Publicado por: Ricardo Shimosakai | 05/05/2016

Scott Rains, tourism leader in accessible travel has passed


Dr. Scott Rains' Visit To NepalDr. Scott Rains’ Visit To Nepal

This morning, eTN publisher Juergen T. Steinmetz was saddened to receive an email from Patricia, wife of Scott Rains, about Scott’s passing away on April 30.

“Scott was a visionary and icon, and this is a great loss for tourism and for equal treatment of challenged travelers. He was a true friend of eTurboNews,” said Steinmetz.

A colleague from Nepal, Pankaj Pradhananga, who had worked with Scott in realizing important initiatives in accessible tourism, had this to say:

“It was hard to believe that the life of this charismatic leader in the disability community, a globetrotter, and a warrior of the accessible tourism movement had come to an end.

“My first meeting with Scott (along with Laurent) was at Ed Roberts Campus back in July 2013. This was the meeting that motivated us to take the initiatives for #accessible #Tourism in #Nepal. It was an honor to welcome him to Nepal and travel with him in May 2014. At the end of the trip I [had] found a friend and a mentor in him. He also connected me to many more wonderful friends.

“We are ever grateful [for] his guidance and encouragement to work towards accessible tourism goals.

“Scott, may your soul remain happy in the barrier-FREE new world. Adios amigo!”

Ricardo Shimosakai, Director of Turismo Adaptado also laments his death.
“Scott was an inspiration for me to dedicate myself to accessible tourism. At first it was a mentor and then a partner. The accessible tourism loses a great leader, but in his work, assisted so many had the opportunity to join this segment, and so the fight goes on”

Ricardo Shimosakai, Nelida Barbeito, Scott Rains, Jani Nayar, Joedson Nunes, Craig Grimes and Bruna Mendes in technical visit in SocorroRicardo Shimosakai, Nelida Barbeito, Scott Rains, Jani Nayar, Joedson Nunes, Craig Grimes and Bruna Mendes in technical visit in Socorro

Source: eTN

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 05/05/2016

Scott Rains, líder do turismo em viagens acessíveis falece


Scott Rains visita São Luis e aponta intervenções para melhorias no centro históricoScott Rains visita São Luis e aponta intervenções para melhorias no centro histórico

Esta manhã, o repórter da eTN Juergen T. Steinmetz estava triste por receber um email de Patricia, esposa de Scott Rains, sobre o falecimento de Scott em 30 de abril.

“Scott era um visionário e um ícone, e esta é uma grande perda para o turismo e para a igualdade de tratamento entre os viajantes com deficiência. Ele era um verdadeiro amigo do eTurboNews “, disse Steinmetz.

Um colega do Nepal, Pankaj Pradhananga, que havia trabalhado com Scott na realização de importantes iniciativas em turismo acessível, tinha que dizer isto:
“Era difícil de acreditar que a vida deste líder carismático na comunidade de deficientes, um globetrotter, e um guerreiro do movimento turismo acessível tinha chegado ao fim.

“Meu primeiro encontro com Scott (junto com Laurent) foi no Campus Ed Roberts Campus em julho de 2013. Este foi o encontro que nos motivou a tomar as iniciativas para o turismo acessível no Nepal. Foi uma honra recebê-lo no Nepal e viajar com ele em maio de 2014. No final da viagem eu encontrei um amigo e um mentor nele. Ele também me conectou a muitos mais amigos maravilhosos.

“Estamos sempre grato pela sua orientação e incentivo para trabalhar no sentido de metas para o turismo acessível.
“Scott, que sua alma permaneça feliz no novo mundo sem barreiras. Adeus amigo!”

Ricardo Shimosakai, Diretor da Turismo Adaptado, também lamenta seu falecimento.

“Scott foi uma inspiração para que eu pudesse me dedicar ao turismo acessível. No começo foi um orientador e depois um parceiro. O turismo acessível perde um grande líder, porém em seu trabalho, auxiliou para que muitos tivessem a oportunidade de se juntar à esse segmento, e por isso a luta continua”

Ricardo Shimosakai, Nelida Barbeito, Scott Rains, Jani Nayar, Joedson Nunes, Craig Grimes e Bruna Mendes em visita técnica em SocorroRicardo Shimosakai, Nelida Barbeito, Scott Rains, Jani Nayar, Joedson Nunes, Craig Grimes e Bruna Mendes em visita técnica em Socorro

Fonte: eTN

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 04/05/2016

10 Things You Should Know When Traveling With a Wheelchair


Jay Smith is the Founder of the music tech company Livid Instruments, father, husband, and living with ALS. Jay Smith is the Founder of the music tech company Livid Instruments, father, husband, and living with ALS.

One of the most common questions I get from my readers is about travel. How do I do it with ALS? How do I travel if I can’t walk, eat, or talk? First, I should say I love traveling and everything that goes along with it – from the feeling I get in my gut during takeoff to the tiny shampoo bottles that inevitably end up in my luggage. I feel most alive when I’m on the move. My kids are six and eight and have been on airplanes since they were just a few months old. My traveling adventures have taken me all over the world and while my disease has slowed me down, it has not stopped me from sipping ginger ale through tiny straws at 30,000 feet.

Traveling with a paralyzing, terminal illness is not for the faint of heart. Here are 10 things you should know if you want to defy (or just completely ignore) the limitations of your disability.

1. Don’t be afraid. If you think you can’t do it, have someone take your non-working arm and slap you in the face. I wrote this entire piece on a flight from DC to Austin in mild turbulence using only my eyes. If you set your mind to it, anything is possible…well anything besides more leg room.

2. Have a rock star companion. I can’t stress this enough. I’m not talking about someone who is willing to get drunk with you on mini-bottles of wine in row 12, I’m talking about someone who can make you laugh while wiping your ass in the middle of the night. My wife is that rock star. Not only does she take care of all my needs, she makes it all look so easy and never complains (at least not to me). As I write this she is adjusting my headphones for the 5th time and we’re not even through the first beverage service.

3. Flying with a wheelchair is not your problem. Airlines are required to accommodate you and your wheelchair, no matter the size. I have the Hummer of wheelchairs, a 450 lb. Quantum Edge that does everything but make coffee. Just let the airline know you have a wheelchair and they will take care of the rest. If you’re worried about damage don’t be – anything that breaks on their watch is covered. Just be sure you check for damage and report it before leaving the airport.

4. Don’t worry about getting to your seat. You will have to leave your wheelchair on the jet bridge. And then you can look forward a couple of sweaty dudes, with the fragrance of BO and exotic food truck cuisine, strapping you into an aisle chair and whisking you into whatever seat you want. You’ll be the first one on and the last one off but you won’t be stuck sitting in between the lady who thinks it’s okay to eat a rack of homemade ribs and the guy who is pretending to sleep but really farts the whole flight. Trust me, I’ve been that guy before, something about air travel brings out the gas in me.

5. The TSA is suddenly your friend. Maybe it’s pity or fear of a lawsuit, but the agents who make Paul Bart look like the Secret Service go out of their way to accommodate you. Don’t worry about your liquid feeding tube formula, bag limits, or taking your shoes off, you’ll be treated to a private “massage” ( as my eight year old calls them) in the comfort of your own chair. And if you’re in a rush, nothing will get you through faster than a full catheter bag and a puddle of drool on your shirt.

6. Piss in your pants. Sorry ladies, this one is for the guys only. A condom catheter will let you pee comfortably over the Grand Canyon, which if you look now is just over the left side of the plane.

7. Make a city your destination. The most challenging part of traveling disabled is getting a wheelchair accessible van once you get to your destination. Most major cities will have wheelchair cabs. You should call ahead to reserve and check availability. You may have to wait, and sometimes for hours, but you should be able to get where you need to go. Make sure to tip your driver generously to help create a direct line to the driver for the remainder of your stay.

8. Pick someplace new. Older cities can be hard to navigate. Cities like Boston and DC were fully built out before ADA regulations. Newer cities like Denver and Orlando are easier to get around. I even found a whole list of accessible hiking trails in Denver last fall.

9. Stay at nicer hotels. All hotels are required to have accessible rooms but aren’t required to hold them, even if you have a reservation. I found this out the hard way. Last year we reserved a room at the Comfort Inn near Red Rocks in Colorado only to find out upon arrival they gave our room away to a non-disabled guest. Even if you call ahead you can’t be sure. Skip the crappy continental breakfast and stay in a hotel that will save your room.

10. Fly direct. Before ALS I was a budget traveler. I would drive hours out of my way for a deal and endure grueling layovers to save a buck. Now I can’t afford to lose my medical devices or risk my wheelchair not making the connection. Don’t be tempted by cheap fares. Make sure you stick to direct flights, preferably on Southwest. They are by far the most handicap-friendly airline. Or is it disabled? I can never get that right.

And, finally, be patient and flexible. From weather conditions to backed-up toilets, you can’t plan for everything. Remember, you’re traveling in a seat going 500 miles per hour for a few hundred bucks – that fact alone should amaze you. If you’re gate isn’t ready when you arrive, don’t be the guy that moans and groans about it. Instead be thankful to be alive and enjoy the adventure of life.

Source: Huffington Post


“Identity” é resultado de uma parceria entre companhias de dança de Portugal e dos EUA“Identity” é resultado de uma parceria entre companhias de dança de Portugal e dos EUA

Duas companhias de dança – de Portugal e dos EUA – vão trazer para Miami duas apresentações especiais, envolvendo bailarinos com e sem deficiência, nos dias 12 e 13 de maio no teatro Miami-Dade County Auditorium.

As companhias portuguesas “Amalgama Companhia de Dança” e “Plural Núcleo de Dança” se unem à melhor companhia de dança de “mix ability” de Miami, “Karen Peterson & Dancers”, para uma exploração inovadora de corpos de todas as capacidades em movimento.

Esse intercâmbio luso-americano começou em Lisboa no mês de abril deste ano, onde esses artistas, de habilidades mistas, colaboraram na criação da obra “Identity” que estreou com muito sucesso no Fórum Lisboa.

Plural é uma das principais companhias de dança de “mix ability” de Portugal. A companhia desenvolveu um vocabulário único de dança integrada, com bailarinos portadores de deficiências. Já a Karen Peterson & Dancers é a companhia líder da Flórida dedicada à integração de bailarinos e alunos com uma gama de capacidades físicas. Juntos apresentarão “Identity” que tem coreografia de Sandra Battaglia, Rafael Alvarez e Karen Peterson. O espetáculo explora as semelhanças físicas, linguísticas, geográficas e políticas dessas duas culturas e também suas diferenças.

Serviço
Espetáculo de dança “Identity”
Data:
12 e 13 de maio
Horário: 8pm
Local: Miami-Dade County Auditorium, 2901 W Flagler Street 33135
Evento: bailarinos portugueses e americanos se unem em espetáculo de dança.
Preços: $15 para portadores de deficiência e $20 para os demais
Informações: karenpetersondancers.org, ou ligue para (305) 298-5879

Fonte: acheiusa

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 03/05/2016

Bathrooms make air travel difficult for many with disabilities


Wheelchair-bound passengers say travel can be frustrating.Wheelchair-bound passengers say travel can be frustrating.

Californians Barbara Ball and her husband have travelled extensively: Greece, France, Italy, the Bahamas and all over the United States, to name a few.

She feels fortunate to have visited so many places before a blood clot in her right leg led to its amputation five years ago.

Ball now has a prosthetic but spent a few months in a wheelchair during rehab. So it struck a chord when she heard about her friend’s brother, a double amputee in a wheelchair living in South Carolina, who can’t take a domestic flight top visit because he can’t access the onboard bathrooms.

She wondered if disabled-accessibility rules weren’t the same in the air as they are on the ground.

It’s a good question.

Disabled accessibility on airplanes in the United States is not covered by the Disabilities Act, and there the Air Carrier Access Act, written 30 years ago, has limitations.

Washington resident Malcolm Cumming cares for his wife, Deborah Livesey, who has multiple sclerosis and has been in a wheelchair for two decades.

It was just two years ago that he accidentally broke his wife’s arm trying to get her into a lavatory that was not disabled accessible during a flight to San Antonio.

Accessible lavatories are required only on aircraft with more than one aisle, but not on smaller aircraft used for domestic flights.

America’s Department of Transportation reasoned that the larger aircraft are used for longer flights and transport the greatest number of people, so it is more likely a disabled passenger will need an accessible lavatory, said department spokeswoman Caitlin Harvey.

But Cumming said most domestic flights, even across the country, are in single-aisle aircraft and can last the better part of a day, depending on the number of stops. Furthermore, wheelchair users are the first ones on and the last ones off, adding about another hour to the onboard time.

It’s unrealistic and unfair to expect a disabled passenger to refrain from using the rest room for that long, Cumming said.

Wheelchair user Barry Smith has been on flights lasting more than eight hours to Washington, DC, and 13 hours to Alaska; nearly all of them were on single-aisle aircraft.

Smith suffered a spinal cord injury from a diving accident as a teenager. He uses a catheter but said he could not access the lavatories if he needed to.

Smith is the executive director of the Disability Resource Agency for Independent Living in Modesto. He’s helped clients prepare for air travel by sharing some of his experiences.

An onboard or aisle wheelchair is needed to board the plane because standard wheelchairs are too big to fit through the doors, down the aisle or in the bathrooms.

Smith describes such a chair as essentially a refrigerator dolly with a seat. The wheels are on the bottom so it cannot be operated by the person with the disability. Instead, the chair is pushed or pulled backward down the aisle by an airline employee after the passenger is strapped in like “a NASCAR driver,” Smith said.

He said employees need to be better trained to operate the chair and help the person with the disability get into a seat. Smith’s feet have dragged on the ground, he’s bumped into things and he’s been dropped on the chair’s armrest.

He said he’s never tried getting into a lavatory with the onboard wheelchair but can’t imagine being able to fit in most circumstances.

Cumming said Livesey is not medically required to use a catheter and shouldn’t be required to do so just to get on an airplane.

“Someone should not be forced to get a catheter to go on holiday,” Cumming said. “The Air Carrier Access Act was not based on the idea that people would use catheters or dehydrate themselves or wear diapers (to get through the flight),” Cumming said. “That is not treating people equally.”

Unlike disabled-accessible bathrooms in buildings, which must have a diameter of at least 60 inches, airplane lavatories do not have to meet specific dimension requirements.

Rather, the “lavatory shall permit a qualified individual with a disability to enter, manoeuvre within as necessary to use all lavatory facilities and leave, by means of the aircraft’s on-board wheelchair,” according to the act. They must also be equipped with grab bars and a call button.

“The language at the very beginning falls apart because the wheelchair cannot be operated by the person with the disability, only pushed by someone else,” Cumming said.

Airline staff members are responsible for transporting a disabled passenger to and from the lavatory, but the passenger is on his or her own once inside.

Department of Transportation regulations do not require the accessible lavatory to be large enough to accommodate an attendant to help the person with the disability, Harvey said.

“If we could get into it, (Livesey) would be just facing a toilet she could not get to,” Cumming said. “I would have to reach over the chair holding her out with my arms like a forklift. The bathrooms needs the space for an attendant.”

More frustrating, Cumming said, airlines slap wheelchair-accessible signs on lavatories because they have grab bars in them, which actually serve only to narrow the space for the people who need help into a bathroom.

The lavatory on the flight to San Antonio had the symbol on the door, so he thought it would be safe to help Livesey in by holding her under her arms and pulling her in backward.

“With my arms wrapped under hers as I eased her in, the narrow entrance crimped her elbows inward until her arm bone cracked just below her shoulder,” Cumming wrote in an article for the online news site Airlines Reporter.

The experience hasn’t deterred the couple from travelling, but the lavatory layout is always a concern.

“If you are flying domestically, you are going to be in the world of single-aisle airplanes, and there is nothing to accommodate the fully disabled or nonambulatory person,” Cumming said.

The Department of Transportation has recently announced its intention to establish a committee to negotiate proposed amendments to disability regulations, Harvey said. The committee will consider three issues, including whether to require an accessible lavatory on single-aisle aircraft over a certain size.

“The department has done so in recognition of the fact that a higher percentage of long-distance flights are now being conducted by single-aisle aircraft,” Harvey said.

But what about New Zealand?

On its website Air New Zealand has a section dedicated to passengers who need “special assistance”.

“We understand that the carriage of people with disabilities can present unique challenges for both passengers and staff.

“As a result we will make every effort to provide a consistently safe and dignified travel experience.”

It goes on to state that staff are trained to assist those with disabilities, and airport and aircraft have “environments that facilitate appropriate levels of access”, though it does not mention whether aircraft have disabled toilets.

The airline’s Boeing 777, 767 and International Airbus A320 aircraft have onboard wheelchairs, so passenger can be taken to their seats or the toilet.  But the chairs are available only for international flights, not domestic flights due to  “limitations of space”.

LIkewise, Jetstar says it provides assistance to passengers needing wheelchairs. However, on its website it states that those passengers must be able about to travel independently.

Travel tips

Advice for flying as a disabled person, from people with experience:

Call ahead to ask whether the airplane will have accessible lavatories. Cumming said airline employees can tell you “yes” or “no,” but can’t describe the type of barthroom or tell you how much room it will have.

Book flights on double-aisle planes, if possible, or prepare for longer flights by getting one with several stop-overs. It will make your travel longer but provide more opportunity to get off the plane and use bathrooms at the airport.

Remember that airline staff members will transport you via the aisle chair to the lavatory but will not assist within the lavatory. “Since you must be able to stand and walk, (but if taking) a few steps is difficult, you’re better off choosing a seat near a lavatory rather than going through the humiliating hassle of being strapped into an aisle chair,” Cumming said.

Always get the travel insurance. Cumming recommends this not just for disabled passengers but for everyone. He and his wife had travel insurance when she broke her arm on the way to San Antonio. It paid for a nurse to accompany them back Washington on the plane to assist with her medical needs.

Take all valuables off your wheelchair. Wheelchairs are stowed in the cargo area and can slide around and break. It’s happened twice to Smith, who said he always takes off the electric hand controls (the most expensive part) and removes his seat pad to use on the plane to avoid getting pressure sores.

Source: stuff.co.nz


Rampas de acesso e grande área envidraçada com aproveitamento da luz naturalRampas de acesso e grande área envidraçada com aproveitamento da luz natural

Antigamente, um bom colchão e chuveiro eram detalhes que faziam o diferencial em uma estadia. Com o passar dos anos e o avanço da tecnologia, a necessidade de mudar e acrescentar novos aparelhos se fez necessário. Porém, focados principalmente na questão da sustentabilidade, alguns empreendimentos deixaram de investir em um quesito fundamental: a acessibilidade.

Com o tema sempre em pauta, o Minas Platinum Hotel & Convention, administrado pela AXIS/HS e localizado às margens da BR 040, ponto estratégico entre o Rio de Janeiro e Brasília, conta com estrutura completa e acessível a pessoas com deficiência. Possuindo um projeto arquitetônico arrojado e decoração contemporânea, o complexo hoteleiro disponibiliza também rampas de acesso, garagem no nível da recepção, elevadores com barras de apoio, corredores e portas largas, além de quartos e banheiros adaptados. Todo o projeto foi pensado no conforto e comodidade de toda a clientela.

Além disso, cama queensize, enxoval de alta qualidade, telefone, guarda-roupas, bancada de trabalho e lanche, ar condicionado digital, TV LED com canais a cabo, cofre eletrônico, mini-bar e acesso de alta velocidade à internet e Wi-Fi são alguns dos demais itens oferecidos pelo hotel em todas as acomodações.

Fonte: BH Eventos

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 02/05/2016

Impulsan el turismo adaptado en Chubut


El objetivo es mejorar de la accesibilidad en alojamientos y servicios.El objetivo es mejorar de la accesibilidad en alojamientos y servicios.

El Ministerio de Turismo de Chubut impulsa la implementación de un proyecto nacional que tiene como objetivo lograr la concientización de los prestadores turísticos de adaptar instalaciones y mejorar la atención con beneficio a personas con discapacidad. En ese marco es que en la ciudad de Trelew la cartera que conduce la ministro Cecilia Torrejón, a través de la Dirección de Calidad dependiente de la Dirección General de Planificación y Desarrollo Turístico, realizó una charla de sensibilización sobre la importancia del Programa “Directrices de Accesibilidad en Alojamientos y Servicios Turísticos”.

Este plan pertenece al Sistema Argentino de Calidad Turística del Ministerio de Turismo de la Nación y prevé realizar capacitaciones al personal en distintos puntos de la provincia de cara a la futura implementación, para brindar accesibilidad en nuevos destinos y en aquellos que ya han participado del programa.

El proyecto trata sobre pautas voluntarias de acción que, bajo la forma de recomendaciones y especificaciones técnicas extraídas de la experiencia y de los avances tecnológicos y científicos, se adaptan a múltiples realidades y promueven la concientización de los actores involucrados en la actividad turística.

Durante su implementación, se llevan adelante capacitaciones con talleres de sensibilización vivenciales y cursos en lenguaje de señas, entre otros. Desde el Ministerio de Turismo de la Provincia ya se realizaron este tipo de reuniones en las ciudades de Esquel, Comodoro Rivadavia y Rada Tilly.

Es importante resaltar que para este año, la Organización Mundial del Turismo celebrará el Día Mundial del Turismo bajo el lema de “Turismo para todos: promover la accesibilidad universal”.

De la charla ofrecida en Trelew, participaron en representación del municipio local los directores de Turismo, Juan Carlos Vargas y de Salud, Raúl Berón; en tanto que por el área de Discapacidad estuvo Mirta Muñoz y como representante de la Dirección de Calidad del Ministerio de Turismo del Chubut, María Laura Ilarri.

Fuente: Diario Jornada

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 02/05/2016

Uber se preparou para ter motoristas com deficiência


Kadu, motorista com deficiência auditiva da Uber - conseguiu realizar seu sonhoKadu, motorista com deficiência auditiva da Uber: conseguiu realizar seu sonho

O sonho de Carlos Eduardo Cristalli Romano, o Kadu, era ser motorista. Abria a porta do carro para seus pais e amigos e tirou a carteira assim que fez 18 anos, esperando se tornar um motorista particular.

Depois de trabalhar como auxiliar de administração, há cerca de três anos ele buscou realizar esse sonho e quis se filiar a algumas cooperativas de táxi. Mas sem sucesso, por um motivo: Kadu é surdo. Assim, não poderia ouvir o endereço para onde deveria levar seus clientes.

Há um ano, ele conheceu um americano que também tinha deficiência auditiva e que trabalhava como motorista da Uber. Então, decidiu dar uma chance à empresa. Hoje ele sustenta, orgulhoso, boas avaliações de seus clientes.

Isso foi possível porque os clientes pedem um carro e inserem seu destino pelo próprio aplicativo, assim não é necessário explicar o caminho ao motorista, que se guia pelo Waze.

O app também avisa, com antecedência, que o motorista tem deficiência auditiva, evitando constrangimentos. Para oferecer água, balas ou outros mimos, Kadu lê lábios, faz gestos e sabe Libras, a Língua Brasileira de Sinais.

A empresa de tecnologia desenvolveu a funcionalidade depois que recebeu sugestões de motoristas com deficiência auditiva e da Associação Nacional de Surdos dos Estados Unidos. A nova versão do aplicativo, mais inclusiva, está rodando desde maio de 2015.

“Trabalhamos para mostrar a pessoas com deficiência que a plataforma da Uber pode ser uma alternativa para que elas gerem renda”, afirmou Fabio Sabba, diretor de comunicação da Uber no Brasil.

No Brasil, há pelo menos 10 mil pessoas com deficiência auditiva com carta de motorista, segundo o IBGE. “Ainda temos poucos motoristas parceiros que são deficientes auditivos, mas queremos aumentar esse número”, diz Sabba.

Segundo ele, também há motoristas cadeirantes, que contam com seus próprios carros adaptados para trabalhar.

Para trabalhar com a empresa, basta ter carteira de motorista com licença para exercer atividade remunerada (EAR) e cumprir com os requisitos técnicos, além de seguro que cubra motorista e passageiro.

“Queremos oferecer uma oportunidade nova e talvez nem pensada antes por essas pessoas”, afirmou o diretor.

Fonte: Revista Exame

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 30/04/2016

Semear a mudança


Transformar mentalidades e criar novas oportunidades.Transformar mentalidades e criar novas oportunidades.

Sensibilizar a sociedade civil. Há seis anos que o BIPP – Soluções para a Deficiência implementa estes dois objetivos, promovendo a inclusão de jovens com deficiência no mercado de trabalho, dando-lhes autonomia e qualidade de vida. Há duas semanas, a instituição viu o seu trabalho reconhecido com a atribuição do primeiro lugar do Prémio BPI Capacitar. Com o dinheiro que vai receber, ajudará ainda mais jovens a entrar no mercado de trabalho.

Não fora o frio que se faz sentir nesta manhã de dezembro e até parecia que estávamos na primavera. Os tons de verde, o cheiro a terra molhada e o sol que aquece este pedaço de terreno da Tapada da Ajuda ajudam a esquecer o calendário. Estamos numa zona privilegiada de Lisboa onde o silêncio impera. Aqui, respira-se tranquilidade.

Mas a azáfama é muita. Alguns dos 42 formandos do projeto Semear impulsionado pelo BIPP – Soluções para a Deficiência sorriem ao ver-nos chegar. Outros continuam o trabalho de enxada na mão, a semear couves ou a ouvir os formadores. São jovens adultos com necessidades especiais divididos em duas turmas e integram o projeto desde o seu arranque, em outubro do ano passado. O programa, que inclui formação técnica em jardinagem e agricultura, visa ainda a capacitação social e pessoal com vista à posterior integração no mercado de trabalho.

Todos estes jovens, com idades entre os 19 e os 45 anos, estavam desempregados e inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional. «Alguns são dependentes de subsídios e não estão devidamente integrados na sociedade», diz Joana Santiago, presidente da direção da instituição particular de solidariedade social. «O nosso objetivo é que deixem de ser subsidiodependentes para passarem a ser ativos e contribuintes.» Os dias que outrora eram passados em casa, no café ou em instituições foram substituídos por aulas teóricas em sala e formação prática em campo. «O projeto Semear vai dar-lhes mais autonomia e maior capacidade financeira porque muitos deles vivem em famílias socialmente desfavorecidas e são oriundos de contextos de abandono e institucionalização.»

COM UMA EQUIPA de nove pessoas, o projeto acaba de ganhar um novo impulso com a atribuição do primeiro lugar na sexta edição do Prémio BPI Capacitar, uma iniciativa daquela instituição bancária que premeia projetos de inclusão social na área da deficiência ou incapacidade permanente. Os cerca de cinquenta mil euros que entrarão nos cofres do BIPP permitirão desenvolver uma unidade agrícola de produção própria que empregará 15 jovens com deficiência. A quinta de vinte hectares, localizada em Oeiras, foi cedida pelo Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária e está em obras de remodelação. «Ainda se trata de um projeto-piloto, mas o objetivo passa por replicá-lo noutras zonas do país», diz Joana Santiago. Por enquanto, as aulas práticas vão decorrendo no Instituto Superior de Agronomia (ISA), na Tapada da Ajuda. Há dois anos, o BIPP já tinha recebido uma menção honrosa BPI Capacitar, graças à qual conseguiu implementar este projeto em particular.

ACABAR COM OS MITOS que persistem acerca das pessoas com deficiência é outra das metas do Semear. Mudar as suas perspetivas de vida também. «Se não conseguirmos investir na capacitação pessoal e social destes jovens não iremos conseguir integrá-los», diz a presidente da direção. «Eles precisam de ser treinados na sua autonomia, aprender a viver em sociedade, saber usar o dinheiro, saber andar de transportes públicos, tomar conta de si próprios, gerir o seu próprio rendimento…»

Aos poucos cada um deles demonstra aquilo que sabe fazer melhor e quais as tarefas em que mais se destaca. «A deficiência intelectual esconde-se. Não se vê na cara. Estes jovens normalmente não são aceites na sociedade. Muita gente espera deles aquilo que eles não conseguem dar. Ainda persistem muitos tabus em relação à deficiência e às incapacidades mas estas pessoas são fantásticas a trabalhar quando são bem integradas», reforça Joana. É nesta diferenciação que se baseiam as escolhas profissionais mais tarde. Para isso contribuem os estágios em contexto de trabalho, como aconteceu recentemente numa empresa no setor agroalimentar, a ELS, onde os formandos do Semear tiveram a oportunidade de mostrar as suas capacidades profissionais. A experiência de uma semana foi bem recebida e alguns gostariam de a repetir.

É o caso de Miguel Ribeiro, 27 anos. Define-se como «rápido e eficaz» e gostaria de ter passado mais tempo na formação da empresa de Loures. «Gosto muito de semear e de trabalhos que puxem pelo físico.» Tal como o colega Diogo Oliveira (na foto), que gostaria de ser «jardineiro para sempre», como diz repetida e convictamente. Com 20 anos, e ao contrário de Miguel, não gosta muito de semear. Prefere «tirar pedras do caminho». No fundo, é isso que este projeto faz – afasta possíveis obstáculos do percurso de cada um destes jovens proporcionando uma nova vida. Diogo lembra-se de ter sido elogiado na formação no exterior, na empresa agroalimentar, por ser considerado «muito rápido a embalar». Ainda assim, também se cansa. E, na Tapada da Ajuda, sempre que precisa de descansar, escolhe sempre o mesmo local para relaxar as pernas e respirar fundo.

Os formandos têm direito a um intervalo a meio da manhã e outro a meio da tarde. Alguns aproveitam para lanchar, outros sobem a um pequeno bar onde bebem café e uns quantos aproveitam para falar um pouco das suas vidas. «Eu também gostava de ser gravado», diz Artur, enquanto se prepara para partilhar um pouco do seu dia-a-dia. Alexandre Pereira, 26 anos, elogia os formadores e a iniciativa, mas confessa que as aulas teóricas lhe custam um pouco. «Tomo medicação e se fico muito tempo em sala adormeço.» O sol deixa-o bem-disposto e o trabalho no campo também. «É um trabalho que me alegra.»

Duas vezes por semana «vendem» o que cultivam, a um preço simbólico, no edifício principal do Instituto Superior de Agronomia. «Vendemos os produtos para podermos angariar verbas para comprar ferramentas e material. Claro que a iniciativa não gera o dinheiro suficiente para o que necessitamos mas é interessante sensibilizar professores, colaboradores e pessoas de fora do ISA», diz Joana. Quando há excedente de produção, o Semear promove o escoamento para uma empresa parceira, a Frustock, e também a doação de alguns produtos ao Banco Alimentar.

Os formandos produzem consoante os módulos de formação que estão a ter.Os formandos produzem consoante os módulos de formação que estão a ter.

«Já cultivámos couve-coração-de-boi e neste ano estamos a produzir couve-lombarda, fava, cenoura, alface, alho, tomate, para consumo em fresco. Já tivemos melão, que foi um sucesso enorme, algumas ervas aromáticas (alecrim, tomilho, erva-príncipe, erva-cidreira) e também já semeámos ervilha apesar de ainda não ter dado nada», explica o formador agrícola Fernando Quintela. «Esta terra é nutritiva e ótima, as plantas dão-se lindamente, mas é também argilosa e pesada. Para trabalhar, é difícil, e se chove um pouco a terra agarra-se às botas e às ferramentas, o que dificulta muito o trabalho.»

Apesar das caraterísticas da terra, os jovens que integram o Semear veem nela a oportunidade de ter um futuro diferente. Não têm medo do trabalho duro do campo, não se negam a pôr as mãos na terra nem se importam de sujar as botas. E é com ansiedade que querem ver o resultado das culturas que semeiam. «Perguntam constantemente quando podem colher aquilo que plantaram», diz Fernando. No começo desta formação, levavam alguns produtos. «Chegar ao fim do dia, poder levar para casa os hortícolas e frutos que cultivaram era verdadeiramente entusiasmante. Vale mesmo a pena assistir à reação deles.»

«Os formandos preparam umas linhas de terra a que chamamos de “camalhões” porque fazem de cama às plantas e servem para drenar o excesso de água quando o solo é regado», explica Helena Santos, formadora do módulo das brassicáceas, recém-chegada ao projeto. As brassicáceas integram todas as plantas pertencentes ao género «brássica», como as couves, a rúcula, as mostardas-vermelhas, o nabo, a nabiça, entre outras.

«Recebemos as sementes e colocamo-las diretamente na terra, como no caso da rúcula.» Os formandos aprendem a preparar o solo, quais os cuidados a ter com as plantas, os compassos de plantação, as características das plantas, as utilidades das culturas, se são culturas de inverno ou de verão, como e quando deve ser feita a colheita, etc. Helena confessa que o maior desafio dos formadores é lidar com a heterogeneidade do grupo. «Temos de aprender a lidar com isso, quer individualmente quer na dinâmica do grupo. Todos os dias aprendemos um pouco.»

Uma vez por semana, os estudantes de Agronomia têm a oportunidade de trabalhar com os formandos do Semear.Uma vez por semana, os estudantes de Agronomia têm a oportunidade de trabalhar com os formandos do Semear.

A hora de almoço é passada nesta atividade conjunta em que cada aluno é mentor, mas também acaba por aprender com aquilo que os jovens que integram o projeto do BIPP têm para partilhar. Acima de tudo, pretende acabar-se com os preconceitos existentes na sociedade relativamente a pessoas com necessidades especiais. Os estudantes do ISA têm também aqui uma oportunidade de aplicar na prática os seus conhecimentos. «Os meus alunos estão constantemente com as mãos na terra e não têm problemas em agarrar-se às enxadas, acabando por ser um exemplo para estes estudantes do ensino superior», diz Fernando Quintela. «É uma experiência nova para todos.» Tratam-se pelo nome, cumprimentam-se, fruto de uma enorme cumplicidade que, semana a semana, vai sendo aprofundada.

Francisca Viveiros tem 19 anos e é aluna do terceiro ano de Engenharia Agronómica do ISA. «No início estava um pouco assustada com a mentoria porque tinha receio de que estes jovens fossem de facto muito diferentes e que sentisse dificuldade em lidar com eles. Acabei por concluir que é muito fácil e que não se nota qualquer tipo de diferença.» Defende que a iniciativa deveria ser alargada a mais dias ou de forma mais ativa por parte dos mentores. «É uma experiência em que se ganha muito e não há nada a perder.» Enquanto potenciais futuros empregadores, estes jovens começam a ser sensibilizados para as capacidades das pessoas com deficiência.

E desengane-se quem pensa que os formandos ficam por aqui… Há quem vá mais além, como Carlos Alves, 45 anos, responsável pelo projeto de intervenção comunitária Pensar Verde numa zona carenciada de Lisboa, o Bairro da Liberdade, em Campolide. «É um local onde é difícil, mas não é impossível, sonhar», diz Carlos, que considera a formação Semear um desafio diário. «As pessoas não se definem pelo tipo de deficiência que têm, mas por aquilo que querem fazer. Esta formação pode abrir muitas portas. O conhecimento nunca é de mais. Há cada vez mais espaços verdes e qualquer junta de freguesia teria a ganhar ao ter pessoas como nós a trabalhar.» Não se deixa desanimar pelas dificuldades e gosta de «motivar os desmotivados». Transformar terreno baldio num espaço dedicado a hortas comunitárias comercializando produtos hortícolas é o objetivo do projeto.

JOANA SANTIAGO viu a sua vida dar uma volta completa com o nascimento, há 18 anos, de Francisco, o terceiro filho, que tem «uma deficiência sem diagnóstico, motora e intelectual». No ano passado deixou a profissão de enfermeira para se dedicar a tempo inteiro aos desafios que o BIPP lhe coloca diariamente. Criou o Banco de Informação Pais a Pais (BIPP) em 2005, em Cascais, mas só abriram portas em 2009. Além do Semear, o BIPP desenvolve outros projetos de inclusão para pessoas com deficiência. Sente-se «responsável por esta casa» e defende de forma acérrima a necessidade de criação de soluções para estes jovens.

«Não concebo que um jovem chegue à idade adulta e fique fechado numa instituição o resto da vida. Não se arrumam as pessoas assim.» Critica a falta de união e sinergia entre as várias instituições em Portugal. «Podemos fazer coisas juntos. É isto que falta no nosso país: a sinergia institucional enquanto objeto de mudança.» A vida obrigou-a a adaptar-se e motivou-a a lutar pela igualdade de oportunidades na diferença. Não só pelo Francisco, mas também para todos os jovens como ele. Que podem ser felizes e ter uma vida dita normal.

EMPREGAR JOVENS COM DEFICIÊNCIA
O que distingue o Semear de outros projetos que trabalhem com pessoas com deficiência é a perspetiva de empregabilidade. «Estas pessoas tinham duas opções: serem institucionalizadas ou ficarem à mercê do que a sociedade tem para lhes oferecer», diz Catarina Bento, técnica de reabilitação psicomotora do Semear. O setor primário é dos que mais se adequam às capacidades de trabalho de jovens com deficiência intelectual. «Cerca de um terço da turma tem uma vida autónoma, mas não é completamente funcional, daí que seja estabelecida uma rede de suporte para que os jovens continuem integrados no mercado de trabalho.» Caso as tarefas não correspondam ao que mais gostam de fazer, não se insiste. «Temos de procurar atividades em que se sintam motivados, pelo que iremos encaminhá-los para empresas adaptadas ao seu perfil. Não nos interessa ter jovens a andar de formação em formação. Escolhemos jovens devidamente maduros para integrar ativamente o mercado de trabalho e com aptidão para esta atividade», acrescenta Joana Santiago, presidente da direção do BIPP – Soluções para a Deficiência, a instituição particular de solidariedade social que fundou em 2005.

AJUDAR QUEM PRECISA
O BPI Capacitar é um prémio de responsabilidade social que já apoiou mais de cem projetos ligados à deficiência, desde que foi criado, em 2010. Graças aos donativos totais de 3,2 milhões de euros entregues a dezenas de instituições, mais de 24 mil pessoas já viram as suas vidas melhoradas. Com o objetivo de apoiar e dar visibilidade a projetos de inclusão social que façam a diferença, a sexta edição teve 277 candidaturas e entregou 700 mil euros a 25 instituições, mais 200 mil euros do que nas anteriores. A cerimónia de entrega do prémio decorreu a 3 de dezembro, Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, em Lisboa. «O objetivo do prémio é contribuir para dar mais autonomia às pessoas com deficiência», diz António Seruca Salgado, presidente do júri. «Escolhemos projetos que considerámos mais novadores, mais sustentáveis e com maior impacto social. Projetos que sejam replicáveis em todo o país e que cheguem ao maior número de pessoas.»

Fonte: Notícias Magazine

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 45.342 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: