Publicado por: Ricardo Shimosakai | 06/05/2015

França sem Fronteiras. Acessibilidade numa encantadora viagem em grupo.


frança sem fronteiras

Para informações detalhadas, clique em cima da imagem o no link a seguir https://turismoadaptado.wordpress.com/2015/04/29/franca-sem-fronteiras-a-acessibilidade-numa-viagem-encantadora-saida-em-13092015/

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 07/07/2015

India Matters: Finally, Signs of Inclusive Tourism


People with disabilities join us on a special journey as we look at initiatives that are Enabling India.People with disabilities join us on a special journey as we look at initiatives that are Enabling India.

The steps that are making travel possible for more people and changing the framework, moving beyond disability to focus on accessibility

An enabling environment benefits nearly 46 per cent of the population, which includes senior citizens, people with disabilities and children.

32-year-old Satish Navle, who is visually impaired, is an adventurous traveler. Based in Pune, he is currently on his fourth visit to Delhi. In the last 15 years, the radio producer has undertaken 55 solo journeys to Kashmir, Kanyakumari, Assam, and Arunachal Pradesh among others.

A radio producer and blind education researcher, Navle said, ” When I went to Jallianwala Bagh, I saw those bullet marks on the walls and understood what people went through when General Dyer was firing at them. Nothing can be more exciting than visiting the place and experiencing the environment. Take the case of cricket. One can watch cricket on TV, but why do nearly 60,000 people go to stadiums and watch cricket live. We cannot get this feeling in books.”

There are over a billion people with disabilities worldwide. According to Lonely Planet, the world’s largest travel guide publisher, 50% of people with disabilities would travel more if suitable facilities were available to them wherever they travelled.

“The thing about tourism and travel is that it’s a great way for the family to be together. You have a family member with a disability and persons without and it’s very difficult. I have lots of friends with disabilities who can afford it, prefer travelling abroad, because they find it so accessible. I went to the museums in Chicago and other places and I saw so many people using wheelchairs, many children with intellectual disabilities everywhere. And I just thought, there are there so many people with disabilities in United States. And it was only after that  I started working with disabilities and realised that there are probably more people with problems of disabilities in India,” says Amba Salelkar of  Disability Rights.

A disability can happen to anyone at any time. Sminu Jindal, Managing Director of Jindal SAW, became a wheelchair user after a car accident at the age of 11. A frequent international traveler, she is a champion for the cause of accessibility. Svayam, an NGO founded by her, has worked as consultants with the Archaeological Survey of India (ASI), to make world heritage sites in Agra and Delhi barrier free.

After eight years, she returns with us to Agra to take stock of the achievements at the historical landmarks of Taj Mahal and Fatehpur Sikri.

We see Braille signage and audio guides that help to explain the historical significance of the site to the visually impaired. The audio guides in different languages are very useful for both domestic and international tourists who do not understand Hindi or English.

Wooden ramps have been placed to avoid permanent alterations to the heritage site. They are practical and have the right gradient for wheelchairs.

It is possible to wheel around the compound and absorb the beauty of the Taj. However, the ramps only connect to the first level of the marble mausoleum. There are about 25 steps leading up to the main mausoleum which is inaccessible to them.

Sminu has enjoyed her tour. “This is my first time I went up really close. For me it’s a very emotional moment to actually go there and see Taj once again, it’s a national heritage and we all are so proud of it. I really want to thank ASI to think about it in such an open fashion and make it accessible to all and everyone be it a pregnant woman, an old women or disabled person. Seeing places with so much accessibility actually gives a lot of people hope and that hope is priceless. This makes India come across as a very friendly country, this is a country where people enjoy the soul more than the body. “

Svayam has suggested that the ASI use a hydraulic lift to make the main mausoleum accessible to wheelchair users.

Dr Bhuvan Vikrama, Superintending Archaeologist of ASI, Agra Circle, says,” It was considered long back. But it was because of the dimensions involved, some new inclusions were involved. At that time it was not found feasible. Maybe with the new technology, when they become sleek and less intrusive. I mean that is going to be in the view so the total balance of the structure is going to be hampered with that.”

We had other concerns regarding accessibility. The battery powered vans which take tourists to the Taj Mahal from the parking area do not have ramps. The vans, operated by the Agra Development Authority, run in the zero emission zone which ends 1 km from the Taj.

There are no tactile blocks leading the visually impaired to the braille signage.

Though there is a designated accessible toilet at the Taj, the ramp leading to it is steep. Worse, we found it poorly maintained, making it user-unfriendly to all, let alone wheelchair users.

In response, Dr Vikrama said he would look into the issues. About the toilets, he said the maintenance agencies would be contacted.

The Fatehpur Sikri group of monuments in Agra, also a world heritage site like the Taj, is almost fully accessible and Sminu covers the vast expanse on her wheelchair.

While the ASI works on gradually making all monuments under them accessible, many hotels are working on providing tourists accessible accommodation

Amit Manga, an entrepreneur and independent business traveler, accompanies us to the Lemon Tree Hotel Company that is redefining the term accessibility.

A young and award winning hotel chain, the company has upscale, midscale and economy hotels.

Amit will be examining an accessible room in their economy brand, Red Fox Hotels.

Amit says he is satisfied by the hotel’s accessibility standards. “The first thing I noticed was the flooring and that is fantastic. It has to be wooden, non-carpeted flooring or a marble flooring. That’s very essential for the wheelchair to move around conveniently and smoothly. The bed height is perfect and the most essential part is the washroom. It was large, it’s got grab rails all around and the height of the vanity counter is right. Even the shower is a roll in shower. There and no steps, no edges. Closet also, they have got a shelf which is at a height easily accessible by a wheelchair user. Many hotels overlook these little things.

Amit suggests that the chairs in the room be traditional ones with armrests as guests like him would feel more secure when seated in them.

He says he is familiar with experiencing disappointment with so called accessible hotels.

Hotels do have guidelines but they don’t have compliance. In the west, they have very strict compliance issues. A ramp has to be of certain gradience, opening of the door has to be of certain width. There are too many variables in India.

Accessibility is an integral part of the Lemon Tree business model. About 13 per cent of the employees, that is nearly 400 of the 3,000, are people with disabilities. Most of them are hearing and speech impaired, and general managers in the chain are expected to learn sign language to communicate with them. The company has now started taking people who are orthopedically impaired and those with Down Syndrome. The inclusive work policy has sensitized the staff to the needs of guests with disabilities.

Aradhana Lal, Vice President, Sustainability Initiatives at The Lemon Tree Hotel Company, said, “If we bring awareness, I don’t see why any hotel company wouldn’t bring in accessibility because it makes so much business sense. You open yourself up to such a huge customer base that you were not open to.”

Accessible tourism is seen as the fastest growing business opportunity in the tourism industry. In North America alone, people with disabilities spend more than $13 billion each year on travel. While there are positive changes across all sectors, accessible tourism is an evolving knowledge universe. Take for instance, airlines, which are learning to meet the special needs of passengers.

Samuel Mani, who has cerebral palsy, is at the airport to experience the services extended by Indigo airlines to passengers with disability or a medical condition.

The airlines would like the passenger or his family to inform customer care in advance about the nature of the assistance required.

Mani is met by the ground airline crew.

“I am Japneet, Indigo Employee. I will be here to escort you till the airplane. Thank you.”

A key question often is whether the passenger would like to be transferred to the airline wheelchair. But Mani, who uses a wheelchair customised for him, is most comfortable in his own wheelchair. For most people living with disabilities, the wheelchair is like an extension of their body.

He is wheeled to the check in counter for his boarding pass and taken for a security check.

Attendants now take him towards the boarding area. The ramps at the airport seem steep and a wheelchair user would not have been able to negotiate them on their own.

The airline buses have ramps which not only help wheelchair users but all passengers with reduced mobility, like senior citizens.

Once he is taken off the bus, Mani is shifted to a narrow aisle wheelchair. His wheelchair will be folded and carried separately.

Perhaps the most innovative are the zigzag boarding ramps to the Indigo aircraft. They are the only airlines to have them, and the ramp allows wheelchairs and stretchers to be taken into the aircraft effortlessly.

Since the aerobridge is not always available on domestic flights, Mani tells us other airlines lift him up bodily along with the wheelchair which scares him.

The airline is also the only one to have a braille menu.

Samuel Mani, who is CEO of Neutron Computers and Founder of Yes! We Can, said, “It was a very good experience; it was a positive change and being in India positive changes are very few.”

Indigo follows a proactive policy to ensure the best service and accessibility to their passengers with disabilities who are also paying customers. At the training school, cabin attendants, pilots and other staff go through an eight hour training module.

In recent weeks there have been complaints against Air India for a faulty wheelchair and Indigo for deplaning a deafblind passenger and there is learning for all concerned. Take into account the fact that there is a high turnover of airport attendants who are outsourced and the fact that there are diverse disabilities with diverse needs.

More detailed communication of the passengers’ needs to the airlines by the family would also help.

Accessibility means different things to different people. For a wheel chair user, it’s a ramp, a non-slippery surface. For somebody who is blind it might mean tactile tiles, audio guides. For deaf person, its visual signals, a sign language interpreter. For someone who is intellectually challenged, it will be safe spaces, and prevention of very loud noises or bright lights.

City transportation plays a key role in experiencing the world. Nikhil, Gajendra and Goldy come with us for a ride on the Delhi metro.

The three have spinal cord injuries. Gajendra fell from a tree, Goldy was in a bike accident, and Nikhil in a swimming pool accident. Though they have no power in their fingers, they have trained themselves to operate their manual wheelchairs and are regular users of the metro. They find the metro accessible but say it would be better if the coaches had ramps and easy to use seat belts.

Nikhil Kumar Gupta, who is senior quality assurance engineer at Oracle, said, “In many places, there is a height difference between the platform and the metro door. So we have to essentially lift up our wheelchair. Sometimes we can manage it. At other times we have to wait for someone to support us. Only then we will be able to enter. We all are trained but not all wheelchair users are trained for doing that.”

The designated wheelchair spaces are in the ladies coach.They find it convenient, since the ladies coach has more space than the others and they are able to get the back support they need. But occasionally there is a problem.

“Sometimes we are not allowed to travel in the ladies coach. The guard asks us to get up from the wheelchair just to check whether we are actually disabled or not. There is no awareness about the fact that if someone is on a wheelchair, he just cannot stand up,” says Nikhil.

22-year-old Anmol, a student at the Noida Deaf Society, is happy with the LED visual signals. Through sign language, he communicates that he finds the Metro easy and convenient.

We notice that tactile tiles that help the visually impaired are missing at a couple of metro stations.

A welcome development is that movie theatres are becoming accessible.

At the Inox Eros theatre, Gajendra and Goldy are joined by Shishir Bhatnagar a maritime consultant who was injured in a swimming pool accident.

The three are happy that the theatre has no steps anywhere, that there is an accessible lift and toilet. Orders for snacks can be taken both inside the theatre and in the lobby by the theatre staff.
There is a wooden ramp inside the theatre. But Shishir points out that it is steep and they need help wheeling over it. The management promises to build a new one.

Shishir points out, “It’s very important that they take feedback from the actual wheelchair users. Often I have seen a place is made accessible by somebody who doesn’t know anything about accessibility. It’s like a loop because the cinema halls would say why should we put ramps you know people in wheelchairs anyway don’t come to see movies. But because it’s not accessible they don’t come. So till you put in ramps they are not going to come. It is the same with restaurants and shopping places.”

Alok Tandon, CEO, INOX Leisure Ltd, said, “I would say that all our new properties, all the properties that we have designed from as a green field project are accessible. There are a few properties which we have acquired over a period of time. There too we ensure that at least one or two auditoriums are wheelchair friendly.”

While accessibility is the rising travel trend, finding critical information regarding accessible travel is tough. To meet this need, Mumbai entrepreneur Yeshwant Holkar has launched the country’s first online travel platform for people with disabilities. Umoja.in is like a search engine for people to find hotels that can meet their accessibility needs.

Yeshwant Holkar, CEO and Founder of UMOJA, says, “I realized that there are so many people actually that need this. There are 1.1 billion people in the world with disabilities so why not try and leverage technology to provide this kind of information for people who need it so that they can really travel with confidence.”

Mr Holkar believes that while a number of hotels may not yet be universally accessible, they have put in the work to become accessible to certain categories. The guest wins, the hotel wins.

“We are actually opening up to any hotel in India that would like to understand how accessible they are and for what type of disability they are accessible we are inviting them to come on the site download our app or we can send them an offline version of the assessment and we will provide them a comprehensive absolutely free report of  exactly how their hotel is accessible,” he says.

Umoja.in wants to become a marketplace for accessible restaurants, taxi services, health care providers, professional caregivers, and equipment rentals. Clearly these initiatives across different sectors will unlock travel for many people. It’s a signal that accessibility’s time has come.

Source: NDTV

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 07/07/2015

Cadeirante de São José embarca em aventura ao Deserto do Jalapão


Aventura inclui trilhas de handbike e rafting pelas corredeiras do Rio Novo. ‘Expedição Inclusiva’ conta ainda com participação de deficiente visual.Aventura inclui trilhas de handbike e rafting pelas corredeiras do Rio Novo. ‘Expedição Inclusiva’ conta ainda com participação de deficiente visual.

Depois de completar o Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, o paraesportista de São José dos Campos (SP), Evandro Bonocchi, de 39 anos, encara uma expedição radical ao Jalapão (TO), conhecido como deserto brasileiro.

O projeto “Expedições Inclusivas” conta com ao menos oito pessoas que percorrerão 30 quilômetros de trilhas de mountain bike e rafting pelas corredeiras do Rio Novo. Entre os membros da equipe está também o deficiente visual Eduardo Soares. O objetivo do grupo é mostrar aos deficientes que é possível praticar esportes como montanhismo, canoagem, escalada, ciclismo, entre outras atividades.

“Queremos mostrar ainda para as comunidades locais como proporcionar o turismo inclusivo, que necessita apenas de medidas simples de adaptação, como rampas de acesso e boa vontade. O pior olhar que pode ser lançado a um deficiente é um olhar de piedade”, disse o paraesportista.

Evandro ficou paraplégico há 10 anos, depois que um acidente de moto provocou uma lesão na medula espinhal. Ele, que desde criança praticava atividades físicas, procurou os esportes adaptados, passando pelo basquete e a handbike, que é a bicicleta pedalada com os braços.

“Nunca entrei em desespero, mas sem dúvida a handbike foi minha libertação, participei da minha primeira maratona em 2011 em Nova Iorque. E no mesmo ano procurei esportes sem rodas, foi então que encontrei o rafting”, contou ao G1.

Para enfrentar os desafios radicais, além do apoio da esposa e do filho de 2 anos, Evandro conta com o acompanhamento de profissionais especializados em cada modalidade.

“Minha deficiência é minha motivação, a palavra superação já não se encaixa na minha vida. Vejo a superação em um pai que trabalha num carrinho de pipoca para pagar os estudos do filho, por exemplo. O que eu quero é incentivar as pessoas, com deficiência ou não, a entrar de cabeça em uma aventura, se proporcionar viver”, concluiu.

Fonte: G1

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 06/07/2015

San Rafael ofrecerá un menú hecho en Braille


Los comerciantes sólo deben solicitar la confección.Los comerciantes sólo deben solicitar la confección.

En unos días, varios restaurantes de San Rafael ofrecerán el menú impreso en lenguaje Braille, como parte de una propuesta de inclusión para las personas no videntes. Así, los ciegos o disminuidos visuales que asistan a estos lugares podrán leer por el tacto, deslizando sus dedos sobre la cartilla especialmente diseñada, sin necesidad de contar con otra persona que lo haga por ellos.

Se trata de ocho locales gastronómicos del centro sanrafaelino que se enteraron el año pasado del proyecto presentado por la concejal Cristina Da Dalt, por el cual se ofrecía hacer las cartas de los restaurantes y cafés en el lenguaje Braille para que los ciegos y amblíopes pudieran leerlas por sí mismos. Se contactaron y apoyaron la iniciativa para mejorar la atención de sus negocios.

La edil en contacto con Germán Ejarque, presidente del Consejo Provincial de la Persona con Discapacidad, acordaron que sería esta última entidad la encargada de hacer los menúes. Luego de ser aprobada la ordenanza N° 11.688, se pusieron en campaña de recolectar las cartas de los restaurantes, café y bares que quisieran formar parte de esta iniciativa que también aporta una ayuda más al turismo.

Ejarque ofreció la traducción y confección gratuita de las cartas, y ahora ocho comercios gastronómicos recibirán las suyas en Braille. “Sin la ayuda de Germán hubiese sido imposible sortear el problema”, señaló Da Dalt.

Ahora, la propuesta busca hacerse extensiva a todo el departamento, incluso en lugares turísticos como son Valle Grande y Los Reyunos, de gran afluencia de visitantes durante todo el año. Para ello, se abrió un registro en el que los titulares de los comercios -bares, cafés, restaurantes- se podrán inscribir y presentar sus menúes originales para que sean pasados al lenguaje Braille.

“Lo ideal es que la gente de los locales acerque su menú original, o si no veremos qué sistema ponemos para recolectarlos”, afirmó la edil.
“Se trata de una carta por restaurante, que no tendrá costo para los propietarios de los comercios, ya que la idea es que nuestra ciudad que es turística sea también destacada por ser inclusiva”, contó a Los Andes, Da Dalt.

Pero para poder llegar a este momento, previamente debieron sortear varios inconvenientes, como el conseguir quien confeccionara las cartas. “No conseguimos traducir y confeccionar el material en San Rafael, fuimos a la escuela Dante Gicolini (de ciegos y amblíopes), pero no tenían la máquina para poder hacerlo”, expresó la concejal.

Las cartillas, finalmente, pudieron ser traducidas y confeccionadas en la ciudad de Mendoza, por la Asociación Unir Redes, que se encargó de las transcripciones, que luego los dueños de los restaurantes tendrán en sus mesas y sólo deberán agregarle la tapa con el nombre de cada local.

La incorporación de estos menúes permitirá a los ciegos no depender de una persona vidente para elegir entre la propuesta del comercio.
Si bien en un principio fueron pocos los propietarios de locales gastronómicos que se sumaron, con las cartillas en la mano, desde el cuerpo legislativo aseguran que muchos otros van a querer formar parte de este servicio que busca dar igualdad de oportunidades a quien posee una discapacidad física.

Hasta el momento tendrán este menú “especial” varios restaurantes y cafés como El Gran Lomo,Vecchia Terra, Pipos, Restaurante Lázaro, Bonafide, Chocolate, Pimienta y Café y los restaurantes Petra.

Qué es el Braille

El sistema Braille se vale de una serie de puntos en relieve que se interpretan como letras del alfabeto y es utilizado por las personas no videntes que aprendieron el método. La existencia del Braille abre todo un mundo a quienes poseen serias discapacidades visuales.

Este sistema se basa en seis puntos que se distribuyen de diferentes formas, cayendo dentro de lo que se considera un sistema binario. No se trata de un idioma, sino de un alfabeto reconocido de forma internacional, capaz de exponer letras, números y hasta signos, lo que lo hace realmente completo.

Fuente: Los Andes

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 06/07/2015

Lidando Emocionalmente com Deficiências


Encontrando formas de viver emocional e independentemente com deficiências.Encontrando formas de viver emocional e independentemente com deficiências.

Enfrentar uma deficiência devido a algum acidente ou adquirida por nascença –doença de um parente próximo ou mesmo de uma pessoa estranha – é difícil. Mas há várias formas de aceitar a circunstância e, gradualmente, encontrar uma forma de viver independentemente e bem. A partir da convivência com portadores de deficiência física ou mental, eis aqui algumas lições que suas atitudes me ensinaram:

1. Organização

Peça a uma pessoa da família ou a algum amigo para ajudar.

Se há condições, procure por escolas e programas que ensinem a viver independentemente sendo portadores de deficiências.

Considere a mudança para uma cidade com mais recursos e benefícios para deficientes. Você tem direito, como qualquer pessoa, de viver num ambiente limpo, confortável e seguro, além de ter suas necessidades básicas atendidas.

2. Viver plenamente

Pergunte a seu médico quais tipos de exercícios que você pode praticar que o ajudem a ter energia e disposição para viver com a deficiência. Não fique envergonhado se não conseguir se exercitar como as outras pessoas. Não se compare a outras pessoas, nem compare os resultados. Pare se houver dor, especialmente se tiver deficiências nas costas ou nos joelhos. Não se envergonhe de usar bengalas ou próteses. Isso faz parte.

A melhor coisa é aderir à ideia das Olimpíadas Especiais: “Todos são vencedores“. Se você é capaz de fazer qualquer exercício, qualquer progresso que obtenha e que melhore suas aptidões físicas, você já ganhou algo. O esforço conta muito mais que para alguém com total capacidade física. Mesmo que você não possa mudar sua deficiência, utilize todos os recursos possíveis. É seu direito.

3. Tenha calma e educação com pessoas desinformadas

Atente ao fato de que muitas pessoas não sabem como agir em torno de deficientes físicos, auditivos, visuais, etc. Eles podem estar com vergonha de fazer ou dizer algo, e não dizem ou fazem nada para ajudar. Outras agem da maneira oposta, acreditando que deficientes precisam de conselhos ou de conforto. Deixe pra lá. Assim que você conhecer suas intenções e conseguir se manter neutro, conseguirá filtrar suas companhias.

Exija respeito e respeite. À medida que você se aceitar e reconhecer suas aptidões, tornar-se-á uma pessoa corajosa, interessante e independente emocionalmente. À medida que tiver mais paciência com outras pessoas, melhorará suas qualidades sociais. Se você conseguir se manter calmo e tratar outras pessoas com dignidade, os melhores serão recíprocos.

4. Respeite sua própria dor

Procure profissionais, como terapeutas, para ajudar no suporte das dificuldades.

Eleja bons amigos.

5. Não se surpreenda se as pessoas lhe acharem corajoso

Quando se está adaptado às dificuldades da vida, com as deficiências físicas ou mentais, começando a viver normalmente fazendo o que pode, você será uma inspiração para a maioria das pessoas. E isto é verdade. Você é um herói que está conseguindo sobrepujar as dificuldades e fazer da vida o melhor que pode com o que possui. Isto é um exemplo de vida. Faça o seu melhor e viva da melhor forma possível a ser uma inspiração a si mesmo.

6. Aceite sua deficiência

Não adianta culpar a Deus ou a qualquer outra pessoa. Aceitar que você nunca poderá andar, ver ou ouvir ajuda a entender que você ainda pode ter uma vida repleta de carinho, com emoções reais. Isso, por si só, lhe ajuda em seus tratamentos.

7. Mantenha-se ativo

Encontre um hobby que consiga fazer, seja costura, artesanato, pintura, desenho, escrita ou coleções. Redescubra seus interesses. De repente você descobre um talento que poderá se transformar numa atividade lucrativa. Lembre-se, porém, de que o dinheiro não é a única medida deste universo. Mais do que o dinheiro, o trabalho eleva os ideais das pessoas, faz sentirem-se úteis e capazes.

Mantenha-se enturmado nas diversas comunidades online de deficientes. São pessoas reais.

8. Busque por inspiração

Assista histórias de pessoas que vivem plenamente e focam no que podem fazer, não no que não podem, apesar de suas deficiências, como por exemplo a história de Nick Vujicic. Você pode ser uma fonte de inspiração a outras pessoas.

Faça seu melhor, afinal, na grande maioria dos casos, você não escolheu ser portador de deficiências. Congratule-se por suas vitórias e sucessos e seja compreensivo com suas falhas. Não julgue a si mesmo ou outras pessoas pela inabilidade que elas têm ao lidarem com sua situação. Não se importe muito com que os outros pensam. Aceite ajuda dos que realmente querem ajudar, ajudando-os a entender como podem fazê-lo da melhor forma.

Este é apenas um corpo físico que você recebeu e é imperfeito. Um dia você entenderá que todas essas deficiências que limitam uma experiência completa lhe servirão para aprender o que precisava para ser uma pessoa portadora de um espírito celestial e completo. Viva e deixe viver. Foque no que você pode fazer ao invés de lamentar o que não pode. Ninguém absolutamente é perfeito.

Todos temos limitações e deficiências em algum grau, sejam físicas, psicológicas, emocionais… não importa. O que consideramos fraquezas podem na verdade, ser nossa força maior.

Fonte: Família

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 05/07/2015

Crianças cegas escolhem cores pelo olfato e fazem exposição


O garoto jordaniano cego Ahmad Qouqaz possui com o trabalho que fez e é parte de exposição no paísO garoto jordaniano cego Ahmad Qouqaz possui com o trabalho que fez e é parte de exposição no país

Nos trabalhos da mostra, apresentada na Jordânia, é possível ver cores vibrantes e desenhos retratando pessoas, barcos e paisagens.

Uma matéria publicada nesta semana no site da Folhinha mostrou que, na Jordânia, a real academia promove atividades que ensinam crianças deficientes visuais a pintar e desenhar. E até a escolher quais cores desejam usar em seus trabalhos.

Os jovens e crianças aprendem a distinguir as cores com a ajuda do olfato, já que os materiais têm cheiros diferentes para cada tonalidade.

O resultado das aulas de arte ganharam uma exposição no país. Nos trabalhos da mostra, é possível ver cores vibrantes e desenhos retratando pessoas, barcos e paisagens.

No mês passado, a equipe da publicação  visitou crianças do Instituto de Cegos Padre Chico para descobrir como elas leem livros.

Nas obras adaptadas, letras e ilustrações são acompanhadas por pontos em alto relevo no papel, pelos quais cegos passam as pontas dos dedos – sistema conhecido como braile.

Mais informações podem ser obtidas em Crianças cegas contam como leem livros

Fonte: Vida Mais Livre

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 04/07/2015

Equoterapia ajuda alunas com deficiência a superar limitações


Julia faz acompanhamento pelo programa há oito meses. Ela apresenta melhoras, segundo a mãeJulia faz acompanhamento pelo programa há oito meses. Ela apresenta melhoras, segundo a mãe

A estudante Julia Santiago de Carvalho Goes, de 5 anos é uma das participantes do Programa de Equoterapia de Itanhaém. A menina possui paralisia cerebral está inscrita há cerca de oito meses na iniciativa. E segundo a mãe, Nayara Santiago de Carvalho Barbosa as atividades exercidas uma vez por semana são uma fonte de superação às dificuldades de locomoção e às limitações da filha, que recebe o acompanhamento de uma equipe de fisioterapia, psicologia, fonoaudiologia e educação física.

Atualmente, Julia é estudante da pré-escola da Escola Municipal Diva do Carmo Alves de Lima, um dos requisitos para o ingresso no programa. Quando ela começou a participar das atividades, a mãe logo notou o avanço da filha, nas primeiras aulas e após os oito meses de interação com o cavalo Astro, a menina demonstrou melhoras ma postura e coordenação motora. “Ela fica super feliz quando a arrumo para as aulas. Essas atividades estão mudando a realidade da minha filha porque antes ela não sentava, mas agora ela está conseguindo se equilibrar melhor”, afirma.

O programa desenvolvido pela Prefeitura de Itanhaém, por meio da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes atende 22 estudantes, que recebem auxílio para transporte até a sede do programa. As atividades com os cavalos são direcionadas a alunos da rede Municipal de Ensino com mobilidade reduzida e atraso no desenvolvimento. Os beneficiados são pessoas com autismo, síndrome de down e paralisia cerebral. As atividades têm duração de um ano

O tratamento não promete cura, mas ajuda no trabalho de recuperação e facilita a autoconfiança da pessoa com deficiência. Segundo Patrícia Lima, mãe da aluna Ana Clara de Lima Santos, 4 anos, as atividades têm influenciado no desenvolvimento da garota. “Minha filha tem síndrome de down. Antes ela caia bastante, mas por causa dos encontros Ana está mais firme e até consegue correr. A equoterapia está contribuindo para o bem-estar dela”.

Os participantes passaram por avaliações da equipe multidisciplinar que definiram o tratamento correto para cada um deles. As atividades acontecem semanalmente, todas as terças e quintas-feiras, com auxílio de dois cavalos, em um tempo de até 40 minutos. Além de haver o acompanhamento de profissionais e equipamentos de segurança, como o capacete apropriado para a prática do exercício.

Benefícios 

Segundo a Secretaria de Educação, o cavalo é utilizado como um colaborador de reabilitação por causa do movimento rítmico e repetitivo que ele produz. O tratamento ajuda a melhorar o tônus muscular (ligeira contração que apresenta o músculo em repouso), equilíbrio, postura, coordenação e habilidades cognitivas, além de estimular a socialização.

O tratamento é considerado eficaz, porque o cavalo possui o passo semelhante ao das pessoas. O dorso do animal envia impulsos via medula espinhal ao cérebro do praticante e essas informações são parecidas com o caminhar humano e colaboram para o aprendizado, reaprendizado ou correção do modo de andar.

Fonte: A Tribuna


The Accessible Road is a magazine and a revamped and improved website that promote the top accessible establishments in 17 of Québec's tourist regions.The Accessible Road is a magazine and a revamped and improved website that promote the top accessible establishments in 17 of Québec’s tourist regions.

Québec puts a lot of effort into making its tourist sites more accessible to people with disabilities. Even though the province is big, there’s no reason to limit the journeys of travellers with reduced mobility and prevent them from enjoying the countless natural and cultural treasures in Québec’s different regions!

For this reason, Kéroul developed The Accessible Road, a compilation of more than 300 establishments and tourist sites whose accessibility to people with disabilities has been verified and certified, and whose staff has been trained to welcome them. The World Tourism Organization has even lauded this information tool for its originality, giving Kéroul its Ulysses Award in 2011.

In 2015, The Accessible Road is a magazine, a collection of inspiring videos, and a revamped and improved website that promote the top accessible establishments in 17 of Québec’s tourist regions. Last year, Bas-Saint-Laurent and Gaspésie joined The Road. This year, the Kéroul team is evaluating Îles-de-la-Madeleine with a view to further enhancing the tourism offering for persons with restricted physical ability who want to visit Québec’s beautiful regions! The Accessible Road features tourist and cultural attractions, hotels, bed and breakfasts, campgrounds, tourist information offices and restaurants. It also includes complementary businesses that tourists with disabilities need to get around, such as orthopedic services, specialized transit businesses and full-service gas stations.

The Accessible Road magazine was created to entice people to discover Québec in all its splendour, originality and, most of all, accessibility. The magazine presents two one-week tourist routes: a nature tour with camping, B&Bs and yurts, and a culture tour with luxury hotels. Other themes are also suggested, such as agrotourism, bike paths, the great outdoors, the St. Lawrence River and religious tourism. For a copy of the magazine, contact Kéroul at 514 252-3104 or infos@keroul.qc.ca.

The Accessible Road is an initiative of Kéroul, whose website, www.keroul.qc.ca, offers a search engine for accessible tourist sites and has, under the Services for travelers tab, information on free travel and admission for accompanying persons, personal assistance services, travel links, and a list of travel agents trained by Kéroul to meet the specific needs of persons with restricted physical ability.

Source: Kéroul

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 03/07/2015

GJP Hotels comemora 2 anos do projeto de inclusão de deficientes


Guilherme Paulus, presidente da GJP Hotels & Resorts, ao lado do diretor geral da rede, Alberto Grau NetoGuilherme Paulus, presidente da GJP Hotels & Resorts, ao lado do diretor geral da rede, Alberto Grau Neto

Neste mês de julho, a GJP Hotels & Resorts comemora o aniversário do projeto “Juntos Unidos Para Incluir”, que faz dois anos desde a sua implantação, iniciada em julho de 2013.

Nesse período, foram diversas adesões para os mais diversos cargos e departamentos da GJP, incluindo o administrativo, A&B, recepção, entre outros. “No início do projeto, tínhamos apenas 12 PCD´s na empresa, sendo que hoje eles passam de 70 em todo o Brasil”, comemora a gerente corporativa de RH da GJP, Silvana Ramos.

O projeto visa a inclusão de pessoas com deficiência no ambiente de trabalho, assim como a sensibilização dos colaboradores atuais sobre a importância da inclusão e preparação dos candidatos PCD´s por meio de cursos, palestras e adaptações na área física do local de trabalho.

Dentro desse projeto, a GJP disponibiliza a preparação dos candidatos PCD´s por meio de cursos, palestras, parcerias com SENAC Gramado (RS), CAIA (Centro de Atenção Integral ao Adolescente), em Foz do Iguaçu (PR), entre outras instituições que auxiliam na formação dos jovens, além de adaptações na área física do local de trabalho dos colaboradores.

“Além disso, temos cursos presenciais para os funcionários, preparação de líderes para que eles aprendam a lidar com colaboradores com deficiência e ainda a integração da família ao local de trabalho desses PCD´s”, completa Silvana.

Para enviar um currículo para os diversos tipo de vagas, basta acessar o campo “recrutamento e carreiras” disponibilizado no site.​

Fonte: Mercado & Eventos


La empresa Mabily Souters quiere implementar el servicio de sillas de rueda eléctricas en ChichénLa empresa Mabily Souters quiere implementar el servicio de sillas de rueda eléctricas en Chichén

PISTÉ, Tinum.— Las sillas de ruedas de manejo manual que el patronato Cultur ofrecía gratuitamente a los turistas no están disponibles por reparación.

Por tal motivo, la empresa Mabily Souters comenzó a gestionar los permisos correspondientes, ante INAH y el gobierno del Estado, para traer unas sillas de rueda con baterías, las cuales serían rentadas en el sitio a los visitantes con alguna discapacidad.

Ayer al mediodía, el empresario Mariano Zubielasa González llegó a Chichén Itzá para dialogar con las autoridades del área INAH y prestadores de servicios turísticos para hacer factible el proyecto.

Zubielasa González dijo que en las próximas semanas ofrecerá mayor información al respecto.

Un custodio federal condujo al empresario para entrevistarse con el arqueólogo Marco A. Santos Ramírez, director del INAH de Chichén Itzá, y exponer un plan inicial para este lugar.

Vanguardia

Con más de un millón y medio de turistas al año, la zona arqueológica se encuentra en la vanguardia de brindar especial atención a los turistas con alguna discapacidad.— Tomás Burgos Cen

Fuente: Diario de Yucatán


TagPoint dá maior liberdade aos deficientes visuais através da tecnologia beacon e o aplicativo gratuitoTagPoint dá maior liberdade aos deficientes visuais através da tecnologia beacon e o aplicativo gratuito

A TagPoint, uma empresa brasileira, criou um aplicativo gratuito para celulares que está transformando a vida dos deficientes visuais. Um pequeno e poderoso dispositivo, chamado beacon, comunica-se automaticamente com smartphones. Este beacon, colocado numa rua, numa loja, numa escada ou em qualquer outro local, sabe que o deficiente está chegando e envia um conteúdo de voz para ele.

A pessoa que não enxerga, poder ouvir através do seu telefone o nome da rua por onde ela está passando, qual o nome do restaurante ou da loja que ela está em frente, e ainda saber se há uma promoção ali? Foi isso que a TagPoint fez: criou uma forma de tudo se comunicar com as pessoas.” – destaca Vitor Loreto, CEO da empresa.

Neste projeto, que visa a melhoria da sociedade, não há fins lucrativos. O custo do aparelho é de apenas R$99,00, o que paga seus custos de produção. “Queremos fazer a diferença e este projeto tem nos trazido muito orgulho, ainda mais que a primeira beneficiada foi uma amiga de infância, que perdeu a visão há menos de dois anos!” – complementa o criador da tecnologia.

Fonte: Minas Brasil Publicidade

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 36.226 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: