Publicado por: Ricardo Shimosakai | 26/07/2016

Network Rail promises improvements for disabled passengers


Network Rail must show ‘a real willingness to take people’s views and experiences on board,’ says comedian and campaigner Francesca MartinezNetwork Rail must show ‘a real willingness to take people’s views and experiences on board,’ says comedian and campaigner Francesca Martinez

Network Rail has pledged to make the railway accessible to all, and will consult disabled passengers before building new infrastructure after admitting to having made life “incredibly difficult” for some travellers in the past.

Research carried out by Populus on behalf of Network Rail found that while 67% of disabled people travel by train, around a quarter of those passengers expect to have difficulties on the journey and a third do not use the train as often as they otherwise would because of accessibility concerns. More than half of disabled people polled (58%) said they believed that accessibility on the rail network was improving.

Network Rail published the results of the poll as it launched its campaign to enhance the experiences of disabled people on the rail network.

Chief executive Mark Carne said the company will change its culture from one of “bolting-on” solutions as an afterthought to one of ensuring stations are designed so that every travellers’ needs are met.

The move has been met with some scepticism by disability charities after a Network Rail spending review earlier this year cut half of the £100m budget for Access for All from its five-year plan.

Comedian Francesca Martinez, who has cerebral palsy and describes herself as a “wobbly woman”, and is fronting the Spaces and Places for Everyone endeavour, said she was satisfied that it was not “some empty PR campaign”, adding: “This campaign came out of a real disabled person’s lived experience, and genuine desire to make the railways more accessible.”

That person is Margaret Hickish MBE, Network Rail’s access and inclusion manager, who is also a wheelchair user due to an accident at a train station. Hickish, who has previously worked on accessible design for projects including the London 2012 Olympics park and the Scottish parliament building, said: “The rail industry is behind the curve, no doubt about that. Now we want to do more than just meet the regulation.”

Hickish added: “Accessibility in the past has always been done as a retrofit; bolted on, functional and ugly. With inclusive design, it’s possible to make it beautiful and work for everyone.”

Martinez said: “What is crucial to this project is consulting with a whole range of people and abilities to make sure everyone is included, not just relying on one or two people to imagine what is needed. I’m wobbly but I have no idea what someone blind or deaf or short might need. The company can’t automatically know – this is about showing a real willingness to engage and to take people’s views and experiences on board.

“My needs are invisible and my environment is hardly ever built for me – many disabled people feel that.”

Changing platforms at stations and not knowing where the coach would be on the train were problematic for her, Martinez said, adding: “People dash, and I can’t dash – it’s very stressful and I feel very vulnerable. That fear or panic or desperate attempt to find a staff member, who are like, who’s this crazy wobbly woman?”

Carne admitted to having been shocked when he realised “how incredibly difficult we were making life” for a wheelchair user he met soon after joining Network Rail. Now, he said: “There are lots of parts of the network that are really very unfriendly to disabled people … but we are making great strides.”

But Transport for All said that while Network Rail’s initiative for better inclusive design was welcome, it was, meanwhile, in effect cutting funding for disabled access. Its director, Faryal Velmi, said: “We are dismayed by the proposals in the Hendy review of Network Rail to defer 50% of vital Access for All projects to 2019-24. The Access for All fund has delivered much needed ringfenced funding to make stations accessible and it’s scandalous that disabled people will be made to wait a further five years.”

However, a Network Rail spokesman said that, while schemes had been cut in chairman Sir Peter Hendy’s review of all rail projects: “All the scheduled improvement works will still go ahead, but some will be delivered slightly later than planned, purely because of affordability.”

He added: “Our Spaces and Places for Everyone campaign is all about inclusive design – something which should, over time, render schemes like Access for All redundant … we will carry out diversity impact assessments so that our environments become more inclusive before rail projects leave the drawing board rather than being bolted on as they have been in the past.”

Currently, two wheelchair users cannot travel in the same coach on most British trains. Hickish said she had been left stranded at stations even when staff had been on hand to assist her from a train – but did so without considering the impact of a broken lift on the platform. On another journey from London to Scotland, the conductor of a train whose disabled toilet had broken offered to compensate her with a free drink.

Hickish said new rolling stock being brought in on Thameslink trains will improve accessibility. But elsewhere on the franchise, unions fear that reforming the role of conductors on Southern could eventually mean fewer staff on trains, which could affect travellers with disabilities.

Martinez said: “Staff cutbacks really hit disabled people hard, there isn’t that person you can go to for extra help. When they took conductors off buses, I felt a lot more vulnerable, there isn’t someone there for you.”

James MacColl from the Campaign for Better Transport said: “Any new initiative to improve disabled passengers’ experiences of travelling by rail is very welcome. It is vital that all existing stations are upgraded to make the journey as safe, comfortable and easy as possible with more lifts to platforms, step-free access and more staff on hand to help.”

Velmi said that there were many other factors stopping real equality for all, particularly train companies insisting disabled passengers should book travel 24 hours in advance to get assistance.

Source: The Guardian


Em vários formatos, o Código de Defesa do Consumidor está acessível para todosEm vários formatos, o Código de Defesa do Consumidor está acessível para todos

O Procon-RJ disponibiliza em seu site um link para a página www.pcdlegal.com.br/cdc. Criado pelo Ministério Público do Trabalho, ela oferece condições para que pessoas com deficiência visual e auditiva tenham acesso ao Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Na página, o conteúdo do CDC está disponível em áudio e vídeos, adaptados para Libras (Língua Brasileira de Sinais) e para pessoas com deficiência visual. Além disso, há uma versão para leitura com recursos para ampliar a fonte do texto e inverter o contraste, para que a leitura fique mais agradável.

A página é compatível com smartphones e tablets e o consumidor pode baixar o conteúdo em áudio e texto para consultar quando quiser sem a necessidade de uma conexão com a internet.

O Procon Estadual já disponibiliza em seu site o CDC em três idiomas: português, inglês e espanhol. Para visualizar basta acessar http://www.procon.rj.gov.br/index.php/publicacao/listar/5/1, o conteúdo está disponível para download e pode ser baixado e consultado a qualquer momento.

Fonte: PROCON RJ

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 25/07/2016

Turismo accesible, un beneficio para todos


Cocemfe trabaja en un proyecto que incluye la edición de guias, jornadas y cursos sobre esta materia, dirigido a empresarios y público en generalCocemfe trabaja en un proyecto que incluye la edición de guias, jornadas y cursos sobre esta materia, dirigido a empresarios y público en general

Cocemfe, la Confederación de personas con discapacidad física y orgánica de Castilla y León, trabaja en la concienciación del sector turístico sobre los beneficios del turismo accesible para todos.

Lo hace con un proyecto que incluye un curso sobre esta materia, jornadas técnicas y la edición de dos guías situadas en el Camino de Santiago, sobre oportunidades económicas y empleo así como accesibilidad.

El turismo accesible se dirige no solo a la discapacidad, dato que en Palencia se estima en unas 18.500 personas, a este colectivo hay que sumar otros sectores de la población como el de personas mayores, familias con niños pequeños o personas con alguna lesión temporal.

Esto convierte las medidas de accesibilidad en algo beneficioso para todos, incluidos los empresarios del sector turístico, que adaptando sus negocios consiguen aumentar su número de clientes potenciales. Éste es uno de los ámbitos en los que incide el proyecto de Cocemfe que ofrece formación, información y orientación para el beneficio de empresarios, emprendedores y sus establecimientos.

Fuente: Cadena Ser

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 25/07/2016

Santos recebe visita ilustre e debate acessibilidade nos estádios


Ronald Capita, símbolo na luta pelo tema visitou o CT Rei Pelé e debateu o tema com atletas do alvinegroRonald Capita, símbolo na luta pelo tema visitou o CT Rei Pelé e debateu o tema com atletas do alvinegro

Nessa sexta-feira (15), um tema muito importante foi o foco no Santos Futebol Clube. O CT Rei Pelé recebeu a ilustre visita do jovem jornalista Ronald Capita, de 17 anos, portador da rara Síndrome de Marfan, e um dos maiores nomes da luta pela acessibilidade aos estádios de futebol no Brasil.

Ronald Capita foi ao CT do clube e acabou batendo um papo com os atletas santistas, entre eles grandes nomes como Ricardo Oliveira e Lucas Lima, e comentou sobre sua luta pelo acesso aos estádios. “Foi muito bacana. Fui super bem recebido. Acompanhei o treinamento e bati um papo com o pessoal, inclusive vi e revi amigos“, afirmou o jornalista. “Por se tratar de um clube tão grande como o Santos vejo que as possibilidades são maiores. Trata-se de uma potência mundial. A meu ver pode fazer com que as pessoas abram os olhos à questão da acessibilidade nos estádios“, afirmou.

Ronald Capita tem 17 anos de idade e sofre da Síndrome de Marfan, que afeta o sistema cardiovascular, o sistema esquelético, os olhos e a pele. O Capita, como é mais conhecido, sofre também de escoliose, um entortamento (ou curvatura) na coluna. Inicialmente, antes das cirurgias, a sua coluna tinha um formato de S, o qual precisou de dezenas de cirurgias para tentar corrigir. Apesar dos procedimentos, contudo, o grau da escoliose dele segue muito delicado. Além disso, utiliza cadeira de rodas para se locomover, embora tenha andado até os nove anos – e desde então não há uma resposta concreta sobre os motivos que o levaram a não mais andar.

Com uma história de vida e muita superação, jamais deixou de sonhar e lutar pelos seus sonhos, um deles o de ser jornalista. Ronald Santos, que posteriormente se tornou Ronald Capita, acabou se apaixonando pela profissão, e principalmente por futebol, na época que ficou internado na  AACD em 2012, onde só podia acompanhar o futebol paulista por meio de rádio.

Capita também iniciou outra luta importante para todos deficientes fãs de esportes: acessibilidade aos estádios de futebol. Sempre lembrando que o dificil acesso de deficientes é pouco comentado na mídia, o jovem pernambucano, que vive em São Paulo, começou a escrever sobre o tema e fazer matérias mostrando como é dificil para um cadeirante assistir um jogo no estádio.

Fonte: Vavel

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 24/07/2016

Igrejas adotam interpretação da linguagem de sinais em celebrações


Em grandes solenidades, a Catedral Metropolitana de Manaus também dispõe das traduções, segundo intérprete.Em grandes solenidades, a Catedral Metropolitana de Manaus também dispõe das traduções, segundo intérprete.

Imagine-se migrar para um país onde você não fala a língua nativa e não pode compreender o que os moradores locais falam. É como se sentem, muitas vezes, os dependentes da Língua Brasileira de Sinais (Libras), que não escutam e, em muitos casos, também não falam.

Eles  enfrentam a realidade de ser um estrangeiro no próprio país e depender de familiares para ir a lugares como shoppings, agências bancárias e restaurantes. Nesse meio escasso de intérpretes de Libras, em locais com grande movimentação de pessoas, as igrejas cristãs estão fazendo a diferença e incentivando a tradução em missas, cultos e encontros de fiéis.

As missas dominicais noturnas da Paróquia Cristo Rei, no bairro São José 2, zona leste de Manaus, são um dos exemplos de inclusão por meio de tradução para Libras. O intérprete profissional Renan Rodrigues, 26, faz parte da comunidade e transmite as missas na linguagem de sinais há cinco anos. As traduções são feitas para cinco fiéis surdos que participam da comunidade.

“O surdo já nasce um estrangeiro na própria terra”, afirmou Renan.

O intérprete disse que, muitas vezes, precisa acompanhar amigos com deficiência auditiva em bancos, consultórios médicos ou órgãos públicos.

“Já tive que ir em ambulância para acompanhar um amigo surdo e poder explicar o que ele estava sentindo para os médicos. Até já traduzi ultrassom”, acrescentou o jovem. Com a tradução das missas para Libras, Renan explicou que a intenção é incluir também uma parcela de fiéis que, em geral, só consegue entender algo, minimamente, se for pela leitura labial.

Renan disse que também participa da tradução de celebrações para Libras no Santuário de Aparecida, no bairro de mesmo nome, na zona sul, atendendo cerca de 30 surdos que acompanham as missas dominicais noturnas. Ele acrescentou que, em grandes solenidades da igreja, a Catedral Metropolitana de Manaus também dispõe das traduções.

Outra igreja cristã que busca a inclusão da comunidade surda é a Assembleia de Deus Tradicional, no bairro Praça 14 de Janeiro, na zona sul. Nas noites de domingo e segunda-feira, os cultos são traduzidos para a linguagem de sinais. Algumas das traduções são feitas pelo intérprete e professor de Libras Henrique Ribeiro, 26, que faz parte da comunidade da igreja. As traduções não se limitam aos cultos e, segundo Henrique,  ocorrem dependendo da necessidade, incluindo seminários e encontro com jovens.

Quem tem deficiência auditiva sabe que até atividades rotineiras apresentam algum grau de dificuldade, como relata o casal Gilmar Nunes Coelho, 58, e Maria do Socorro de Oliveira Coelho, 52, que enfrentam juntos desafios cotidianos, como, por exemplo, tirar dúvidas sobre produtos em comércios.

“A gente ainda tenta se comunicar, mas não entendem”, afirmou, por meio de Libras, o industriário Gilmar. Da mesma forma, a dona de casa Maria do Socorro afirmou, também por Libras, que já desistiu de fazer compras porque não a entendiam.

“É frustrante e seria ótimo que os locais mais frequentados tivessem uma pessoa que soubesse Libras”, lamentou.

Fonte: D24am

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 23/07/2016

Grupo de dança inclusiva Corpo em Movimento em Niterói


O grupo possui cinco bailarinos com deficiência, e promete se superar mais uma vez com bastante acrobacias, técnicas aprimoradas e levezaO grupo possui cinco bailarinos com deficiência, e promete se superar mais uma vez com bastante acrobacias, técnicas aprimoradas e leveza

O grupo de dança inclusiva Corpo em Movimento se apresentou com o espetáculo “Brasil Brasileiro”, no Teatro Popular Oscar Niemeyer, no Centro de Niterói

Corpo em Movimento
Fundada pela Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (ANDEF), a companhia de dança tem em suas principais apresentações: Cerimônia de Encerramento das Paraolimpíadas de Londres em Londres, Encerramento da Copa das Confederações no Maracanã e Abertura do lll Prêmio Rio sem Preconceito – Teatro Oi Casa Grande.

Ritmo, suavidade, beleza e plasticidade, são os fundamentos do grupo. Dentre os objetivos destaca-se a proposição de uma imagem diferente da pessoa com deficiência, permitindo um redimensionamento social dos seus próprios corpos, reduto maior do estigma e do preconceito.

Em 2016 daremos início nas apresentações do nosso 3º espetáculo, o grupo de dança inclusiva Corpo em Movimento, apresenta Brasil Brasileiro que mescla diversos ritmos do nosso pais em um encontro cultural entre nossas regiões de uma maneira plástica, performática e dinâmica.

Com 9 bailarinos, sendo destes 5 pessoas com deficiência, o grupo Corpo em Movimento promete se superar mais uma vez com bastante acrobacias, técnicas aprimoradas e leveza.

Fonte: Sopa Cultural


A young man has launched a campaign urging people to spend a day in a wheelchair following a series of difficulties he experienced on a train.A young man has launched a campaign urging people to spend a day in a wheelchair following a series of difficulties he experienced on a train.

Sean O’Kelly was travelling in a wheelchair by DART from Dalkey to Clontarf earlier this year for a driving lesson when there was no one there to assist him off the train when he arrived and the station’s lift was out of service.

“It was just the straw that broke the camel’s back,” Sean, from Dalkey, told Independent.ie.

When a wheelchair user wants to travel with Irish Rail, they are advised to provide at least 24 hours notice that they plan to travel to ensure that someone is there to help them on and off. Bus Eireann issue similar advice to wheelchair users.

“The driver had to let me off,” he said.

“In come cases, passengers have brought me off. Drivers have refused in the past. It’s disgraceful,” he said.

Sean (23) then went on to exit the station, but the elevator was broken.

“I rang Pearse Station and they sent someone from Killester to help me off.”

However, there’s not always someone around to help, says Sean.

“There have been many situations where I’ve been stuck. We, as wheelchair users, should be able to go where we want, when we want,” he said.

“Having to provide 24 hours notice is discrimination.”

“I’m 23 years old. I should be able to go out and have fun spontaneously. Every move from my house has to be planned.”

In response to the situation, Sean launched a campaign – A Day in my Wheels.

“I’m challenging the public and politicians to spend a day in my wheels. I’m challenging Minister for Disability Finian McGrath, Minister for Health Simon Harris and all local councillors to take on my challenge.”

Sean wants people to experience the challenges that society brings that he faces each day.

“We are a minority in this country. We are pushed aside, almost forgotten,” he said of his feelings about the wheelchair community in Ireland.

Sean is campaigning through his Facebook page to encourage people to spend a day in a wheelchair and experience the difficulties he, and many other wheelchair users, face each day in an effort to improve the lives of the 40,000 wheelchair users in Ireland.

Follow Sean’s campaign here.

Source: independent.ie

Publicado por: Ricardo Shimosakai | 22/07/2016

Metropolitan Museum of Art: estratégias de acessibilidade


O Metropolitan Museum of Art possui uma entrada alternativa acessível e sinalizada, preservando a arquiteturaO Metropolitan Museum of Art possui uma entrada alternativa acessível e sinalizada, preservando a arquitetura

Os programas de acesso de um dos maiores e mais importantes museus do mundo – o The Metropolitan Museum of Art, de Nova Iorque – são concebidos para ir além da acessibilidade e garantir, de fato, a inclusão de seus visitantes com deficiência. As atuais leis norte-americanas exigem que as organizações públicas ofereçam condições adequadas para que pessoas com deficiência sejam capazes de trabalhar, receber educação e participar da vida cultural de suas comunidades. Por isso, é prática comum em instituições de arte oferecer recursos como audiodescrição, dispositivos de escuta assistida, intérpretes de língua de sinais e banheiros acessíveis. No entanto, esses serviços muitas vezes não fazem parte de um esforço integrado da entidade em estabelecer padrões de acessibilidade em todos os níveis organizacionais. Frequentemente, falta o entendimento de que a inclusão exige profunda reflexão e planejamento minucioso.

Desde a década de 1990, o Desenho Universal tem servido como referência para o Metropolitan Museum of Art. Adaptamos os princípios da concepção ao contexto de um museu, com o objetivo de “desenvolver produtos e ambientes a serem utilizados por todas pessoas, na máxima extensão possível, sem a necessidade de adaptação ou projeto especializado para pessoas com deficiência ”. A seguir, destaco brevemente como esse trabalho foi realizado.

Metropolitan Museum of Art: diálogo com o público e representatividade

Quando digo às pessoas o que faço no Metropolitan Museum of Art, frequentemente ouço: “Oh, é um bom trabalho”. Essa frase muitas vezes indica, implicitamente, uma perspectiva de caridade; e faz parte do desenvolvimento de programas para visitantes com deficiência desafiar suposições e expectativas que nós, como indivíduos e como sociedade, internalizamos ao longo dos séculos.

Quando ouço pessoas usando o termo “diferentemente-capazes” para se referir a pessoas com deficiência, eu estremeço mais ainda do que quando usam “incapazes”. Ao menos, com esta última palavra, posso explicar brevemente que seu uso não é politicamente correto. Já com “diferentemente-capazes”, eu preciso esclarecer o que é um eufemismo e ressaltar que o termo não empodera pessoas com deficiência, mas, ao contrário, as deprecia. Como pessoa cega, a expressão, para mim, insinua que posso descobrir meios para compensar o fato de que não consigo ver. Ela está me forçando a fazer tudo ficar bem: eu não posso enxergar, mas posso fazer outra coisa. Implicitamente, essa outra coisa deve ser extraordinária.

Pessoas com deficiência são o único grupo minoritário do qual qualquer um de nós pode passar a fazer parte a qualquer momento da vida. Negar a experiência da deficiência é, em última instância, negar as complexidades do ser humano. É mais uma vez colocar o ônus sobre a pessoa ao invés de reconhecer que a deficiência é “um fenômeno complexo, que reflete a interação entre as características do corpo e as características da sociedade em que ele ou ela vive. [E que] superar as dificuldades enfrentadas por pessoas com deficiência requer intervenções para eliminar as barreiras ambientais e sociais”.

Como tudo isso pode ser relevante para o Metropolitan Museum of Art? O desenvolvimento de programas para pessoas com deficiência demanda que os educadores de museus prestem atenção às complexidades de ser humano e de colaborar com seu público. Não se trata de servir pessoas, mas de estar em diálogo com os nossos visitantes. Como disse Paulo Freire: “Não podemos, a não ser ingenuamente, esperar resultados positivos de um programa, seja educativo num sentido mais técnico ou de ação política, se, desrespeitando a particular visão do mundo que tenha ou esteja tendo o povo, se constitui numa espécie de ‘invasão cultural’, ainda que feita com a melhor das intenções”.

Nesse esforço, o Metropolitan Museum of Art contrata diversos funcionários e educadores com deficiência. Todos os projetos para a comunidade surda são ministrados por surdos. Toda vez que realizamos pesquisas formais ou informais, os participantes nos dizem como é importante para eles participar de ações ministradas por um falante nativo. É tanto sobre como fazer o museu representar mais os seus visitantes, quanto sobre como desafiar expectativas. Um dos educadores com deficiência auditiva, por exemplo, atua regularmente como mediador no “Conversas na galeria” – atividade interativa com o objetivo de envolver o visitante diretamente com obras de arte por meio de conversações lideradas por curadores, educadores e especialistas convidados. Mais recentemente, dois artistas, um cego e outro com visão parcial, foram contratados para atuar nos programas de acesso, nas “Conversas na galeria” e nas aulas de desenho para todos os visitantes.

Também temos parcerias com organizações e colegas em toda Nova Iorque para pensar como o museu pode ser um lugar mais acolhedor, confortável e relevante. Uma das relações mais longas do Metropolitan Museum of Art é com a escola de música Filomen M. D’ Agostino Greenberg, da Lighthouse Guild – organização dedicada à reabilitação de pessoas com deficiência visual e à defesa dos direitos dos cegos. Nos últimos 20 anos, o Metropolitan Museum of Art tem sediado os concertos da entidade, nos quais cantores e músicos cegos ou com deficiência visual executam canções inspiradas nas coleções do museu. Essas conexões são mutuamente benéficas.

Metropolitan Museum of Art: estratégias multissensoriais

O compromisso do Metropolitan Museum of Art para tornar suas exposições acessíveis é baseado na crença de que “todos têm o direito de participar plenamente da vida cultural de sua comunidade ”. Pessoas com e sem deficiência frequentam museus em busca de experiências educacionais significativas com a arte. Como observado por um participante do estudo “Speaking out on Art and Museums”, realizado junto a visitantes de museus cegos ou com baixa visão em 2011: “Na maioria das vezes eu vou sozinho, ou mesmo se eu vou com outra pessoa eu tendo a circular sozinho, porque dessa forma eu posso realmente focar na arte”. Outros vêm ou desejam se encontrar com amigos: “Para mim é geralmente socializar e conversar com colegas sobre a exposição e o artista”, disse outro entrevistado.

As ações do Metropolitan Museum of Art são planejadas de modo a oferecer flexibilidade para os visitantes com deficiência. Como as falas acima nos mostram, diferentes públicos têm diferentes preferências. Por exemplo, um visitante que é cego ou que tem deficiência visual pode participar de um programa agendado na galeria, de uma aula de desenho ou ainda pode solicitar um tour descritivo individual em uma exposição ou coleção específica. Nós também nos esforçamos para fornecer acesso a informações e obras de arte em formatos alternativos; material impresso com letra ampliada fica disponível na entrada das exposições ou os visitantes podem pegar um audioguia.

Os visitantes com deficiência visual e cegos podem experenciar a coleção através de tours de toque, audiodescrição ou sessões de manipulação. Todos nossos projetos incentivam o uso dos sentidos para acessar e fazer conexões com obras de arte. Embora as estratégias multissensoriais têm sido muito utilizadas em museus de ciência, apenas recentemente as instituições de arte passaram a explorar seu potencial e a redefinir suas oportunidades de aprendizagem para todos os visitantes.

O Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque está constantemente aperfeiçoando seus programas, tendo em vista as constantes mudanças de demografia, de legislação, de cultura e de tecnologia. Os programas de acesso do museu são apenas um aspecto de um trabalho que nos faz pensar na inclusão de dentro para fora.

por Marie Clapot – trabalhou como coordenadora de acessibilidade no Museu de Arte da Universidade de Indiana, implementando um programa para pessoas com perda de visão. Atualmente, é educadora no Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque. É mestre em Educação Artística pela Universidade de Indiana e em Desenvolvimento de Patrimônio pela Université de Bretagne Occidentale.

Fonte: Instituto Rodrigo Mendes


La guía de turismo accesible recopilará información sobre las condiciones de accesibilidad de los establecimientos turísticos y restaurantes en todo el paísLa guía de turismo accesible recopilará información sobre las condiciones de accesibilidad de los establecimientos turísticos y restaurantes en todo el país

A partir del año pasado inició en República Dominicana el boom del turismo accesible, ya que grandes instituciones relacionadas al sector se involucraron en el tema para que las personas con discapacidad que visitan el país cuenten con facilidades que permitan que su estadía sea de mayor agrado a pesar de sus necesidades físicas.

Así lo ha expresado a este portal, la promotora del turismo accesible en el país, Nathalia García, quien señala que con las iniciativas de estas entidades que se unen a la causa, se demuestra que el proyecto ha tenido “muy buena aceptación”, por lo cual ya se está trabajando en la primera guía a favor de este nicho de mercado con los fines de hacer una radiografía sobre cómo están los recursos hoteleros en el país en términos de discapacidad.

Para esto, García y su equipo de trabajo evaluaron 10 clústeres turísticos y declararon que al menos un 40% de los hoteles tienen algunas herramientas útiles para turistas accesibles, dentro de estos destacaron los de La Altagracia, La Romana, Puerto Plata, Santo Domingo, Constanza y Jarabacoa.

Al conversar con arecoa.com, García dijo que además de voluntad, las cadenas hoteleras deben comprender que se necesitan normativas que regulen estas adecuaciones y adaptaciones.

El turismo accesible se entiende como aquel que está dedicado a generar facilidades a los discapacitados que visitan el país, además de envejecientes, embarazadas y aquellos que han sido operados y que vinieron a República Dominicana atraídos por el turismo de salud.

Fuente: arecoa


Viagem piloto, com apoio da Fresp, levou pessoas com deficiência visual a cafezalViagem piloto, com apoio da Fresp, levou pessoas com deficiência visual a cafezal

Inclusão. Esta é a palavra-chave num novo segmento de roteiros rodoviários que a Fresp (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado de São Paulo) incentiva. O piloto aconteceu no último dia 11/06, com uma viagem de ônibus baseada em Turismo rodoviário Sensorial – de São Paulo ao interior paulista, levando um grupo de cegos à roça. A experiência incluiu colher café e debulhar milho para moagem de fubá na fazenda sustentável Retiro Santo Antônio, em São Antônio do Jardim (distante cerca de 172 km da capital), e no conhecimento tátil de grãos, torra e degustação de cafés regionais na Cafeteria Loretto em Espírito Santo do Pinhal (a 7km da primeira parada). Os municípios, aos pés da serra da Mantiqueira, buscam otimizar roteiros de turismo rodoviário.

A ideia surgiu a partir do trabalho de conclusão de curso Técnico em Guia de Turismo da aluna do SENAC Aclimação, Audmara Veronese, com o tema “Ampliando Horizontes”. Veterana no voluntariado a pessoas cegas, ela desenvolveu um passeio de vivência para um grupo de cegos e pessoas com baixa visão ligadas a ong’s e à Fundação Dorina Nowill.

“O objetivo deste projeto é oferecer para as agências um serviço de guiamento baseado na audiodescrição em roteiros para turismo rodoviário sensorial, que irá proporcionar à pessoa com deficiência visual uma experiência singular – que vai além de acompanhar, orientar e transmitir informações. É um serviço inovador para agências de viagem, com a descrição detalhada do local que está sendo visitado”, explica a idealizadora. “A viagem inclusiva abre portas para novas iniciativas e atração de públicos especiais em roteiros já estabelecidos ou que estão se estabelecendo, oferecendo opções de qualidade a estes grupos, principalmente pela vivência”, defende a diretora executiva da Fresp, Regina Rocha, fazendo menção aos mais de seis milhões de pessoas com algum tipo de deficiência visual no país (Censo, 2010).

Pessoas com deficiência visual valorizam mais as informações através do tato e da audiçãoPessoas com deficiência visual valorizam mais as informações através do tato e da audição

Turismo Rodoviário Sensorial: a experiência

O grupo de 20 cegos, pessoas com baixa visão e seus acompanhantes não se intimidaram com o frio intenso da capital paulista e partiram para o interior cantando canções sertanejas para entrarem no clima. Como se trata de um público diferenciado e um projeto baseado na proposta do turismo rodoviário sensorial, até a descrição das condições e cores do céu tornaram a experiência única durante o trajeto de quase duas horas. Na chegada, boas-vindas com café e bolo de milho produzidos na fazenda, um imóvel de construções com pelo menos 65 anos. A experiência incluiu não só as visitas ao cafezal e moinho de pedra, mas também plantio de árvore pelos visitantes. Segunda parada, Espírito Santo do Pinhal – cidade com bom conjunto arquitetônico cafeeiro preservado – foi apresentada ao grupo pela Diretora de Turismo, Sandra Whitaker, que ressaltou a importância de tornar a história acessível a todos os públicos.

Sobre a Fresp

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado (Fresp) é uma entidade sindical de grau superior, constituída com o objetivo de agrupar, representar, coordenar, proteger e estimular o aprimoramento das atividades de transporte de passageiros por fretamento. Hoje a FRESP é composta por sete sindicatos: SETFRET, SINFRECAR, SINFREPASS, SINFRESAN, SINFRET, SINFREVALLE e TRANSFRETUR espalhados pelo Estado de São Paulo. Os sindicatos juntos congregam mais de 300 empresas de transporte profissional de pessoas por fretamento.

Fonte: Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 22.984 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: