Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/03/2017

Presentarán futura norma internacional de turismo accesible para todos


Las buenas prácticas mundialmente aceptadas, ayudan a las organizaciones a establecer sus criterios de actuación

Impulsada por Fundación ONCE, la Asociación Española de Normalización, UNE y la Organización Mundial del Turismo (OMT), tuvo lugar en Madrid los días 13 y 14 de febrero la primera reunión de trabajo para la elaboración de una Norma Internacional de Turismo accesible para todos acaba de celebrarse en Madrid.

El Comité técnico TC 228 encargado de turismo y servicios relacionados en el marco de ISO (Organización Internacional de Normalización), desarrollará un estándar internacional global y transversal  que incluya, en primer lugar, un inventario sistemático de los estándares, los criterios técnicos, las recomendaciones y los requisitos ya existentes en el ámbito de turismo accesible. Además, se sugerirán recomendaciones y requisitos para aquellos segmentos de la cadena de valor y actividades relacionadas, cuya estandarización internacional en materia de accesibilidad sigue pendiente.

La futura Norma se denominará ISO 21902  Turismo y servicios relacionados. Turismo accesible para todos. Requisitos y  recomendaciones.  En cuanto al alcance, la nueva norma ofrecerá directrices claras para la planificación del turismo y la gestión de destinos, ya que proporcionará recomendaciones y requisitos sobre los aspectos clave.

Para Jesús Hernández, director de Accesibilidad Universal e Innovación de Fundación ONCE, la nueva norma supondrá “una palanca para que promover el diseño  para todos en un sector económico tan importante como el turístico a nivel mundial. El ocio y el disfrute de la cultura y el turismo son un derecho de las personas con discapacidad, que en muchos casos no pueden disfrutar de él. Lo que supone una discriminación. Además, desde el punto de vista económico la actividad turística pensada para todas las personas supone una fuente de creación de riqueza”.

Por su parte, Márcio Favilla, Director Ejecutivo de la Organización Mundial del Turismo (OMT) destaca que la accesibilidad universal es un derecho y una oportunidad de negocio para destinos y empresas. “El turismo accesible es la respuesta al derecho universal de todos a viajar y descubrir el mundo. A la vez es una oportunidad para el sector turístico de captar un mercado global que incluye millones de personas con discapacidad, los ciudadanos senior, las familias con niños pequeños y otras muchas personas que se encuentran con numerosas barreras, tanto físicas como culturales, cuando viajan.”

De igual manera, Javier García, Director de Normalización de la Asociación Española de Normalización, UNE, afirma que “las normas técnicas son documentos al alcance de todos, que contienen el consenso de todas las partes relacionadas sobre las buenas prácticas mundialmente aceptadas, ayudando a las organizaciones a establecer sus criterios de actuación. Actualmente, el catálogo español recoge 75 normas y proyectos de norma que establecen los requisitos de accesibilidad en numerosos ámbitos, lo que beneficia tanto a las personas con discapacidad y a sus familiares como a la sociedad en general”. UNE es la entidad responsable del desarrollo de las normas técnicas en España y representante nacional ante los organismos internacionales y europeos de normalización.

Hasta el momento el grupo de trabajo establecido en el marco del ISO TC228, cuenta con representantes de Panamá, Austria, Reino Unido, Chipre, Luxemburgo, Portugal, Argentina, Malta, Canadá, Irlanda y España, además de representantes de las Asociaciones ENAT (Red Europea de Turismo Accesible), HOTREC (Asociación Europea de hoteles, restaurantes y cafeterías), ECTAA (Asociación Europea de Tour Operadores y Agencias de Viajes), SBS (Asociación europea que representa a las Pymes en materia de normalización), y ANEC (Asociación Europea de Consumidores)

El nuevo estándar, que está previsto sea aprobado en 2018 después de alcanzar un consenso a nivel del ISO, y se publique a lo largo de 2019, se aplicará a los distintos grupos de interés del sector turístico, tanto públicos como privados y a diferentes niveles.

Fuente: Caribbean News Digital

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/03/2017

App TUR4all revela condições de acessibilidade do Turismo


Plataforma única pode ser consultada por usuários que buscam informações sobre acessibilidade.

As informações sobre acessibilidade relativamente à oferta turística de Portugal e Espanha vão passar a estar organizadas e disponíveis para consulta numa só plataforma. A TUR4all, disponível via app e site, pretende indicar, de forma objetiva e atualizada, as condições de acesso em hotéis, monumentos e museus e ainda a existência ou não de transportes adaptados e de menus em Braille nos restaurantes, entre outros.

A TUR4all é o resultado de uma parceria entre a Accesible Portugal, Fundação Vodafone Portugal e Turismo de Portugal, contando ainda com o apoio da ENAT – European Network for Accessible Tourism. A garantir a componente espanhola da plataforma está a PREDIF e a Fundação Vodafone Espanha.

Em Portugal, a TUR4all vai estar disponível a partir de Setembro deste ano em português, castelhano, francês, inglês, alemão, italiano e mandarim. Através da app e site, os utilizadores podem comentar, pontuar e recomendar cada uma das unidades e serviços presentes e guardar os preferidos. Será ainda possível contactar utilizadores com o mesmo tipo de interesses e necessidades específicas.

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, considera que «numa sociedade cada vez mais global se torna imperativo desenvolver soluções inclusivas» e que a TUR4all é uma ferramenta importante de inclusão, que «posiciona Portugal como país acessível a todos». Em comunicado, Mário Vaz, presidente da Fundação Vodafone Portugal, acrescenta que a plataforma «virá certamente a ser um meio de troca de informações e um ponto de referência no que diz respeito ao turismo acessível».

Dados divulgados pela Vodafone indicam que, em Portugal, existe cerca de um milhão de pessoas com necessidades específicas, 2,5 milhões de seniores e 550 mil crianças com menos de cinco anos. Tendo isto em conta, «é importante que todos os agentes do sector turístico adaptem e qualifiquem a sua oferta turística às necessidades», sublinha Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.

Fonte: Marketeer

 

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/03/2017

Basic Guide to Accessible Travel


Japan can be accessible to all

The state of accessibility in Japan has improved dramatically in recent decades with a push towards “barrier-free” facilities that can be navigated by wheelchairs, non-step buses, multipurpose toilets and wide elevators with lowered buttons. However, there also remain a lot of challenges.

On the Streets

Streets in modern city centers and recently redeveloped districts tend to have relatively spacious, dedicated sidewalks with cut curbs. Elsewhere, sidewalks tend to be narrow or separated from vehicular traffic simply by a white line.

Older buildings in Japan tend to have narrow interior layouts. Consequently, shops and restaurants located in such buildings may be difficult to enter and navigate with wheelchairs due to the lack of space and presence of steps. Modern buildings and malls; however, tend to be highly accessible. Using a compact wheelchair will generally be an advantage to navigate Japanese cities.

A typical, narrow street in Tokyo

Trains

Over the past decades, much effort has been put into equipping train and subway stations with escalators, elevators and stair lifts; but some stations – especially outside the city centers – remain difficult to use for travelers with mobility impairments. Also, at certain stations, only some of the entrances may be accessible, which may result in detours.

Most trains have at least one car with space for wheelchairs. When using trains, wheelchair users should approach the staff at the ticket gate. Station staff will guide passengers to the platform (some stations require the use of special, off-limit elevators), help boarding and disembarking using ramps, and call ahead so that there will be staff waiting at transfer points and the destination. When using long-distance and shinkansen trains, it is highly recommended to make a seat reservation for a wheelchair-friendly seat in advance.

Wheelchair accessible toilet on board of a shinkansen

Buses

A majority of city buses these days are non-step or kneeling buses whose drivers will pull up as close to the curb as possible and get out a ramp for wheelchair users. The priority seating area on city buses may have a combination of foldable seats and/or a section without seats for wheelchairs. However, in smaller cities and in the countryside, it is still possible to encounter some older type buses that are difficult to use with a wheelchair.

Long distance buses and airport buses, on the other hand, tend not to be as accommodating to wheelchair users, because boarding typically involves climbing multiple steps. It is usually possible to ride one, but it may require prior arrangement.

Inside a city bus

Taxis

Taxis with wheelchair ramps or special seats that rotate outwards for easier boarding are available through many companies, but they usually require prior arrangement. Regular taxis are not equipped with ramps and may be difficult to board. While a folding wheelchair will fit easily into a regular taxi’s trunk, non-folding ones will probably not.

Rental Cars

Many car rental outlets offer wheelchair-accessible vehicles known in Japanese as fukushi sharyō (福祉車両). Their prices do not differ greatly from hiring a similar sized, regular vehicle. Note that most car rental companies list their wheelchair-accessible vehicles on their Japanese websites, but not on their English ones. Consequently, a phone call will be required.

Wheelchair accessible vehicle on display at a car show

Toilets

With the push towards universal design, the layout of toilets has also changed. These days, it is common to see multipurpose toilets (多目的トイレ, tamokuteki toire) at tourist attractions, department stores, train stations and inside shinkansen trains.

These multipurpose toilets are typically found between the men’s and women’s toilets and are usually large, single rooms that are easily navigable by wheelchair users and sometimes also feature ostomate facilities. They are also intended for parents with young children and therefore also often feature diaper changing tables. Opening and closing the doors can be done by pushing large buttons by the side of the door both inside and outside the toilet.

Modern set of toilets at a shinkansen station

Sightseeing & Accommodation

Accessibility of historic and cultural sites has been improving with the addition of ramps and lifts to existing structures; however, there remain some sites where upgrades are impossible. Newer tourist sites have to include universal design into their construction and tend to be highly accessible. While there is ample of sightseeing information for wheelchair users in Japanese, detailed information in English is less plentiful (see external links below for some good English websites).

Similarly, new hotels have to be accessible by law, while older hotels are undertaking renovations to include barrier-free designs. Some lodgings offer specific barrier-free rooms with bathrooms that cater to those with mobility issues, but these are typically limited in number. As with tourists sites, finding English information about the accessibility of lodgings can be challenging.

Ramp at a Japanese garden in Osaka

Visual impairment

Yellow tactile paving is ubiquitous in Japan. Likewise, there is a lot of information in braille found in public facilities, on board of trains and printed onto some packages; however, the information is in Japanese Braille which is based on Japanese syllabary.

Furthermore, sounds play a large part in helping the visually impaired move around. Various repeating sounds and announcements in stations and other public facilities are played near exits, toilets and braille maps to help improve orientation in conjunction with tactile blocks. Audible signals at some traffic lights indicate that it is safe to cross the intersection.

Braille on the handrail and tactile paving to the top of the stairs

Source: japan-guide.com


Por meio do toque, de cheiros e de sons, pessoas com deficiência visual podem curtir a natureza da Trilha dos Piquetes

Caminho de quem vai até a praia da Lagoa dos Patos em Arambaré, a Trilha dos Piquetes, trecho de 800 metros cheio de arumbevas, bromélias, butiazeiros, capororocas e tantas outras espécies nativas, é o local da primeira trilha acessível para pessoas com deficiência visual no Estado. Conhecer a natureza através de toques, cheiros e gostos, com placas explicativas e cordas-guia, é extremamente enriquecedor, visto pelo aspecto acessível e inclusivo.

Uma parceria entre Sebrae, gestores públicos e empreendedores locais foi feita para que a cidade, antes focada em conquistar visitantes nos períodos de sol, praia e Carnaval, encontrasse sua vocação turística. Em 2016, após um ano de trabalho, o projeto Qualificar o Turismo na Costa Doce — Náutico foi aberto para a visitação de moradores da região e estudantes guiados por componentes da Confraria do Bem Viver.

Estive lá no passeio inaugural, acompanhado por participantes do projeto e guias locais. Durante a explicação sobre a trilha, havia um cuidado especial com a descrição dos vídeos e das imagens, feita ao vivo pela turismóloga Regina Cardona. Era possível sentir uma diferença no ar, o barulho intenso dos pássaros e o ruído distante dos veículos. O terreno era predominantemente arenoso, e as raízes pouco atrapalhavam o trajeto, percorrido com as explicações do guia Pingo.

As cordas-guia eram um pouco baixas, então preferi ir de braço dado com ele. Acabei não fazendo a leitura de algumas placas — porque estavam muito quentes do calor do sol ou por dar preferência para outro deficiente visual ler. Ainda assim, era perceptível que algumas estavam com letras levemente apagadas.

Cordas-guia orientam o caminho pela natureza

No encerramento, descobri que a trilha não havia acabado — mas as cordas-guia, sim. Além disso, uma placa já encontrava-se mais distante da outra, o que não permite ao cego seguir sozinho pelo espaço (ele poderia se perder no caminho).

A primeira trilha acessível foi, na verdade, adaptada, porque tanto as cordas-guia quanto as placas precisam ser sempre retiradas e recolocadas a cada visitação, evitando assim que se estraguem com o tempo e não sofram a ação de vândalos.

Maicon Everton Gomes, que perdeu a visão há três anos por causa de um glaucoma, avalia que, por ser a primeira trilha acessível do Estado, o trajeto foi interessante, e a iniciativa, válida:

— O trajeto foi bem bacana, mas, se pudesse modificar algo, tentaria afastar os galhos espinhentos, pois eles estavam muito juntos da corda-guia.

Já a auxiliar administrativa Letícia Severo da Rosa, 36 anos, pensa que é parte do passeio alguns arranhões, dificuldades na caminhada ou eventuais choques com os troncos das árvores.

— O envolvimento das pessoas em trazer a acessibilidade foi espetacular — avalia.

Placas em Braille passam informações sobre o local

A aposentada Isoleide Baldin de Vargas, 47 anos, teve na Trilha dos Piquetes sua estreia nesse tipo de caminhada — que, segundo ela, superou suas expectativas:

— Foi tudo muito acessível, a história da cidade é riquíssima, e a natureza, muito bela.

 

Como fazer

Quem ficou curioso para conhecer a Trilha dos Piquetes e as belezas da região pode entrar em contato com a Confraria do Bem Viver pelo e-mail para confrariadobemviver@gmail.com ou fazer o agendamento por meio das pousadas e dos hotéis do município.

O passeio deve ser marcado com pelo menos duas horas de antecedência, pois a estrutura de acessibilidade não é fixa, para preservar os equipamentos das intempéries do clima ou de possíveis danos patrimoniais. A visitação custa R$ 18 e pode ser feita em grupo ou individualmente.

Fonte: ZH Viagem

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 21/03/2017

Innovative ideas open up world of travel opportunities for disabled


Medical supports allow disabled skiers to ski upright.

Once upon a time, it was seen as a significant concession to put wheelchair-accessible rooms in a hotel room and organize special assistance for getting off a plane. But things are changing – partly because authorities are introducing more disability-friendly regulations, but mainly because tourism operators have twigged that accessible travel is a lucrative market. And that has led to innovations such as these:

Accessible skiing in France

Winter sports is an area where major leaps have been made in improving accessibility, and skiers with disabilities can be found on the slopes all over Europe.

Of the resorts, La Plagne (www.laplagnet.com) in France is the one that has given accessible options the most wholesale embrace. Instructors take on extra qualifications to be able to teach those with conditions and limited mobility, while several types of specialist equipment are available. These include the Xbefree, a seated vehicle that allows for completely independent skiing, and Uniskis, which are the closest equivalent to a wheelchair in ski form.

The newest innovation is the Vertiski, a medical support that allows users to stand upright while keeping good circulation, while all lifts and gondolas have been adapted to accommodate those using hand skis.

Multi-activity holidays in Germany

Arguably, no other country has put as much investment into accessible travel as Germany, which has made BarrierFree Germany a key plank of its tourism strategy. There’s an extensive BarrierFree section on the national tourist board website (www.germany.travel) that covers everything from getting the best out of spa towns to attending Bundesliga football matches. But the accessible-activities section is most interesting. Here, there are a bewildering array of opportunities including “hiking” tours across the East Frisian mudflats in wheelchairs with oversized tyres, adaptive kayaking at Lake Senftenberg, and a ropes course in the Bavarian Forest that has been designed specifically for disabled visitors.

Wheelchair-accessible safaris in Tanzania

Safari trucks can often put game viewing beyond the reach of travellers with disabilities, but some companies are adapting the vehicles to make them accessible.

Responsible Travel (www.responsibletravel.com) sells such trips in Tanzania. A seven-day wildlife-viewing trip around the Lake Manyara National Park costs from US$1,750 (Dh6,428), excluding flights, staying at lodges that have been designed to meet the needs of disabled travellers.

The company has properly embraced accessible travel, and sells a large variety of holidays aimed at the market – ranging from Nile cruises in Egypt to cycling holidays in Catalonia.

Enable Holidays (www.enableholidays.com) and Accessible Travel & Leisure (www.accessibletravel.co.uk) are other companies with an array of options.

Global navigation app

For the blind and partially sighted, navigating an unfamiliar city can be a daunting prospect, so iPhone app BlindSquare attempts to make things much easier.

It’s a GPS-based app that pulls information from the likes of Foursquare and OpenStreetMap, sifts out the most relevant data, then announces the information through a speech synthesiser.

At the more practical end of the scale, this means intersections are flagged up, but it can also be used to ask for the most popular cafes within 200 metres or nearby attractions. It also periodically announces the direction and distance of travel, and can be controlled entirely through an audio menu.

BlindSquare (www.blindsquare.com) is available via the App Store.

Fonte: The National Arts & Life

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 21/03/2017

CPTM adia para 2020 entrega de acessibilidade em todas as estações


Companhia alega falta de repasses de verba do PAC e renova acordo com o Ministério Público prorrogando prazo em até seis anos

A CPTM renovou um acordo com o Ministério Público Estadual (MPE) prorrogando para 2020 a conclusão das obras para tornar todas as 91 estações de trem na Grande São Paulo acessíveis a pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Hoje, somente 50 estações estão totalmente adaptadas.

Alvo antigo de queixa de passageiros, a dificuldade de acesso às estações da CPTM foi objeto de investigação da Promotoria no início dos anos 2000. Após anos de espera pela instalação de rampas de acesso, piso tátil e elevador, por exemplo, a companhia e o MPE assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) em dezembro de 2012.

No acordo, a estatal paulista dos trens se comprometeu a tornar acessível todas as 91 estações acessíveis até dezembro de 2014. À época, apenas 38 estações tinham acessibilidade plena. Até agora, contudo, 41 locais permanecem sem adaptação.

A CPTM afirma que ficou aguardando a liberação de recursos do PAC da Mobilidade para cumprir a meta acordada com a Promotoria, mas que, “com a demora na liberação dos recursos prometidos pelo governo federal, iniciou as tratativas com o Ministério Público visando prorrogar o prazo”.

“No início de janeiro, o Ministério das Cidades publicou portaria excluindo o projeto de modernização das estações do PAC. Agora, a CPTM busca novas fontes de recursos financeiros para a modernização dessas estações”, afirma a estatal. Quando o TAC foi assinado, o investimento previsto nas obras de acessibilidade era de R$ 2,3 bilhões.

Pelo novo acordo do TAC, o cronograma de entrega das obras foi dividida em oito lotes até dezembro de 2020. Neste ano, sete devem ser concluídas, sendo que quatro estações estão em andamento: Quitaúna, Jardim Belval e Jardim Silveira, na Linha 8-Diamante, e Engenheiro Goulart, na Linha 12-Safira.

A CPTM se comprometeu ainda a divulgar na internet uma ferramenta para que o usuário possa estabelecer a rota acessível entre duas estações e a garantir o transporte de passageiros por vans caso não cumpra novamente os prazos de acessibilidade definidos no novo TAC, que foi assinado com o promotor Francisco Antonio Gnipper Cirillo.

Segundo o MPE, embora o prazo de conclusão das obras de acessibilidade tenha sido prorrogado, as contrapartidas definidos no acordo são mais vantajosas para os passageiros porque ampliou o porcentual da frota que terá acessibilidade para 95%, incluiu novas estações no cronograma e garantiu transporte alternativo caso o ajuste seja descumprido.

Embora 45% das estações de trem ainda não sejam acessíveis, a CPTM afirmou que “todos os empregados das estações estão habilitados para auxiliar pessoas com deficiência durante o deslocamento nas dependências da companhia”.

VEJA O CRONOGRAMA DE ENTREGA DAS OBRAS NAS ESTAÇÕES

Até 30/06/2017: Água Branca, Braz Cubas e Baltazar Fidelis

Até 31/12/2017: Estudantes, Guapituba, Quitaúna, Jardim Belval e Jardim Silveira

Até 30/06/2018: Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires e Mogi das Cruzes

Até 31/12/2018: Mooca, Capuava, Aracaré, Itaquaquecetuba, Santa Terezinha e Luz

Até 30/06/2019: Campo Limpo Paulista, Prefeito Saladino e Perus

Até 31/12/2019: Imperatriz Leopoldina, Várzea Paulista, Botujuru, Caieiras, Sagrado Coração, Antônio Gianetti Neto, Eng. Manoel Feio, Comandante Sampaio e General Miguel Costa

Até 30/06/2020: São Caetano, Vila Clarice e Pirituba

Até 31/12/2020: Piqueri, Santo André, Mauá, Jaraguá, Utinga, Lapa (Linha 7 – Rubi), Lapa (Linha 8 – Diamante) e Ipiranga

Fonte: Estadão

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 20/03/2017

La odisea de las personas con discapacidad para volar


La ley europea permite a las aerolíneas negar a un pasajero afectado de una minusvalía la entrada en el avión por motivos de seguridad

La seguridad se interpone a menudo entre las personas con discapacidad y viajar en avión. Las normas de la Comisión Europea permiten a las aerolíneas alegar motivos de seguridad para impedir que un pasajero con limitaciones físicas o psíquicas embarque en uno de sus aviones.

Según las personas con discapacidad, lo que se interpone entre ellos y coger un vuelo es la propia aerolínea. Hace años que varias asociaciones critican esta actitud de las compañías aéreas y las trabas que suponen para los afectados emprender un viaje en avión. Lo consideran una discriminación y aseguran que, últimamente, la situación ha empeorado.

“TE ENFRENTAS A QUE NO TE DEJEN VIAJAR”

Coger un avión no es fácil para las personas que padecen alguna limitación física o psíquica: es una odisea. “Te enfrentas cada vez a la posibilidad de que la compañía aérea no te deje volar”, asegura Luis Alonso, el gerente del Comité Español de Representantes de Personas con Discapacidad (Cermi).

Son varios los casos que han trascendido en los últimos tiempos. El último, el de un joven español sordociego que se encontraba estudiando un Erasmus en Londres al que Ryanair negó la asistencia en vuelo para volver a Madrid. Otro de los sucesos que se hizo viral fue el de un británico, con las piernas amputadas, que aseguraba en marzo que los empleados de la aerolínea irlandesa le obligaron a arrastrarse hasta su asiento del avión en el aeropuerto de Málaga.

LAS BAJO COSTE

El Cermi ha convocado para el sábado, día 21, una protesta en la terminal 1 del aeropuerto de Madrid para denunciar la situación. Las quejas se centran en Ryanair, que ha protagonizado los últimos casos, pero es extensible a las demás compañías.

Desde la aerolínea de bajo coste se defienden y aseguran que “miles de pasajeros que requieren asistencia especial eligen volar con Ryanair cada semana”. Fuentes de la empresa afirman que el servicio se desarrolla “habitualmente con normalidad” y que están “orgullosos” de la atención que ofrecen a todos sus clientes.

UN PROBLEMA DE AUTONOMÍA

Aun así, las asociaciones de personas con discapacidad indican que, en especial, son las compañías de bajo coste las que han dado más problemas últimamente. Cuando ponen problemas, suele ser porque el pasajero en cuestión viaja solo.

En el caso de que se presente con un acompañante, las aerolíneas consideran que la seguridad es mayor, según cuenta Alonso. “Las personas con alguna discapacidad, ya sea física o psíquica, podemos ser autónomos, pero nos faltan apoyos”, lamenta.

Fuente: Cronica Global


Goalball é uma das modalidades paraolímpica praticada por pessoas com deficiência visual

Entre os dias 20 e 25/03, o Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro recebe os Jogos Parapan-Americanos de Jovens 2017. O espaço reunirá cerca de mil atletas, com idade entre 13 e 21 anos, de mais de 20 países que competirão nas modalidades: atletismo, bocha, futebol de 5, futebol de 7, goalball, judô, halterofilismo, vôlei sentado, natação, tênis de mesa e basquete em cadeira de rodas. Apenas a modalidade tênis em cadeira de rodas terá as partidas no Clube Esperia. A delegação brasileira contará com 261 pessoas, sendo 174 atletas nas 12 modalidades, 79 oficiais e oito acompanhantes.

Na última edição dos Jogos Parapan-Americanos, há quatro anos, o Brasil liderou o quadro geral dos Jogos Parapan-Americanos com 209 conquistas, sendo 102 de ouro, 65 de prata e 42 de bronze. O evento aconteceu em Buenos Aires, Argentina, e reuniu 631 atletas de 16 países que competiram em dez modalidades.

A primeira edição do Parapan de Jovens foi em 2005, em Barquisimeto, Venezuela, e contou com atletas de dez países. Em 2009, 14 nações estiveram presentes em Bogotá, Colômbia.

Localizado no Parque Fontes do Ipiranga (Km 11,5 da Rodovia dos Imigrantes), o CT é uma parceria do governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, com o governo federal, através do Ministério do Esporte.

O objetivo do empreendimento que abriga 15 modalidades paralímpicas é fomentar o paradesporto brasileiro criando condições para que seus atletas se destaquem nas competições municipais, estaduais, nacionais e internacionais, sempre dando ênfase às técnicas avançadas e novas tecnologias.

Fonte: Revista Incluir


A animação é inclusiva por meio de recursos como audiodescrição, subtitulação e janela de Libras

O curta-metragem de animação “Òrun Àiyé: a Criação do Mundo”, dirigido pelas cineastas baianas Jamile Coelho e Cintia Maria, foi selecionado para integrar a mostra competitiva do Festival VerOuvindo, que acontece entre 21 e 20 de abril, no Recife (PE).

O festival é voltado para filmes com acessibilidade comunicacional e premiará as obras com melhor locução e audiodescrição. “Òrun Àiyé”, que estreou em Salvador em janeiro de 2016, utiliza a técnica de stop motion para mostrar a jornada de Oxalá em sua grande missão, a criação do mundo. “Nós pensamos em contar essa história da cultura iorubá da maneira mais inclusiva possível. Por isso, buscamos incluir recursos de acessibilidade, como audiodescrição e legenda para surdos e ensurdecidos”, conta a diretora Jamile Coelho.

Além disso, a animação está disponível em seis idiomas: português, inglês, francês, espanhol, yorubá e Língua Brasileira de Sinais. O roteiro de audiodescrição é de Bárbara Carneiro, com revisão de Sandra Farias. Já a legenda para surdos e ensurdecidos é assinada por Erivaldo Marinho.

O filme já recebeu prêmios de Melhor Animação da Diáspora Africana, no Silicon Valley African Film Festival (Califórnia/EUA); Melhor Animação, no Largo Film Awards (Genebra/Suíça); e Melhor Direção de Arte, no Festival de Cinema de Três Passos, no Rio Grande do Sul.

Fonte: Jornal de Belmonte


A Best Buddies Brasil – Melhores Amigos busca ampliar suas parcerias através dos programas de Amizade, Trabalho e Liderança.

A Best Buddies Brasil – Melhores Amigos, associação sem fins lucrativos, que realiza a inclusão social das pessoas com deficiência intelectual, está entre os parceiros e realizadores do Cuidando de quem cuida 2017I Road Show Empathiae, primeiro evento nacional em comemoração ao 12º. Dia Internacional da Síndrome de Down.

O evento pretende sensibilizar a sociedade em geral assim como as equipes de saúde básica e complementar sobre a importância da atenção à família e ao cuidador da pessoa com deficiência e está sendo promovido, respectivamente, nas cidades de Belo Horizonte, MG; Vitória, ES; Caxias do Sul, RS e São Paulo, SP; em 11, 14, 19 e 21 de março.

Roberta Cruz Lima, diretora da Best Buddies Brasil – Melhores Amigos, abrirá o ciclo de palestras no dia 21 de março, no Centro Universitário Ítalo Brasileiro (UniÍtalo), na cidade de São Paulo. Ela destaca o evento como meio de ampliar as discussões acerca da inclusão social. E comenta: “Fazer parte de uma família é a primeira experiência de viver em sociedade que uma criança tem. Sendo assim, acredito que o evento promoverá uma troca de experiências e saberes com a finalidade de trazer informações úteis para ações e reflexões referentes à Cultura Inclusiva”.

Na sequência, Ives Alejandro Munoz, filósofo e professor, membro do Consejo Independiente de Protección de la Infancia (CIPI), abordará o tema A Empatia como mudança dos paradigmas no relacionamento familiar.

Mônica Xavier, presidente e fundadora do Instituto Empathiae, apresentará a palestra O momento da notícia: um retrato da realidade brasileira, baseado em pesquisa realizada com 500 famílias que receberam um bebê com síndrome de Down no século XXI.

Presença internacional, a professora doutora Julia Serpa Pimentel, docente do Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida (ISPA) de Lisboa; responsável pela criação e implantação do projeto Oficinas de Pais da Associação Pais em Rede, em Portugal, abordará os temas A notícia da deficiência e seu impacto na saúde familiar, A rede de famílias como forma de empoderamento e A importância do cuidado compartilhado.

SERVIÇO

21 de março de 2017, das 9h às 18h – Centro Universitário Ítalo Brasileiro (UniÍtalo)

Avenida João Dias, 2046, Santo Amaro, São Paulo

Fonte: www.melhoresamigos.org

 

Older Posts »

Categorias

%d blogueiros gostam disto: