walks’ tours are all wheelchair user accessible. The city cruises boats, who offer whirlwind adventures along the river bank, are also available for wheelchair users.

And the same goes for the accommodations; the Park Grand London Hyde Park Hotel is a prime example of this with its 24-hour room service, concierge, and an in-house restaurant. The hotel is found just a 6 minute walk away from Paddington station too; making it easy for travellers to walk around central London. Besides, with the Paddington found nearby, guests can take high speed express rail links and get to Heathrow in just 15 minutes.

Interestingly, the guide tours and talks from the Tower of London, the National Portrait Gallery, and the science museum – are given in British sign language.

Although St Cathedrals has two entrances accessed by 24 steps, you will find direct access to the upper floors via the lift. The British Museum is also similar and offers free access to disabled travellers. The beautiful Kensington Palace allows for physical accessibility from Kensington gardens to the palace, and there is lift access to all floors. And the Accommodation Hyde Park London nearby is the best in terms of location and luxury.

Leave your hesitations about travelling with someone who needs wheelchair access behind. The truth is, London is one of the best places to venture to if you’re looking to experience a great holiday with someone who needs wheelchair access. Whatever the conditions we have, whether they mental, physical, or psychological, if anything – travelling to a new country is only going to help us. After all, a new environment can invigorate us with new inspiration, ideas, and bring a certain vibrancy back to our lives.

Source: Park Grand

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 24/02/2017

Projeto bibliotecas acessíveis capacita bibliotecários


recursos-de-acessibilidade-em-bibliotecas-serao-tema-de-workshopsRecursos de acessibilidade em bibliotecas serão tema de workshops

Em janeiro, foi assinado na Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo (SEDPcD), um contrato para realização de uma série de workshops para bibliotecários. A ação será realizada pela organização social Mais Diferenças, que venceu pregão eletrônico para atender a parte do projeto “Bibliotecas Acessíveis”, da SEDPcD, aprovado pelo Fundo de Defesa dos Interesses Difusos (FID), da Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo.

Em 2016, a Secretaria promoveu concurso para selecionar projetos de bibliotecas públicas interessadas em receber equipamentos de tecnologia assistiva capazes de assegurar o acesso à leitura para pessoas com deficiência visual e motora. Ao todo, 55 municípios foram agraciados e 62 bibliotecas públicas do Estado de São Paulo ganharam kits de equipamentos acessíveis. A segunda parte do concurso é capacitar os bibliotecários para uso dos equipamentos.

Serão oito workshops para capacitação e treinamento de serviços bibliotecários realizados nos municípios de São Paulo, Sorocaba, Campinas, Itanhaém, Bauru, São José do Rio Preto, Sertãozinho e Presidente Prudente.

Os workshops terão 3 eixos temáticos: questões relacionadas à pessoa com deficiência; acessibilidade em bibliotecas; e tecnologia assistiva.

Clique aqui para conhecer os equipamentos e a lista das 62bibliotecas agraciadas

Fonte: PcD

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/02/2017

Turismo accesible contará con nueva norma internacional ISO 21902


el-turismo-accesible-es-la-respuesta-al-derecho-universal-de-todos-a-viajar-y-descubrir-el-mundoEl turismo accesible es la respuesta al derecho universal de todos a viajar y descubrir el mundo

El turismo accesible contará con una norma internacional impulsada por Fundación ONCE, la Asociación Española de Normalización (UNE) y la Organización Mundial del Turismo (OMT). Las tres entidades, reunidas esta semana en Madrid, sostuvieron la primera reunión de trabajo para desarrollar un estándar internacional en materia de accesibilidad.

Está previsto que sea aprobado en 2018 después de alcanzar un consenso a nivel del ISO, y se publique a lo largo de 2019. La nueva norma se llamará ISO 21902.

Según informaron las entidades implicadas, el Comité técnico TC 228 encargado de turismo y servicios relacionados en el marco de ISO (Organización Internacional de Normalización) desarrollará un estándar internacional global y transversal que incluya, en primer lugar, un inventario sistemático de los estándares, los criterios técnicos, las recomendaciones y los requisitos ya existentes en el ámbito de turismo accesible.

Además, se sugerirán recomendaciones y requisitos para aquellos segmentos de la cadena de valor y actividades relacionadas, cuya estandarización internacional en materia de accesibilidad sigue pendiente.

La futura norma se denominará ‘ISO 21902. Turismo y servicios relacionados. Turismo accesible para todos. Requisitos y recomendaciones’ y ofrecerá directrices claras para la planificación del turismo y la gestión de destinos.

Para Jesús Hernández, director de Accesibilidad Universal e Innovación de Fundación ONCE, la nueva norma supondrá “una palanca para que promover el diseño para todos en un sector económico tan importante como el turístico a nivel mundial. El ocio y el disfrute de la cultura y el turismo son un derecho de las personas con discapacidad, que en muchos casos no pueden disfrutar de él. Lo que supone una discriminación. Además, desde el punto de vista económico la actividad turística pensada para todas las personas supone una fuente de creación de riqueza”.

Por su parte, Márcio Favilla, Director Ejecutivo de la Organización Mundial del Turismo (OMT), destaca que la accesibilidad universal es un derecho y una oportunidad de negocio para destinos y empresas. “El turismo accesible es la respuesta al derecho universal de todos a viajar y descubrir el mundo. A la vez es una oportunidad para el sector turístico de captar un mercado global que incluye millones de personas con discapacidad, los ciudadanos senior, las familias con niños pequeños y otras muchas personas que se encuentran con numerosas barreras, tanto físicas como culturales, cuando viajan”, comentó.

Hasta el momento el grupo de trabajo establecido en el marco del ISO TC228, cuenta con representantes de Panamá, Austria, Reino Unido, Chipre, Luxemburgo, Portugal, Argentina, Malta, Canadá, Irlanda y España, además de representantes de las Asociaciones ENAT (Red Europea de Turismo Accesible), HOTREC (Asociación Europea de hoteles, restaurantes y cafeterías), ECTAA (Asociación Europea de Tour Operadores y Agencias de Viajes), SBS (Asociación europea que representa a las Pymes en materia de normalización), y ANEC (Asociación Europea de Consumidores).

El nuevo estándar, que está previsto sea aprobado en 2018 después de alcanzar un consenso a nivel del ISO, y se publique a lo largo de 2019, se aplicará a los distintos grupos de interés del sector turístico, tanto públicos como privados y a diferentes niveles.

Fuente: Portal de Turismo

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/02/2017

Easyjet é multada por proibir embarque de cadeirante


a-uniao-europeia-tem-regras-claras-a-respeito-da-discriminacao-de-qualquer-pessoa-para-o-embarque-mas-ainda-ha-empresas-que-a-desrespeitamA União Européia tem regras claras à respeito da discriminação de qualquer pessoa para o embarque, mas ainda há empresas que a desrespeitam

A Easyjet foi multada ontem em 60 mil euros pelo tribunal de Baiona, na França, por ter se recusado a embarcar um cadeirante, alegando ter agido de tal forma por “questões de segurança”. O caso aconteceu em Biarritz (França) em julho de 2010 e envolveu o passageiro Joseph Etcheveste, de 55 anos, que foi proibido de embarcar porque estava desacompanhado.

“A Easyjet recusou o embarque dele alegando que isso acarretaria problemas de segurança, mas até hoje a companhia não soube explicar quais seriam esses problemas”, relata a advogada do passageiro, Anne-Marie Mendiboure.

A aérea se defende afirmando que apenas cumpriu normas internas. Etcheveste perdeu parte dos movimentos em 1987, quando foi baleado na coluna pela polícia francesa, que o associou ao ex-líder separatista basco Philippe Bidart.

Em dezembro de 2015 a Easyjet já havia sido multada em 70 mil euros pelo mesmo motivo, já que proibiu o embarque de três passageiros com deficiência, alegando que isso acarretaria, também, problemas de segurança.

Ricardo Shimosakai, Diretor da Turismo Adaptado já passou por uma experiência semelhante, num vôo de Paris com destino a Londres, pela Easyjet. Foi obrigado a comprar outra passagem em outra companhia aérea. Como a passagem pela Easyjet foi comprada pela internet, numa proposta de baixo custo, Ricardo Shimosakai acabou pensando que não compensaria brigar pelos seus direitos naquele momento, para não prejudicar a viagem. Outras pessoas já tiveram problemas com empresas aéreas Low Cost, que oferecem passagens a baixo custo.

Fonte: Panrotas

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/02/2017

Taking Flight: Traveling with a Child Who Has Special Needs


travel-planning-with-accessibility-is-an-important-factor-in-achieving-child-satisfactionTravel planning with accessibility is an important factor in achieving child satisfaction

When you have a child with special needs, the prospect of planning a real family vacation can be so over-whelming, it seems easier and more relaxing to just stay close to home. But in spite of the formidable challenges, the benefits of expanding your family’s perspective through travel
and creating memories together are often worth it.

Two years ago, when my son, Isaac, was diagnosed with autism at age 3, I had to make a choice as his mother and a travel writer: Find new ways to meet his special needs on family trips, or find a new occupation that would allow us to stay home in our comfort zone. We take fewer getaways these days, and our trips require much more effort to plan, but every time Isaac spots a dragonfly on a trail or feels sand between his toes at the beach, I am reminded of how much travel enriches his life.

The “special needs” label spans a range of issues in children, from autism or hearing impairment to those who have physical disabilities and depend on wheelchairs for mobility. All children are different; therefore, each family’s challenges when traveling will be unique. If your kid is autistic with sensory issues, a scenic road trip may trump crowded airplanes and theme parks. A child who depends on a wheelchair would have little to do at a Wyoming dude ranch, but he may love the wide boardwalk trail through a field of geysers at nearby Yellowstone National Park.

As daunting as planning a family vacation appears, take heart in the positive trends emerging. Popular destinations such as theme parks, museums and even beach resorts are adding accommodations, from better wheelchair accessibility to sensory hours to allergy-friendly restaurants. Planning special-needs family travel is not simple, but it’s getting easier all the time.

1. National parks

One of the best opportunities to connect children with special needs to the natural world is found at U.S. national parks. Each individual park has a Web page on accessibility that describes its ADA-accessible trails, campgrounds and restrooms. Visitor centers are equipped with ramps, elevators and restrooms that accommodate people in wheelchairs. Interpretive programs and exhibits often include closed captioning and Braille. Even historic hotels have wheelchair-accessible rooms. Your child with special needs may also be eligible for a lifetime Access Pass, which admits him or her to national parks for free. And while dogs are not typically permitted on national park trails, certified service animals are allowed.

Try: YellowstoneGlacier and Everglades national parks are acclaimed for their many miles of fully accessible trails.

2. Family resorts

For families that just need a relaxing vacation, resort hotels are a good fit. Resorts have lodging, restaurants and activities all in one place, offering convenience and flexibility — two of the biggest considerations for families with special-needs kids. Look for resorts that go above and beyond ADA regulations with offerings such as accessible swimming pools, paved trails, adaptive kayaking and beach wheelchairs.

Try: Keystone Resort in Colorado boasts an extensive adaptive program for disabled skiers and snowboarders. Great Wolf Lodge (13 locations, including one in Grand Mound, Wash.) is a giant indoor water park that has “zero-entry” swimming pools, allowing kids in appropriately equipped wheelchairs to join in the splashy fun.

3. Cruises

An adventure at sea aboard a luxury cruise ship offers one of the lowest-stress family vacations around, and all cruise ships sailing in U.S. waters are ADA compliant. The top cruise lines go even further, with amenities such as wheelchair-friendly swimming pools and menus for passengers with food allergies.

Try: The Disney Dream and Disney Fantasy ships each have 24 fully accessible, family-size cabins with automatic doors. Youth counselors are trained to work with children with special needs, and the ships’ theaters offer wheelchair seating and assisted-listening devices. Royal Caribbean is proud of its autism-friendly ships; perks include priority check-in, gluten-free menu items and sensory-sensitive films and toys. Check out Special Needs at Sea for accessibility equipment rentals that are delivered right to a cruise ship.

4. Theme parks

Adventurous and fun, theme-park vacations are on every child’s dream list. Many such parks accommodate special needs, yet they present inherent challenges nonetheless (lots of ground to cover going from ride to ride, sensory overload with no quiet places to escape to, etc.). For the smoothest possible experience, plan out every detail well in advance.

Try: Both Disneyland and Walt Disney World are exceptional in the ways they cater to families with special needs. Many rides are accessible. Disney’s Disability Access Service Card allows disabled children and their families to return to a ride at a given time without waiting in line (although some families with autistic children preferred Disney’s previous system, which skipped the wait time altogether). Morgan’s Wonderland, in San Antonio, Texas, is the world’s first fully accessible family theme park.

5. Big cities

With attractions such as museums, zoos, aquariums, parks and cultural opportunities, America’s major cities are very friendly vacation spots for families that have kids with special needs, especially physical disabilities. With few exceptions, these big-city attractions are ADA compliant and wheelchair accessible. Cities also have large chain hotels with accessible rooms, and accessible public transportation.

Try: In Washington, D.C., historical attractions, monuments and the Smithsonian museums are not only educational, they’re wheelchair accessible. Both Metrorail and D.C. buses are accessible as well.

Source: Parent Map


banheiros-quimicos-adaptados-devem-oferecer-espaco-para-manobra-da-cadeira-de-rodas-e-acompanhanteBanheiros químicos adaptados devem oferecer espaço para manobra da cadeira de rodas e acompanhante

A medida prevê que deverão ser disponibilizados banheiros químicos adaptados em todos os eventos públicos em que houver a instalação de banheiros químicos tradicionais.

Lei que estabelece a obrigatoriedade de disponibilização de banheiros químicos adaptados para pessoas com deficiência nos eventos públicos em Santa Catarina foi regulamentada por decreto do governador Raimundo Colombo.

A medida prevê que deverão ser disponibilizados banheiros químicos adaptados em todos os eventos públicos em que houver a instalação de banheiros químicos tradicionais. O uso do banheiro adaptado será exclusivo da pessoa com deficiência e do acompanhante.

A quantidade a ser instalada será estabelecida de acordo com critérios de proporcionalidade, que levem em conta a natureza do evento e estimativa de público. Contudo, não deverá ser inferior a 5% do total de banheiros químicos comuns disponibilizados no local. No mínimo, deverá haver um banheiro adaptado.

A responsável por fiscalizar o cumprimento da lei é a Secretaria de Estado da Segurança Pública, por meio da Gerência de Fiscalização de Jogos e Diversões da Polícia Civil, na capital, e das Delegacias Regionais de Polícia Civil, nas demais regiões policiais do Estado. A infração poderá ser comprovada por qualquer meio de prova válido, podendo ser utilizados vídeos, fotos e gravações pelas autoridades.

Se a medida não for cumprida, os organizadores do evento poderão receber advertência por escrito e multa de R$ 2.000 por infração, dobrada a cada reincidência. O decreto 1.038/2017, que regulamenta a lei 16.963/2016, está disponível no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira, 1/02, no site Site externo.

Fonte: Governo de Santa Catarina

Older Posts »

Categorias

%d blogueiros gostam disto: