director-ben-lewin-and-co-executive-producer-mark-kunerth-filming-the-episode-r-o-road-t-r-tripDirector Ben Lewin and co-executive producer Mark Kunerth filming the episode “R-o Road T-r Trip.”

LOS ANGELES — Speechless actors John Ross Bowie and Micah Fowler are working through a scene for a January episode of the ABC comedy on the Fox lot. In it, we see JJ’s (Fowler) mischievous side for the first time: During a stop at a crafts fair during a family road trip, somebody mistakenly assumes the DiMeos are selling water from their car, which gives JJ an idea to peddle off the family’s junk — yoga pants, a curling iron, among other items — out of their truck. Impressed by his son’s initiative, the father (Bowie) and son start conspiring.

Between takes, director Ben Lewin stands up from his seat and walks over to the actors. “Micah, don’t smile this time,” he tells the 18-year-old newcomer. “Just think.”

JJ, who uses a wheelchair, has a nonverbal form of cerebral palsy which means Fowler (who also has cerebral palsy, but can speak with some difficulty), relies solely on his facial expressions for his performance. “Sometimes I just want JJ to say it,” says Fowler, during an interview in his trailer, acknowledging that depending on only his face to perform can get tough.

It helps that his director understands him. Lewin, 69, the writer-director of the 2012 critically acclaimed film The Sessions, survived boyhood polio and uses crutches to walk. “It’s a real challenge to give the audience a sense of what’s in your mind and what’s developing in your mind when you can’t speak,” Lewin says of working with Fowler on the scene. “What I was trying to get out of him was, he was seeing all this stuff laid out and as they see it laid out, he realizes this is all crap, how am I going to sell this? So I was just trying to get the sense of the idea brewing.”

Before Speechless — the ABC comedy starring Minnie Driver and Bowie as Maya and Jimmy, the heads of the DiMeo family, raising JJ and their two other children in Orange County — the Australian indie filmmaker’s American TV résumé was limited to one episode each of Ally McBeal and Touched By an Angel. Lewin’s approach to actors is simple: Treat each one individually.

“Everyone has got a different shtick, a different set of issues, and you work each person in different ways,” he said. “It’s not very obvious, but I don’t relate to Micah as a special-needs actor. Of course, there’s a whole kind of physical element to it, but you’d be amazed how that just disappears. My kids, for instance, don’t cut me any slack whatsoever. Get your own bloody coffee! So I’m not inclined to cut anyone slack because they need more than someone else.” For his part, Fowler is acutely aware of how rare it is to work with a disabled director (Lewin is one of two disabled directors who are members of the Director’s Guild of America). The experience taught him, he says with a big smile, that “no dream is too high.”

The warmly received show is ABC’s newest family comedy to succeed at presenting family life from a specific perspective. In this case, creator and showrunner Scott Silveri (Friends, Perfect Couples) mined his own family for comedy — his older brother has cerebral palsy and he has two younger siblings. Silveri had tried to tell their story for years, but had trouble landing on a tone that didn’t feel preachy.

“It’s a tough tone to pull off,” Silveri says. “I also didn’t want it to be beat-for-beat my family.” There are some direct connections, though: 16-year-old Mason Cook, who plays middle-child Ray, is modeled after Silveri. And the element that gives the show its distinctive point of view was inspired by the Silveris: “Embracing being different and not apologizing for it — not even a little bit,” he says. “Not only did we not feel less than, we felt special. There were other families on our block that had a kid with a disability. But there weren’t any families who laughed harder than us.”

Growing up in the ’70s, he and his family didn’t have the types of online and community support that exists today. “This kind of funny and sweet thing happened where I went to read about families like ours and met a lot more people who went through the same thing,” he says. “What I found was that we fit into these clichés, and there was something oddly comforting about that.”

He discovered there were many loving, tough mothers who will do anything and everything to protect a special-needs child the way Maya (Driver) does, harassing the school principal about installing a wheelchair ramp and meticulously orchestrating every moment of JJ’s first date. Driver was drawn to the part of Maya because of how unusual she was. “She has to fight very hard,” Driver says. “She’s in a difficult situation. But she also makes me laugh. She’s got a weird charm.”

Lewin knows mothers like Maya — he had one. “I had this mixed relationship with my mother, and in a way, she made me who I am, and in the other way, I wanted to run to the other side of the earth from her,” Lewin says, laughing. “I think the show really does get into that dynamic. I had an out-of-control mother. I guess I was lucky I wasn’t her husband.”

Lewin is the comedy’s first disabled director, but Silveri has notably assembled a team of people who have personal experience caring for others with disabilities. Several of the show’s writers have either siblings or children with disabilities, and Silveri hired two consultants with disabilities. The writers have gone on field trips to physical-therapy centers and listened to guest speakers in their office. The show also struck up a partnership with the Cerebral Palsy Foundation for feedback on story lines and scripts.

“It’s important for us to make this show as realistic as possible,” Silveri said. “They don’t have veto power, but they make us aware of things we should be sensitive to since we are here to entertain and be funny. This is not a documentary, but we do want to get it right.”

Bowie, who also has a recurring role on The Big Bang Theory, remembers hearing about Speechless during pilot season from actors who thought the subject matter was too risky. “This is either going to be really, really sentimental or it’s going to be really tasteless,” Bowie recalled of the chatter about the show. “I thought to myself, Okay, what if it’s neither, or what if it’s a decent balance of both? Wouldn’t that be a show I’d want to watch?” Then he read the script and caught onto the show’s dark sense of humor. “Really early on in the script there’s a moment where Ray calls JJ a bully,” he recalls. “I’ve never seen a kid who uses a wheelchair called a bully. I really wanted in.” When Bowie met Fowler and realized playing with nonverbal cues would become a cornerstone of the comedy, he readily welcomed the challenge.

In earlier iterations of the pilot script, JJ spoke through an augmented speech device on an iPad, but that “didn’t feel as fun to dramatize,” Silveri says. Then, the producer met a young woman with cerebral palsy (who later became one of the consultants on the show) who uses a communication board like the one JJ uses on the show, and a human aid to verbalize what she is expressing. “They had this great rapport and it was another dynamic to play with, another person to help add to scenes,” Silveri says.

Inspired by his meeting, Silveri created a character, Kenneth, played by comedian Cedric Yarbrough, as JJ’s aide. “Instead of a computer,” Silveri says, “we have one of the funniest guys on the planet.” Because having Fowler use the board can become repetitive and drags out jokes, Yarbrough is given license to speed-read. “If we simply had him reading off the board, realistically we’d get about three pages done for every Wednesday night,” Silveri says, laughing. “You think as a writer you want this blue-sky canvas to do whatever you want, but it’s actually fun to work inside a box. It’s like a puzzle: How are we going to have two characters communicate when only one is speaking, and what’s a fun way to keep it active? Micah is so good and so expressive that a lot of times in editing we will cut the line and just have a look sell it. It worked in the silent movies for a long time.”

That’s what ultimately drew Lewin to Speechless: its unexpected mix of humor and compassion. “I wouldn’t want to work on a show that made you cringe, but I like to work on a show that almost says the wrong thing on a fairly regular basis. It bangs into political incorrectness,” Lewin says, “and that tickles me.”

Source: vulture


chen-zhou-perdeu-as-pernas-depois-de-cair-de-um-trem-com-13-anos-mas-se-esforcou-e-com-sucesso-conquistou-cinco-montanhas-da-chinaChen Zhou perdeu as pernas depois de cair de um trem com 13 anos, mas se esforçou e com sucesso conquistou cinco montanhas da China.

Uma coisa que nos move no Hypeness é a forma como algumas pessoas enfrentam seus problemas, pegam neles pelo colarinho e os ultrapassam, fazendo o melhor possível de suas vidas. O caso de Chen Zhou, um chinês de 26 anos, é um bom exemplo por duas razões: não só nos lembra da bênção que é ter um corpo saudável, como mostra a importância da mente e da força de vontade.

O jovem Zhou perdeu as duas pernas em um acidente com um trem durante a adolescência, mas nunca deixou de acreditar que era possível virar alpinista e escalar montanhas como qualquer pessoa. O seu país natal, a China, é rico em montanhas e, por isso, Zhou não precisou ir muito longe para se desafiar. Após ter tentado a sobrevivência cantando nas ruas e engraxando sapatos, o jovem quis testar seus limites.

Munido de um par de caixas artesanais, que usa para se apoiar e subir os milhares de degraus de pedra que aparecem pela frente nas subidas, Zhou conseguiu o feito de escalar as cinco montanhas mais altas e famosas da China, com locais que chegam a formar ângulos de 90 graus. A mais recente foi a Jianmen Pass, considerada mesmo a mais perigosa do país. Nem isso assustou Zhou, que enfrentou os declives e recebeu os merecidos aplausos no final da jornada.

Dá uma olhada nas fotos e se surpreenda com esse exemplo de superação:

chen-zhou-alpinista-amputado-1

chen-zhou-alpinista-amputado-2

chen-zhou-alpinista-amputado-3

chen-zhou-alpinista-amputado-4

Em uma das partes mais difíceis da subida da Jianmen Pass, Zhou só poderia usar correntes de ferro para se erguer. O vídeo abaixo mostra alguns desses impressionantes momentos:

Source: hypeness

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 17/01/2017

New Florida Guidebook Highlights Wheelchair-Accessible State Parks


inside-favorite-florida-state-parks-youll-find-accessible-cabinsInside Favorite Florida State Parks you’ll find Accessible Cabins

Ripon, CA, January 01, 2017 –(PR.com)– If a trip to Florida is on your travel calendar, then pick up a copy of Barrier-Free Travel; Favorite Florida State Parks for Wheelers and Slow Walkers, ($7.95, C&C Creative Concepts) and prepare to be wowed by the natural beauty and accessibility of some of the Sunshine State’s popular state parks.

Penned by accessible travel expert Candy Harrington, this new travel guide highlights trails, attractions, and lodging options for wheelchair-users and slow walkers in 12 of the author’s favorite Florida State Parks.

Filled with updated access details the book includes information about:

*Accessible Trails and Boardwalks
*An Accessible Glass Bottom Boat in the Florida Keys
*Accessible Wildlife Viewing Opportunities
*Barrier-Free Camping
*Access Details and Photos of Park Cabins
*A Crystal-Clear Spring with a Wheelchair Lift
*Accessible Auto, Tram and Boat Tours
*Discounts on Park Admissions, Tolls and Campsites
*Nearby Accessible Trails and Attractions

Says Harrington, “I’m very impressed with the accessible facilities in these Florida State Parks, including a bounty of accessible boardwalks, and one of the most accessible pontoon boats that I’ve ever seen. I even uncovered an accessible snorkeling tour! No mater what your ability, you’ll be able to get up-close-and-personal with Mother Nature, and even spend the night in some of the parks.”

The book also includes information about recent access improvements, such as the newly renovated historic cabins in Myakka River State Park. “One of the cabbage palm log cabins even has ramp access and a spacious bathroom with a roll-in shower. Even better — it’s surrounded by a pine and palm forest for optimal wildlife viewing opportunities,” adds Harrington.

This inclusive book is the fourth in a series of accessible travel guides to popular destinations throughout the United States. Says Harrington, “Although it’s written for wheelchair-users and slow walkers, moms who have stroller-aged kids will appreciate the access information in this guide. In the end, good access really benefits everyone.”

Known as the guru of accessible travel, Candy Harrington has covered this niche exclusively for over 20 years. She’s the founding editor of Emerging Horizons and the author of several accessible travel titles, including the classic, Barrier-Free Travel: A Nuts and Bolts Guide for Wheelers and Slow Walkers. She also blogs regularly about accessible travel issues at http://www.BarrierFreeTravels.com.

Barrier-Free Travel; Favorite Florida State Parks for Wheelers and Slow Walkers ($7.95, ISBN: 978-0998510309) is available at http://www.BarrierFreeFlorida.com.

Source: Sat Press Release


fernanda-schacker-machado-e-formanda-em-design-grafico-na-ulbra-apaixonada-por-tudo-que-envolve-criatividade-e-imaginacaoFernanda Schacker Machado é formanda em Design Gráfico na ULBRA. Apaixonada por tudo que envolve criatividade e imaginação.

A importância dos livros em nossas vidas é e deve ser tamanha que eles não podem estar restritos somente às pessoas que não enfrentam qualquer dificuldade para conseguir os ler. Seja por questões motoras, intelectuais ou visuais, o fato é que os leitores com necessidades especiais precisam ser contemplados pelas editoras na hora de fabricarem seus livros – e essa é a premissa do Guia de diagramação para um livro acessível, da designer gaúcha Fernanda Schaker.

Um dos destaques do III Fórum Municipal de Acessibilidade e Inclusão Social realizado na Feira do Livro de Porto Alegre, Fernanda – que é ela própria portadora de Síndrome de Down – explica o que se pode fazer para para transformar os livros em objetos mais acessíveis, e como a produção editorial pode incluir aqueles que possuem necessidades especiais.

E os exemplos são diversos: pensar a gramatura do papel para que ele não se danifique caso precise ser manipulado por uma ferramenta especial, um clipe de arame que possa manter o livro aberto, a escolha da fonte, dos padrões de alinhamento e os limites do texto melhores aplicados para ajudar alguém com dificuldades visuais, e muito mais.

o-livro-possui-ainda-uma-especie-de-sobrecapa-que-possibilita-que-ele-fique-apoiado-de-pe-numa-inclinacao-de-20oO livro possui ainda uma espécie de sobrecapa, que possibilita que ele fique apoiado de pé, numa inclinação de 20º.

A publicação ainda não possui editora, e nasceu do mais sincero e nobre sentimento: a autora gostaria de, através do amor que ela própria possui pelos livros, ajudar outras pessoas. E foi para isso que ela cursou design gráfico: para criar o guia, e tornar o livro algo ainda mais libertador, para mais pessoas, que poderão, através de suas páginas especiais, superar qualquer limite.

Fonte: hypeness


grupo-de-turistas-israelies-en-sillas-de-ruedas-visito-por-primera-vez-paracas-machu-picchu-y-el-lago-titicacaGrupo de turistas israelíes en sillas de ruedas visitó por primera vez Paracas,  Machu Picchu y el lago Titicaca

Un grupo de turistas israelíes en sillas de ruedas visitó por primera vez el Perú, a través de sus principales destinos como Paracas, Machu Picchu y el lago Titicaca, gracias a las gestiones de la Oficina Comercial del Perú en Tel Aviv (OCEX Tel Aviv), como parte de su plan estratégico en el campo del turismo.

Cabe destacar que nuestra oficina ha venido promoviendo un número de nichos turísticos con potencial en el mercado israelí, entre ellos el turismo accesible o el turismo para gente con limitaciones físicas.

Se trata de un segmento en expansión a nivel mundial debido al incremento de la población, la mejora en los ingresos que percibe este grupo debido a la existencia de leyes de carácter social promulgadas en las últimas décadas, los avances tecnológicos, así como la presencia de más facilidades y servicios para este sector. Este mercado en Israel constituye el 18% dela población total.

La mayoría de estas personas son profesionales y son activos en el campo laboral. Muchos de ellos tienen interés por conocer nuevos lugares y presentan los medios económicos para hacerlo.

En Perú, conocedores y conscientes del turismo accesible, se han venido realizando cambios en la infraestructura y servicios del país para atender a este grupo y sus necesidades.

Fuente: Portal de Turismo

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 16/01/2017

Atleta paralímpica obrigada a urinar nas calças em viagem de comboio


a-mulher-partilhou-a-sua-historia-para-consciencializar-as-pessoas-para-as-dificuldades-que-pessoas-como-ela-enfrentam-todos-os-diasA mulher partilhou a sua história para consciencializar as pessoas para as dificuldades que pessoas como ela enfrentam todos os dias.

A atleta paralímpica Anne Wafula Strike afirmou hoje que foi obrigada a urinar nas próprias calças durante uma viagem de comboio porque este não tinha casa de banho para pessoas com deficiência.

A atleta de carreira de rodas britânica estaria numa viagem de comboio de Coventry para Essex quando tudo aconteceu.

A mulher de 42 anos conta que tentou usar a casa de banho para deficientes mas que a mesma estava fora de serviço e que a sua cadeira de rodas não lhe permitia aceder a nenhuma das outras casas de banho.

Em entrevista à BBC, a atleta conta que se sentiu obrigada a urinar na mesma e que tapou a cara com vergonha que alguém a reconhecesse. Depois, contou o que se passara ao revisor.

Este terá, segundo a própria, ficado igualmente envergonhado com a situação e combinou que a iriam retirar do comboio na paragem seguinte para a ajudar. Contudo, até para sair do comboio, Anne enfrentou dificuldades dado que o comboio não possuía as plataformas próprias para os deficientes saírem do veículo.

A mulher partilhou a sua história para consciencializar as pessoas para as dificuldades que pessoas como ela enfrentam todos os dias.

Fonte: Notícias ao Minuto


mais-do-que-recuperar-os-movimentos-do-braco-perdido-ter-uma-protese-de-um-super-heroi-e-uma-grande-realizacao-para-criancasMais do que recuperar os movimentos do braço perdido, ter uma prótese de um super-herói é uma grande realização para crianças

Nós já falamos aqui no Hypeness sobre algumas crianças com deficiência física que agora usam próteses incríveis inspiradas em super-heróis – reveja aqui. A boa notícia é que agora mais crianças poderão ser auxiliadas por próteses assim, já que a startup Open Bionics, que desenvolve próteses impressas em 3D, anunciou uma parceria com ninguém menos que a Disney.

Com esse acordo, espera-se que, em breve, próteses inspiradas em Iron Man, Frozen e em Star Wars sejam disponibilizadas. Os movimentos são gerados com impulsos do próprio músculo da criança e os aparelhos também terão luzes LED para a verificação de seu funcionamento. Segundo o Independent UK, o preço não deve passar de US$ 500 – vale lembrar que as próteses tradicionais podem custar mais de cinco vezes esse valor, demoram mais para ficar prontas e não são nem um pouco divertidas.

A grande vantagem é que próteses assim têm o poder de transformar a deficiência em um superpoder! “De repente, as crianças não são perguntadas sobre como perderam uma mão, mas serão perguntadas sobre como ganharam uma mão robótica tão legal, como se sentem, e como ela funciona. É uma mudança de 180 graus e o que era visto como uma fraqueza dessas crianças passa a ser entendido como sua maior força“, afirmam os responsáveis pelo projeto.

Dessa forma, em vez de se sentir estranha por não ter um braço, por exemplo, a criança tem mais facilidade para se socializar e consegue ter uma melhor auto estima – afinal, quem não quer ser amigo de um garoto ou garota que tem um braço de super-herói?

proteses-de-bracos-tematicos-da-marvel-frozen-da-disney-e-star-warsPróteses de braços temáticos da Marvel, Frozen da Disney e Star Wars

sentindo-se-como-avenger-sydney-e-jedi-loganSentindo-se como Avenger Sydney e Jedi Logan

Fonte: hypeness


collette-divitto-tem-sindrome-de-down-e-por-muitos-anos-nao-conseguiu-encontrar-um-emprego-ate-que-decidiu-abrir-seu-proprio-negocioCollette DiVitto tem síndrome de Down e, por muitos anos, não conseguiu encontrar um emprego – até que decidiu abrir seu próprio negócio.

A jovem Collette Divitto, de Boston, EUA, tem paixão por cozinhar desde seus 15 anos de idade. Aos 22, já com experiência na área, começou a espalhar currículos e ir em entrevistas de emprego – nas quais levava seus cookies para degustação. Porém, sempre era rejeitada para as vagas. Começou a suspeitar que a razão para isso seja a sua síndrome de down.

Mas ela não se deixou abalar por isso. Junto com a mãe e a irmã mostrou que não precisa trabalhar para quem não a queira e que pode ser a sua própria chefe. Ela abriu o próprio negócio, a Collettey’s Cookies.

A empresa é especializada em fazer cookies. Logo que abriu, recebeu o pedido de um mercado local que queria revender seus cookies de chocolate com canela. A princípio, ela fazia 100 cookies por semana para o cliente. Mas Collette apareceu em uma matéria do canal CBS e acabou atraindo mais clientes. Hoje, chega a receber mais de 10 mil pedidos.

Por causa disso, Collette já está a procura de mais funcionários para ajudá-la no trabalho. E avisa: dará preferência para pessoas portadoras de deficiências como ela. Assim, ela dará a oportunidade que muitos lugares não dão e abrirá mais portas para quem tem dificuldades de encontrar emprego.

Fonte: ONDDA


Alas, there's no mention of handicapped facilities on Amtrak's siteAlas, there’s no mention of handicapped facilities on Amtrak’s site

Q: I can’t get a refund from Amtrak for its inappropriate “handicapped” room on the Empire Builder from Chicago to Glacier National Park.

The room was not safe; there was no room for a wheelchair, no grab bars, and no safety bars on the toilet. There was no room for two people to sit and eat at the same time, and since my husband and I were downstairs and far from the dining car, this is where we had to have all meals. Also, there were sharp metal protrusions that injured both my husband and me.

After three months of e-mails to the CEO, chief operating officer and my travel agent, the only offer I got was a voucher on a future trip.

I would like at least a 50 percent refund. I can’t travel on Amtrak again because the room was not safe or comfortable for my disabled husband. I would accept a $500 check, but not a voucher for travel that I can’t use.

A: I’m sorry about your unhappy experience on Amtrak. The Empire Builder is a 46-hour train ride through some of the most beautiful parts of the American West. In Amtrak’s promotional material, it invites you to “experience the rugged splendor of the American West” by traveling along major portions of the Lewis and Clark trail and following the footsteps of early pioneers.

OK, I have to admit, this one’s on my bucket list.

Alas, there’s no mention of handicapped facilities on Amtrak’s site. A little research will reveal that Amtrak offers a “Superliner Accessible Bedroom,” a lower-level room with enough space for a wheelchair. The room spans the entire width of the train and is designed for use by two adults: a passenger with a mobility impairment and a companion.

You should have reasonably expected facilities associated with a handicapped-accessible room, including grab bars and no sharp, protruding objects. Amtrak should be grateful that you pointed out these dangers and ought to fix them. But I’m not sure if anything can be done about the distance from the dining car. That may be a design limitation.

By the way, if you’re thinking of taking a lengthy train trip, you may want to check Amtrak’s 3-D tour feature on its website. You’ll get a pretty good idea of what to expect.

A brief e-mail or letter to Amtrak should have quickly addressed your problems. After your travel agent got involved, the company offered a $500 credit toward a future Amtrak trip, which was unacceptable. After your misadventures on the Empire Builder, why would you and your husband try Amtrak again? I would recommend driving in your own car next time.

I contacted Amtrak on your behalf, and your travel agent also worked hard for a resolution. After some negotiations, the carrier agreed to refund $500.

Source: StarTribune


janis-mcdavid-nasceu-na-alemanha-e-tem-24-anos-pesa-30-kg-e-mede-cerca-de-1-metro-de-alturaJanis McDavid nasceu na Alemanha e tem 24 anos, pesa 30 kg e mede cerca de 1 metro de altura.

Janis McDavid, 25, nasceu sem braços e pernas. Mas mesmo assim cursa a universidade, dirige um carro e viaja pelo mundo. Hoje ele está dando início à sua carreira. Como ele faz isso?

Ele não gosta de receber seus convidados em pé. Ele nunca está mais alto que seus umbigos e essa não é uma sensação agradável.

Mas desta vez McDavid não teve escolha. Não há elevador no apartamento onde ele fica quando está em Berlim, e seus amigos não podem carregar sua cadeira de rodas elétrica de 120 kg pelas escadas. Assim, McDavid estava no velho piso rangente de madeira no corredor do apartamento. Ele olha para cima, estende o coto de seu braço direito em saudação e sorri: “Oi, sou Janis”.

O jovem sabe que incomoda muitas pessoas quando o veem pela primeira vez. Afinal, ele não tem braços e nem pernas, de modo que muitas pessoas consideram isso desconcertante. “Tenho que ajudá-las a relaxar”, ele diz. Em situações como essa, ele faz um esforço adicional para passar uma sensação de normalidade e autoconfiança.

Às vezes as pessoas até mesmo lhe perguntam se ele pode segurar seus casacos por um segundo. “Essa é a melhor coisa que pode acontecer comigo”, diz McDavid, porque aí ele sabe que conseguiu de novo impedir que sua deficiência assuma o papel principal em sua vida.

McDavid se arrasta até a mesa de jantar, dobra seu torso sobre uma cadeira e sobe com um impulso. Agora ele finalmente está à altura dos olhos.

mcdavid-mora-em-uma-republica-de-estudantes-em-berlim-alias-foi-com-seus-companheiros-de-apartamento-que-janis-viajou-para-asia-de-feriasMcDavid mora em uma república de estudantes em Berlim, aliás, foi com seus companheiros de apartamento que Janis viajou para Ásia de férias

“Quando era menino, sempre quis ser um policial de motocicleta”, ele diz, mas então viu a si mesmo em um espelho de corpo inteiro certa manhã e seu sonho acabou. Um policial sem braços e pernas? McDavid tinha oito anos quando de repente entendeu sua deficiência. “Foi um choque”, ele diz.

Na adolescência, ele tinha vergonha da forma como subia as escadas pulando e evitava sair em público sem uma cadeira de rodas. Mas então ele percebeu que seu embaraço era uma limitação adicional, assim como o mau humor. “Eu poderia me incomodar com muitas coisas”, diz McDavid, “mas não me faria nenhum bem”.

Ele geralmente consegue manter a calma quando, por exemplo, um grupo de pedestres passa correndo por ele para tomar o elevador na estação de trem, fazendo com que ele perca de novo sua conexão. Quando ele fica furioso, ele o faz em casa, onde ninguém pode vê-lo.

McDavid tem um apartamento adaptado para deficientes na cidade alemã de Bochum, no oeste. Em Berlim, onde ele gosta de passar grande parte de seu tempo, ele fica com amigos em um prédio de apartamentos de antes da guerra. Seus amigos sempre deixam as portas no apartamento ligeiramente entreabertas, porque McDavid tem dificuldade em alcançar a maçaneta.

Uma dúzia de pares de sapatos de amigos se encontram sobre a velha salamandra na sala de estar. “Fico feliz por não precisar de sapatos”, diz McDavid rindo, “eu teria milhares de pares”. O humor o ajuda a levar o dia. “Posso rir de mim mesmo”, diz McDavid, “e essa é uma das minhas habilidades mais importantes”. Mas mesmo assim a vida cotidiana permanece difícil.

apesar-de-viver-em-um-pais-de-primeiro-mundo-janis-diz-que-algumas-pessoas-chegam-a-trocar-de-calcada-quando-o-veem-na-rua

Apesar de viver em um país de primeiro mundo, Janis diz que algumas pessoas chegam a trocar de calçada quando o vêem na rua.

McDavid não pode simplesmente sair para qualquer lugar. Se deseja cruzar Berlim de ônibus ou trem, ele primeiro seleciona várias rotas alternativas, para o caso de um elevador não estar funcionando em uma das estações onde precisa trocar de trem. Se deseja comer fora, ele telefona de antemão para saber se o restaurante não possui obstáculos.

“Às vezes gostaria que as coisas fossem mais simples”, ele diz, que ele pudesse, por exemplo, embarcar facilmente em um bonde quando estivesse chovendo, sem que as rodas de sua cadeira escorregassem.

Algumas pessoas o encaram ou atravessam para o outro lado da rua quando o veem, mas ele aprendeu a não dar atenção a elas. “Se algo tem o potencial de prejudicar minha autoconfiança, apenas ignoro”, ele diz.

É uma estratégia que ele teve que ensinar a si mesmo, assim como muitas outras: ele prende gentilmente a borda do copo de suco entre seus lábios, o ergue com a ajuda de seu braço direito curto e o equilibra ali enquanto bebe.

Ele come sem talheres, usando seus lábios. Ele escreve com sua boca, segurando a caneta entre seus molares, sempre no lado direito, porque não consegue escrever com seu lado esquerdo. Para vestir suas camisas, ele as levanta com uma vara, aproximadamente do mesmo comprimento que o braço que ele não tem. E então as desliza sobre sua cabeça.

Ele descobriu tudo isso por conta própria, já que não muito podia ser aprendido com outros. Nas festas de aniversário na infância, ele geralmente era tanto o herói com a cadeira de rodas bacana quanto o estranho que tinha que responder perguntas sobre seus membros ausentes.

McDavid tem quatro pais: dois em Hamburgo, que são seus pais biológicos, e dois em Bochum, onde ele cresceu. Talvez tenha sido a maior sorte de sua vida o fato de seus pais biológicos o terem colocado sob os cuidados de profissionais, porque não podiam se ver criando um filho sem braços e pernas. “Meus pais em Bochum me ajudaram enormemente ao não me ajudarem”, diz McDavid. Não havia canudos em casa e, ao menos inicialmente, também não havia elevador.

Quando ele estava na quinta série e sua classe saiu para uma excursão para andar de trenó, é claro que McDavid foi junto. Ele foi preso a um trenó com um capacete na cabeça e um de seus colegas de classe conduziu o trenó. “Teria sido muito mais perigoso para mim ter ficado em casa”, ele diz, porque teria sucumbido à solidão e preguiça, e não teria se tornado o combatente que é hoje.

McDavid pode dirigir usando uma van especialmente modificada, pode inspirar outros e é um ávido viajante. Ele já esteve no Brasil, Vietnã e Mianmar, e visitou Cuba com amigos em suas últimas férias. Ele está determinado a descobrir um novo país a cada ano. “Não me permito ficar parado”, ele diz.

os-pais-de-mcdavid-sempre-deram-muita-liberdade-e-incentivo-isso-e-de-fato-imprescindivel-para-qualquer-pessoa-com-deficienciaOs pais de McDavid sempre deram muita liberdade e incentivo. Isso é de fato imprescindível para qualquer pessoa com deficiência.

Há, entretanto, coisas que ele simplesmente não pode fazer: abrir uma porta, por exemplo, ou pegar algo na prateleira do supermercado. Ele não pode tomar uma ducha sozinho. E não pode passar despercebido nas ruas.

Apesar de se recusar a ser fraco, ele com frequência precisa pedir ajuda, algo que às vezes o incomoda um bocado. Há dias em que McDavid não sai para fazer compras por não ter a energia para pedir com humor e confiança que a mulher no caixa pegue o dinheiro na carteira dele.

E há dias em que as pessoas o ajudam sem lhe perguntar se ele precisa ou deseja. Nos restaurantes, elas espetam a batata no garfo e tentam alimentá-lo. Isso o irrita ainda mais.

McDavid está estudando economia na Universidade Witten/Herdecke, na região do Ruhr, no oeste da Alemanha. Ele também faz palestras motivacionais por toda a Alemanha e está prestes a iniciar uma turnê promocional para seu novo livro. Ele gostaria de demonstrar que todos podem fazer algo de suas vidas, e que as pessoas com deficiências com frequência podem se superar se ninguém as atrapalhar.

“Sou muito afortunado porque gosto do que faço e porque posso fazer uma diferença”, ele diz. Apesar do sucesso pessoal, isso não se traduz em sucesso financeiro. Apesar de McDavid trabalhar, ele precisa fazer sua contribuição mensal ao escritório de bem-estar social para compensar o Estado pela ajuda que recebe, além de arcar com parte dos custos por sua cadeira de rodas e carro especialmente modificado.

Mas o governo alemão está planejando introduzir uma nova lei que melhorará a situação para pessoas com deficiências e, a partir de 2017, permitirá a elas economizarem mais do que o teto atual de 2.600 euros (cerca de R$ 9.600) antes de precisarem contribuir. Todavia, se ainda precisarem de apoio, suas contas de poupança terão um teto de 27.600 euros, o que dificultaria a realização de sonhos maiores. Se uma pessoa inválida ou deficiente tem mais que isso em sua conta de poupança, o Estado não fornecerá assistência.

McDavid é gay, e caso decida algum dia viver com alguém, a renda e ativos de seu parceiro também seriam levados em consideração pelo Estado. A expectativa é de que isso não mudará antes do ano 2020, e mesmo lá, a mudança afetaria apenas um pequeno número de pessoas deficientes.

“Sou deliberadamente mantido pobre e solteiro”, diz McDavid. Mas ele não soa amargo, pois isso não lhe ajudaria. Mas às vezes ele gostaria de poder bater com o punho na mesa.

Fonte: UOL

Older Posts »

Categorias

%d blogueiros gostam disto: