Publicado por: Ricardo Shimosakai | 15/10/2016

Leonardo Sbaraglia interpreta um cadeirante no thriller ‘No fim do túnel’, do argentino Rodrigo Grande


leonardo-sbaraglia-interpreta-um-homem-numa-cadeira-de-rodas-que-esta-passando-pela-vida-sem-qualquer-vontade-de-continuarLeonardo Sbaraglia interpreta um homem numa cadeira de rodas que está passando pela vida sem qualquer vontade de continuar.

No fim do túnel, produção argentino-espanhola de Rodrigo Grande tem início quase como um drama pessoal. Mas não se engane. É um thriller de primeira.

Leonardo Sbaraglia, hoje o ator argentino que só perde em popularidade no Brasil para Ricardo Darín (está em cartaz também em O silêncio do céu, de Marco Dutra) é o protagonista.

Ele interpreta Joaquín, homem que perdeu a mobilidade em um acidente de carro, onde perdeu também mulher e filha. Berta (a espanhola Clara Lago) é a stripper que lhe invade o antigo casarão pedindo para alugar a parte de cima da moradia – o que Joaquín aceita com muita relutância, mesmo precisando urgentemente de dinheiro.

Trabalhando no sótão consertando computadores, Joaquín descobre que do outro lado da parede está um bando de ladrões. O líder é Galereto (Pablo Echarri, outro ator de peso na produção argentina contemporânea), que comanda a construção de um túnel para roubar um banco próximo. Joaquín passa então a vigiar o grupo, tentando antecipar cada movimento dos ladrões.

No fim do túnel é o primeiro filme de Grande a chegar ao mercado brasileiro. Com uma narrativa cheia de reviravoltas (algumas um tanto inverossímeis, mas vá lá) o filme tem como maior mérito um clima opressivo, claustrofóbico, que segura o espectador até o desfecho.

“Apresentei para os diretores de fotografia e de arte uma síntese do que queria. O clima do David Fincher em Seven – Os sete pecados capitais (1995), o humor de Orson Welles e alguns trabalhos de quadrinistas argentinos que sempre utilizaram o claro e o escuro, sobretudo Alberto Breccia”, afirma o diretor, que veio ao Brasil para divulgar o longa.

Narrativa quase toda centrada em ambientes fechados, o thriller ainda tem uma trilha sonora que orquestra cada nova passagem. A história, que enfoca questões éticas – afinal, existe o certo e o errado entre ladrões? –, ainda coloca dois opositores de peso.

O Joaquín de Sbaraglia é um homem traumatizado, mas de boa índole, enquanto o Galetero de Echarri (que estreia no longa como coprodutor) é o mal encarnado. O embate entre a dupla só se dá no final, com um banho de sangue obrigatório para este tipo de (bom) cinema.

Fonte: uai


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: