Publicado por: Ricardo Shimosakai | 26/08/2015

Deficientes sem vida cultural, outra falha na acessibilidade


Eduardo Ramon tem que enfrentar degraus sem nenhum tipo de ergonomia e uma rampa acima da altura idealEduardo Ramon tem que enfrentar degraus sem nenhum tipo de ergonomia e uma rampa acima da altura ideal

Acessibilidade e deficiência andam juntas, certo? Errado. Em Alagoas, 24% da população é portadora de necessidades especiais, aproximadamente 700 mil pessoas. São cidadãs e cidadãos que até que têm uma grande vontade de ter uma vida cultural, mas quando pensam na dificuldade, sobretudo pela falta de acesso, desistem.

A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência é enfática ao afirmar que a igualdade de oportunidades é direito de todos, e que é garantida a acessibilidade destas pessoas a bens culturais em formatos acessíveis, sobretudo, acesso aos locais que ofereçam estes serviços, como teatros, museus, cinemas, bibliotecas, entre outros.

No entanto, o único lazer cultural que os portadores de necessidades especiais têm se resume às datas comemorativas. Para a tristeza dos deficientes, uma das barreiras arquitetônicas começa por quem deveria ser exemplo, na calçada principal da Secretaria Estadual de Cultura (Secult), localizada na Rua Pedro Paulino, no Centro da capital alagoana.

O portador de necessidade visual Eduardo Ramon dos Santos, de 11 anos, é aluno da Escola de Cegos Cyro Accioly, e demonstra para a reportagem sua dificuldade de acessibilidade para conseguir chegar à recepção da Secult.

Guiado por sua professora Albanize Mirindiba Bonfim, o obstáculo começou no caminho repleto de buracos, depois vêm os degraus sem nenhum tipo de ergonomia e uma rampa acima da altura normal.

O garoto por pouco não caiu ao tentar se equilibrar para subir os degraus da secretaria. E ainda, no final do corrimão, se deparou com uma coluna de sustentação que o impedia de passar e chegar ao seu destino, que era a recepção.

“Se na própria Secretaria de Cultura é assim, imagine nos espaços culturais, quem deveria dar exemplo é o primeiro a falhar. Existe uma lei que assegura a acessibilidade, mas é muito bonita só no papel”, desabafou a professora Albenize Mirindiba que milita há 30 anos na educação inclusiva.

Ela tem voz e experiência suficiente para afirmar que: “briga o tempo todo para que haja acessibilidade em todos os lugares, para que o deficiente seja tratado como cidadão”. No entanto, o que Albenize percebe, é uma extrema rejeição e preconceito da população, o que, segundo ela, faz com que os deficientes se constranjam e se tranquem dentro de casa por falta de acessibilidade no meio cultural.

Fonte: Tribuna Hoje


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: